Teresa, doutora da Igreja

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Mai 2021

 

“A carmelita Waltraud Herbstrith afirmou com razão que Paulo VI, quando nomeou Teresa como nova doutora da Igreja, provavelmente pensou menos na 'igualdade de gênero' que em recomendar a mensagem de Teresa como resposta à 'extensa incapacidade do homem moderno para falar com Deus'”, escreve Marianne Schlosser, membro da Comissão Teológica Internacional, em artigo publicado por Alfa & Omega, 24-04-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Eis o artigo.

 

O carisma dos doutores da Igreja se trata de um carisma pedagógico, baseado em um conhecimento das coisas divinas, e se aproxima do conhecimento profético que se pode outorgar a homens e mulheres, idosos e jovens, educados nas ciências seculares ou simples crentes. A Igreja estava convencida disto desde o princípio, porque, já relata a profecia de Joel: “Teus filhos e filhas serão profetas”. Hildegard von Bingen era conhecida como “profetiza teutônica” durante sua vida; Pio II, que canonizou Catarina de Sena, confirmou seu “espírito profético”; Gregório XV comparou Teresa de Ávila com a profetisa Débora, e João Paulo II deu a Teresa de Lisieux o carisma da sabedoria, na qual o Espírito Santo produz uma compreensão mais profunda das Sagradas Escrituras e do mistério do amor de Deus. Estas quatro mulheres cumprem com o critério de dizer algo que tinha que ser dito, e não apenas para o seu próprio tempo, como também para agora. E como a maioria dos profetas (reais), seus ensinamentos são transversais. As quatro mulheres – mas não somente estas, como também algumas outras místicas –, mostram uma compreensão extraordinariamente profunda e viva da Igreja: não uma compreensão teórica da missão e a origem da Igreja, de seus ofícios e sacramentos, mas uma compreensão desde a experiência. Não aprenderam eclesiologia, mas captaram o mistério desta realidade desde seu pertencimento à Igreja.

"Detalhe de Santa Teresa", de François Gérard, 1827.

“Quais de nossos problemas se resolve com a declaração de Santa Teresa de Jesus como doutora da Igreja?”, disse Paulo VI quando lhe foi pedido que a nomeasse. Ou dito de outra maneira, o que tem de profético o ensinamento de Teresa? Que luz o seu ensinamento lança sobre a penumbra de nossas perguntas? Teresa é louvada de forma unânime como magistral orationis (assim a definiram João XXIII, Paulo VI, João Paulo II e Bento XVI), porque os segredos de que fala o ensinamento de Teresa são os segredos da oração. Teresa teve a capacidade de falar disto desde sua própria experiência, e foi a responsável de ensinar a suas irmãs. Por isso foi e é “mãe e mestra”.

A mensagem de Teresa chega a nós, os membros da Igreja, enquanto lutamos pela renovação da oração litúrgica; chega a nós, que somos tentados pelos ruídos e as grandes impressões do mundo exterior, que querem nos distanciar dos tesouros da vida interior. Nós, que somos filhos de nosso tempo, não apenas abandonamos a conversa regular com Deus, mas também perdemos o sentido da necessidade de adorá-lo e invocá-lo. A nós foi mostrado, através de métodos psicanalíticos, quão frágeis e complicados somos; por isso o foco agora não está no sofrimento das pessoas e sua salvação, mas no subconsciente animal e no grito de paixões não integradas e medos desesperados.

Nesta situação ressurge a mensagem de Teresa, sublime e simples ao mesmo tempo: pede-nos que prestemos atenção a “que Deus faz grandes façanhas na alma quando prepara as pessoas para que guardem voluntariamente a oração interior [...]; porque a meus olhos a oração interior não é mais que ficar com um amigo com que muitas vezes nos encontramos a sós, simplesmente para estar com Ele, porque sabemos com certeza que nos ama”.


O rosto de Teresa de Ávila na escultura de Lorenzo Bernini

A carmelita Waltraud Herbstrith afirmou com razão que Paulo VI, quando nomeou Teresa como nova doutora da Igreja, provavelmente pensou menos na “igualdade de gênero” que em recomendar a mensagem de Teresa como resposta à “extensa incapacidade do homem moderno para falar com Deus”.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Teresa, doutora da Igreja - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV