Carta aos rabinos italianos irritados com o Papa (e não é para defender Francisco)

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Até quando? Editorial do L’Osservatore Romano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

28 Novembro 2023

"Cada criança palestina que morre, sem ter nada a ver com o ataque do Hamas (e já são vários milhares), é como uma lágrima que cai dos olhos de Deus através do choro das suas mães. É por isso que quero pedir à minha Igreja que inclua todas essas crianças naquela festa dos “santos inocentes” que nós, cristãos, celebramos: porque estes inocentes hoje (como as outras crianças judias vítimas do Hamas) são mais significativos e menos discutíveis historicamente, do que aqueles da época de Herodes", escreve José I. González Faus, jesuíta e professor emérito de Teologia em Barcelona, em artigo publicado por Religión Digital, 27-11-2023.

Eis o artigo.

Li um relatório que fala da “raiva dos rabinos italianos contra Francisco, a quem acusam de ‘distância gelada’ depois de acusar Israel de terrorismo”. Não creio que isso torne inúteis décadas de diálogo, como você sugere. Mas torna tudo mais complicado: porque no meu país há católicos que também rejeitam as palavras de Francisco, embora por razões políticas e não religiosas. E há judeus por toda parte que sofrem muito com o comportamento de Netanyahu, e constituem aquele “resto de Israel” que, segundo a Bíblia, sempre acabou salvando o seu povo.

Esta carta, portanto, não pretende defender Francisco, mas sim defender o judaísmo, que acredito que você causou muitos danos com essa afirmação, e que acredito amar quase tanto quanto você.

Vejamos um paralelo: acredito que Netanyahu causou grandes danos injustos aos palestinos ao recusar-se a aplicar os Acordos de Oslo (de 1993) e o Memorando do Rio Wye (assinado antes do presidente Clinton em 1998) e ao promover aquela política tacitamente violenta de ocupações sistemáticas. Mas penso que isso não justifica de forma alguma o ataque criminoso do Hamas. Com os mesmos critérios, também afirmo que o ataque brutal do Hamas não pode de forma alguma justificar a reação desproporcionada e terrorista de Israel. Todos devem ser medidos com a mesma medida. E a categoria 'crime de guerra' existe há anos no direito internacional.

A melhor parábola de toda a humanidade

Acredito profundamente que o judaísmo é a melhor parábola de todo o gênero humano: porque nele estão o maior pecado e a maior infidelidade a Javé ("Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim": Isaías (29, 13) e, ao mesmo tempo, o maior amor e fidelidade a Javé em homens admiráveis ​​como Jeremias (“Tu me seduziste Senhor e eu me deixei seduzir”: Jr 20,7) e em todos aqueles profetas que são uma típica e exclusiva glória da história do judaísmo.

Por isso, sustento, com Paulo de Tarso, que “nem é possível pensar que Deus rejeitou o seu povo: são deles as promessas e Deus não se arrepende dos seus dons”. Mas também que, apesar disso, Deus sempre nos domina: “seus caminhos são indetectáveis ​​e não podemos fingir que lhe damos conselhos”.

O problema, portanto, não está em ser daqui ou de lá (ser judeu ou cristão, muçulmano ou ateu, israelense ou palestino), mas, segundo a linguagem bíblica, em ser “segundo o coração de Deus” (1Sm 13-14) ou contrário a esse coração. Dito o mesmo com as figuras bíblicas: o dilema é ser como Davi (apesar das suas fraquezas) ou ser como Jeroboão II ou como Herodes (que também tinha o “direito de se defender”, naturalmente; mas não como o fez).

É por isso que acredito que Netanyahu é hoje como Jeroboão II, que “fez o que o Senhor repreende, repetindo os pecados do seu povo”. E engrandeceu Israel apenas por um tempo, para acabar com a queda e destruição de Israel quando as relações internacionais mudaram (que então eram uma questão da Síria, da Assíria, da Pérsia ou do Egito... e hoje são uma questão dos EUA, da Rússia ou do Egito... China). E quando o rei da Assíria conquistou Israel e deportou os israelenses, o historiador comenta assim: "O Senhor já tinha avisado Israel: abandona o teu mau caminho…, mas eles não ouviram" (cf. 2 Reis 17,13).

Cada criança palestina que morre, sem ter nada a ver com o ataque do Hamas (e já são vários milhares), é como uma lágrima que cai dos olhos de Deus através do choro das suas mães. É por isso que quero pedir à minha Igreja que inclua todas essas crianças naquela festa dos “santos inocentes” que nós, cristãos, celebramos: porque estes inocentes hoje (como as outras crianças judias vítimas do Hamas) são mais significativos e menos discutíveis historicamente, do que aqueles da época de Herodes.

Mas tendo dito o que precede, não quero terminar sem lhe pedir perdão, mais uma vez e com muita sinceridade, pelo pecado antijudaico da minha Igreja durante séculos (descaracterizado como antissemitismo, como se apenas os judeus fossem semitas). Os historiadores podem discutir sobre “quem começou”. Mas os cristãos acreditam que, para além destes dados, aquela mentalidade que, durante séculos, manchou a Igreja foi contrária à vontade de Deus: porque se tivéssemos uma queixa contra os judeus, não poderíamos responder como respondemos. Desculpe, mais uma vez e com muita sinceridade.

Vejamos se, entre nós, conseguimos fazer um mundo segundo o coração de Deus. E isso é possível porque há algo que nos une a todos, muito mais do que aquilo que pode nos separar deste ou daquele lugar, ou de professar uma, ou outra cosmovisão. E é que todos estamos perdoados.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Carta aos rabinos italianos irritados com o Papa (e não é para defender Francisco) - Instituto Humanitas Unisinos - IHU