''De Boko Haram ao Shabaab, África na Torquês Islâmica''

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Encantar a política: Uma proposta de cristãs e cristãos católicos para o povo brasileiro. Artigo de Toninho Kalunga

    LER MAIS
  • Ucrânia, Terceira Guerra Mundial e o guia do Papa Francisco para a Igreja. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS
  • Cristo e a paz. Artigo de Dietrich Bonhoeffer

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Janeiro 2013

De um lado os terroristas do Jihad colocam as bombas no terminal dos ônibus ou lançam granadas nas igrejas, de outro a maioria muçulmana adquire casas e terrenos, capturando os cristãos indigentes como mão de obra”. Ao descrever a “torquês” islâmica à qual está presa 30% da população do Quênia está o padre Stefano Giudici, missionário comboniano, que, desde 2009, conduz em Nairobi a Missão São João Batista nas favelas de Korogocho, um dos lugares mais desesperadores de África. O continente negro está na mira das seitas fundamentalistas (como Boko Haram, na Nigéria) que, com milhares de mortos, procuram impor a Sharia. O “contágio” é um pesadelo.

A entrevista é de Giacomo Galeazzi e foi publicada no jornal Vatican Insider, 9-1-2013.

O que ameaça os cristãos?


A islamização rastejante tem duas faces: a violenta dos extremistas e a legal dos posseiros que, como os colonos israelenses nos Territórios, ocupam área sobre área. No primeiro dia do ano, nós organizamos uma marcha pacífica pela liberdade religiosa e contra a utilização instrumental da fé para objetivos de poder político e econômico. Sofremos as crescentes tensões em vista da votação de março, mas aqui a nossa ação pastoral é bem acolhida pelo povo. No topo, estão mal-entendidos, e, nas várias comunidades de crentes e fundamentalistas, trabalham para a radicalização. Nós ficamos aqui, não temos medo, não fugimos.

Há ainda diálogo com o Islã?

Sim, mas a adesão islâmica está se ideologizando, e as divisões são tribais. Estamos entre pessoas que apreciam o nosso compromisso, e compreendem o significado da nossa presença em um lugar assim tão cheio de problemas, emergências, desafios, mas também com potencialidade para o bem. Infelizmente, todo o mundo retira-se em posição de intransigência, e as franjas integralistas manipulam as consciências. Os incentivos para o desenvolvimento são um modo de atrair as pessoas. Quando não se tem o que comer, aceita-se tudo, e muitos tornam-se islâmicos por necessidade. É uma estratégia ou uma dinâmica espontânea, a tendência agora é geral. Até mesmo os imigrantes indianos fazem assim em seus bairros de Nairóbi, para propagar a fé hindu. Dinheiro, casas, terrenos, empregos.

Qual é o antídoto para o choque entre religiões?

O Quênia é muito dividido. Os candidatos à presidência do país reforçam alianças tribais e não programas. Falta uma política de integração e diálogo entre as partes em conflito. Não há nenhuma autoridade iluminada em posição de colocar todos na mesma mesa. Primeiramente, a violência no Quênia não tinha coloridos religiosos. O perigo é que o contágio fundamentalista se estenda da Nigéria para o resto de África. Nós, católicos, junto com as outras confissões organizamos manifestações para a recuperação de crianças de rua, cheiradores de cola e alcoólicos. Tentamos, juntos, manter vivas as relações inter-religiosas. No passado, os conflitos referiam-se principalmente à definição de valores para conferir ordem. Mas Al Shabaab move-se. Em Korogocho, há um bairro inteiro somali e muçulmano. O Quênia empenhou-se em uma difícil ação militar na Somália, sob os auspícios da União Africana, para defender suas fronteiras dos terroristas. Teme-se uma escalada de ataques da parte do Shabaab da Somália. As verificações de segurança tornaram-se mais rigorosas, e vem sendo controlada também a entrada dos supermercados e dos cinemas. A salvação é o diálogo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''De Boko Haram ao Shabaab, África na Torquês Islâmica'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV