“Uma festa sem vinho não é festa”, diz Papa Francisco

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • “Sendo 1% da população, os indígenas são a ponta de lança na resistência a Bolsonaro.” Entrevista com Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • Movimento dos Focolares à prova

    LER MAIS
  • O desafio do pós-teísmo. Artigo de Paolo Gamberini

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 10 Junho 2016

“Sem vinho, sem festa”, até poderia ser para um slogan publicitário. Mas o Papa Francisco utiliza a imagem evangélica do vinho para destacar a alegria cristã de celebrar a vida e seus melhores momentos: as bodas, os nascimentos, os batismos, a formatura, entre outras coisas especiais.

A reportagem é de Ary Waldir Ramos Díaz e publicada por Aleteia, 08-06-2016. A tradução é de André Langer.

“Uma festa na qual falta vinho, os recém-casados se envergonham disso. Imaginem vocês terminar uma festa de casamento bebendo chá”, reiterou o Papa Francisco na catequese desta quarta-feira, 08 de junho, no Vaticano.

Na série de catequeses sobre a misericórdia, o Bispo de Roma explicou que Jesus participava tanto das festas e das convivências familiares como dos casamentos.

“Nas bodas de Caná (Jo 2, 1-12), Jesus começa seus sinais e “manifesta-se como esposo do Povo de Deus e nos une a ele com uma nova aliança de amor, que nós, sua família, temos que cuidar e estender a todos”.

Neste sentido, antes de iniciar a catequese, o Pontífice saudou um casal que celebrou 50 anos de matrimônio e tomou-os como exemplo para os casais mais jovens diante de 20 mil fiéis e peregrinos presentes na Praça São Pedro.

“Este sim é ‘o vinho bom’ da família! O testemunho de vocês é algo que os recém-casados e os jovens devem aprender. É um belo testemunho”, disse Bergoglio.

Depois apresentou Maria, mãe de Jesus, que tem fé em seu filho, como exemplo para todos. Além disso, evidenciou que Jesus atende a oração de Maria.

“Maria avisa Jesus de que falta o vinho, este é um elemento típico do banquete messiânico e simboliza a abundância do banquete e a alegria da festa”, acrescentou.

Jesus gosta da festa do amor conjugal

Com efeito, Jesus conta várias parábolas de bodas onde destaca a alegria da vida cristã.

“Por isso, Jesus, transformando em vinho a água das ânforas utilizadas ‘para a purificação ritual dos judeus’, Jesus realiza um sinal eloquente: transforma a Lei de Moisés no Evangelho, portador de alegria”, confirmou.

Generosidade (600 litros)

Por outro lado, expôs as palavras de Maria: “façam tudo o que Ele disser” (Jo 2, 1-12). Nisso, “confiam uma nova missão à Igreja e configuram o programa de vida cristão, que se concretiza em servir o Senhor, escutando sua Palavra e colocando-a em prática”.

O Pontífice exortou para aproximar-se de Jesus para “beber desta fonte o vinho bom da salvação, que nunca deixa de jorrar do lado transpassado de Cristo”.

Por último, convidou os presentes para que, “recebendo do coração de Jesus a graça que nos salva, façamos da nossa vida cristã uma contínua resposta de amor a Deus”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Uma festa sem vinho não é festa”, diz Papa Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV