Girard “valorizou novamente a religião cristã na filosofia”

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • 50 anos de teologias da libertação memória, revisão, perspectivas e desafios

    LER MAIS
  • Guerra Civil Psicótica Global (GCPG). Artigo de Franco ‘Bifo’ Berardi

    LER MAIS
  • Algoritmo sensível, elites insensíveis: o problema de base do capitalismo 4.0

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 06 Novembro 2015

O pensador francês René Girard, que faleceu aos 91 anos de idade, era um “audacioso” tratado na França “como um intruso” que “valorizou novamente a religião cristã na filosofia”, declarou na quinta-feira o bispo Claude Dagens, um dos seus pares na Academia Francesa.

A reportagem é publicada por Respectmag.com, 05-11-2015. A tradução é de André Langer.

“Era um filósofo original e muito audacioso, porque ele enfrentou uma realidade que os filósofos de modo geral não abordam, que é a realidade e o mistério do mal”, disse à AFP dom Dagens, que se encontra em Lourdes para a assembleia dos bispos.

Para o prelado-acadêmico, “ele valorizou novamente a religião cristã na filosofia mostrando que a realidade do mal provoca a engrenagem da culpabilidade: se há o mal há culpados, se há culpados é preciso procurá-los, se procurarmos os encontraremos e se os encontrarmos devemos acusá-los”.

“Jesus Cristo, por sua Paixão e Cruz, vem para abolir a partir de dentro esta engrenagem destruidora: ele é o bode expiatório que toma sobre seus ombros o mal do mundo e que rompe a engrenagem da culpabilidade”, analisa dom Dagens.

De acordo com o bispo de Angoulême, todos os livros de René Girard, especialmente A violência e o sagrado (1972), “cantam a mesma música”, fazendo “da revelação do Cristo crucificado um elemento constitutivo de uma nova compreensão do mundo, e isso era de uma extraordinária audácia”.

“Isso não lhe rendeu muitos amigos no campo da filosofia”, revelou dom Dagens. “Na França, ele era tratado como um intruso. Ele se ocupou daquilo que, como filósofo, não devia ter se ocupado”.

René Girard, que ensinava nas universidades americanas de Duke, John Hopkins e sobretudo Stanford, “encontrou nos Estados Unidos um pensamento filosófico muito mais aberto à religião”, segundo o bispo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Girard “valorizou novamente a religião cristã na filosofia” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV