A sociedade precisa ir às ruas e soltar o grito

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco não é contra ‘novos movimentos eclesiais’, ele apenas favorece alguns em detrimento de outros

    LER MAIS
  • Papa Francisco não estava bem informado para a visita ao Canadá. Artigo de Thomas Reese

    LER MAIS
  • “Diáconas para uma Igreja sinodal.” Síntese para o Sínodo sobre a Sinodalidade

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Mai 2022

 

"As eleições realizadas democraticamente são o ato concreto para enfrentar a operação de desconstrução do país. O posicionamento da sociedade em defesa das eleições, do sistema eleitoral brasileiro e da posse dos eleitos é o outro grito que deve ecoar em cada cidade, em cada comunidade, bairro, nos encontros, nos espetáculos e shows", escreve Ivânia Vieira, jornalista, professora da Faculdade de Informação e Comunicação da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), doutora em Processos Socioculturais da Amazônia, articulista no jornal A Crítica de Manaus, co-fundadora do Fórum de Mulheres Afroameríndias e Caribenhas e do Movimento de Mulheres Solidárias do Amazonas (Musas).

 

Eis o artigo. 

 

A estratégia de desqualificar e enfraquecer o sistema eleitoral brasileiro é parte de um mesmo plano: minar as instituições do País e a democracia. Não se trata de delírio ou manifestações irresponsáveis de autoridades públicas, a começar pelo presidente da República, principal fomentador dessa ação, e sim do acionamento de instrumentos técnicos para a produção de mentiras, do medo, da violência e do fortalecimento da extrema direita no Brasil.

 

As manifestações de artistas, de segmentos da população e de algumas organizações civis em apoio à candidatura de Lula envolvem dimensões intercruzadas. Não se trata do voto fiel a Lula e sim de um movimento dos setores sufocados pelas práticas do atual governo federal. É possível afirmar que cresce (e precisa crescer mais) o nível de compreensão quanto à necessidade de superar o estágio de decadência geral a que o Brasil está submetido nacional e internacionalmente.

 

O primeiro passo é assegurar a realização das eleições de outubro com garantia constitucional do respeito ao resultado saído das urnas, seja qual for ele. O trabalho desenvolvido até agora pela direita radical é o de reproduzir internamente o que ocorreu dentro da mesma lógica nas eleições estadunidenses incluindo invasões e atos de ataques físicos no Congresso Nacional e ou a outras instâncias representativas dos poderes. É fundamental enfrentar já o discurso de ameaça e em tom de convocação para que as pessoas se armem com armas de fogo e, diante de um comando, as acionem.

 

O posicionamento pelo confronto sangrento exige ser rechaçado desde agora. E quem deve fazê-lo? Todos e todas que sentem o mal-estar produzido por esse tipo de postura e que podem ter suas vidas completamente afetadas pelo efeito da mão única autoritária e afeita a extremismo. A maioria da população brasileira não compactua com atitude dessa natureza, é necessário que empresários, líderes religiosos e dirigentes de instituições se pronunciem e digam que país querem ver se consolidando. Este que agora convive com milhões de pessoas em vulnerabilidade alimentar aguda, do desmonte das estruturas institucionais, do desmatamento em larga escala, dos ataques sistemáticos aos povos indígenas e na tentativa de naturalizar os crimes contra as mulheres, o povo preto, LGBTQI a+, as juventudes, os quilombolas.

 

Quanto ao desenvolvimento do Brasil a estagnação é a referência. O apoio à ciência, à tecnologia e à inovação tecnológica é pífio e às universidades públicas federais estão acossadas; não diferente é a situação dos institutos de pesquisa. Em nível internacional, qual é a representatividade do Brasil? Tornou-se um país párea nos diálogos e posicionamentos entre as nações submetido ao silêncio porque não tem o que dizer.

 

As eleições realizadas democraticamente são o ato concreto para enfrentar a operação de desconstrução do país. O posicionamento da sociedade em defesa das eleições, do sistema eleitoral brasileiro e da posse dos eleitos é o outro grito que deve ecoar em cada cidade, em cada comunidade, bairro, nos encontros, nos espetáculos e shows. Afinal, a conclamação ora feita em favor do armamento da população já é em si uma arma acionada contra os direitos das cidadãs e dos cidadãos. Os tiros estão sendo dados.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A sociedade precisa ir às ruas e soltar o grito - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV