É preciso dar às mulheres a verdadeira liderança na Igreja, diz o mais jovem bispo irlandês

Mais Lidos

  • Noiz por noiz: Quem são os sujeitos periféricos?

    LER MAIS
  • As últimas aulas públicas de Adriana Dias

    LER MAIS
  • Em boa fé – A religião no século XXI. Artigo de Faustino Teixeira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

15 Outubro 2021

 

Foram precisam ser encontradas de dar às mulheres “papeis reais de liderança” e “dizer a verdade” na vida da Igreja Católica, de acordo com o bispo Paul Dempsey, de Achonry, na Irlanda.

A reportagem é de Sarah Mac Donald, publicada por The Tablet, 12-10-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Falando aos membros do grupo de leigos por reformas na Igreja, We Are Church Ireland, após uma palestra online sobre a Assembleia Sinodal Nacional para a Igreja da Irlanda, dom Dempsey disse: “Eu vejo que certamente há muitos papéis de liderança a serem dados para as mulheres tomarem decisões e votares, que não tem a ver com ordenação”.

O bispo Dempsey, que é membro do comitê diretor que trabalha na Assembleia Sinodal Nacional na Irlanda, acrescentou: “Pessoalmente, não entendo por que a Igreja não pode avançar mais nesta área”. Ele reconheceu que era uma área que precisava ser examinada.

O prelado de 50 anos referiu-se a um artigo de Lucetta Scaraffia, na edição de setembro da revista America, intitulado “Mulheres no Colégio de Cardeais: uma proposta modesta para uma igreja mais igual (e profética)” (em tradução livre, disponível em inglês neste link), observando que ser nomeada como uma cardeal não requer ordenação. “É uma questão interessante para se refletir”, disse ele.

Ordenado bispo em agosto de 2020, o mais jovem da Igreja irlandesa, Dempsey não se importou com a questão da ordenação de mulheres.

“Eu sei que muitos aqui defendem a ordenação de mulheres e há grandes grupos na Igreja que dizem 'absolutamente não' [à ordenação de mulheres]. Mas, deixando isso de lado, deve haver uma maneira que as mulheres possam ter uma palavra muito real na vida da Igreja e não chegar perto da questão da ordenação. Tem que ser olhado”.

Nascido em Carlow, foi ordenado sacerdote em 1997 e serviu como padre na Diocese de Kildare e Leighlin antes de ser nomeado bispo de Achonry, ele expressou preocupação em sua palestra de que o sínodo na Irlanda se concentraria apenas nas “questões pontuais”.

Ele disse: “Não estou dizendo que os problemas pontuais não devam ser discutidos. Claro, eles precisam ser discutidos. Mas acho que deve haver mais do que apenas os problemas pontuais. Meu medo é que fiquemos presos em nossas próprias agendas, em vez do quadro geral da missão que nos foi dada por Jesus Cristo para compartilhar o Evangelho no mundo de hoje”.

Ele identificou outras preocupações como as posições polarizadas e divisões dentro da Igreja, onde algumas pessoas querem ver uma mudança muito importante na vida da Igreja, e outras não querem ver nenhuma mudança, mas querem que a Igreja volte ao que era. foi há um século ou mais.

“Meu medo é que, para alguns, se a mudança não acontecer como eles gostariam, haja decepção e desilusão. E para outros, se a mudança acontecer, eles ficarão desapontados e desiludidos. É complicado e certamente vamos precisar do Espírito Santo para nos ajudar a lidar e navegar pelos diferentes pontos de vista fortes que as pessoas têm”.

Ele também advertiu que o sínodo não deve se tornar orientado para questões, ao invés de orientado para a missão. Observando que o Concílio Vaticano II tratava de missão e não de modernização, dom Dempsey disse que o apelo hoje, como foi com o Vaticano II, é para que a comunidade de discípulos compartilhe a visão de Jesus Cristo e do Evangelho.

“Meu medo é que talvez isso se perca um pouco se [o sínodo] se tornar muito controverso e apenas sobre questões pontuais”.

O caminho sinodal da Igreja irlandesa não deve ser uma jornada “única” ao longo dos próximos dois anos, culminando na Assembleia do Sínodo ou nas Assembleias de a cada cinco anos para então as pessoas dizerem, “é isso”.

“Isso seria um grande erro. A sinodalidade deve ser uma forma de ser Igreja. Espero que isso nos encoraje a ser mais abertos ao Espírito na vida da Igreja por muitos e muitos anos”.

Falando sobre os processos da jornada sinodal na Igreja irlandesa, o bispo de Achonry disse que os próximos dois anos serão um processo de escuta. “Espero que alcancemos o maior número possível de constituintes – para todos que desejam contribuir com algo para a Igreja Irlandesa”.

O comitê de direção que supervisiona este processo é composto por 20 mulheres e homens, leigos e ordenados. Membro do grupo, o bispo Dempsey o descreveu como um “grupo muito diverso” e enfatizou que o feedback das pessoas seria direcionado a este grupo, e não à mesa dos bispos. No entanto, ele sublinhou que “a grande maioria dos bispos está muito aberta para tentar ouvir o que as pessoas estão dizendo e para fazer parte deste processo sinodal mais amplo”.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

É preciso dar às mulheres a verdadeira liderança na Igreja, diz o mais jovem bispo irlandês - Instituto Humanitas Unisinos - IHU