Bispo cazaque diz que suas críticas ao alcance inter-religioso do Papa Francisco são um sinal de colegialidade

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Setembro 2022

 

Aguardando a chegada do Papa Francisco, um bispo que frequentemente faz críticas ao papa, disse a repórteres que falar quando ele discorda do papa é uma expressão de “colegialidade”. Por exemplo, o bispo auxiliar Athanasius Schneider, de Astana, no Cazaquistão, disse a repórteres que a participação do Papa Francisco no Congresso de Líderes das Religiões Mundiais e Tradicionais – a principal razão pela qual o papa viajou ao Cazaquistão – era “perigosa” porque poderia “minar a singularidade e absolutismo de Jesus Cristo como salvador e de nossa missão de pregar a todas as nações, a todas as religiões, Jesus Cristo”.

 

O Bispo Auxiliar Athanasius Schneider de Astana, Cazaquistão, cumprimenta o Papa Francisco em seu carro depois de um encontro com bispos, sacerdotes, diáconos, pessoas consagradas, seminaristas e agentes pastorais na catedral de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro em Nur-Sultan, Cazaquistão, em 1º de setembro de 2019. 15, 2022. (Foto CNS/Paul Haring)

 

A reportagem é de Ngala Killian Chimtom, publicada por Catholic News Service, 15-09-2022.

 

O bispo fez seus comentários em 15 de setembro, enquanto aguardava a chegada do Papa Francisco à Catedral de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Nur-Sultan, para um encontro com bispos, padres, religiosos, leigos e seminaristas. O bispo Schneider disse que o congresso pode dar a impressão de que o papa apóia “um supermercado de religiões” do qual as pessoas podem escolher livremente.

 

“Isso não é correto porque só existe uma religião verdadeira, que é a Igreja Católica, fundada pelo próprio Deus, mas ordenada a todos os homens, a todas as religiões, que creiam e aceitem seu filho Jesus Cristo, o único salvador”, disse o bispo. Especialmente desde o Concílio Vaticano II, a Igreja Católica professou seu respeito pelas outras religiões e pelos esforços sinceros de outros crentes para buscar a Deus, embora continue professando sua crença de que a plenitude da verdade e o caminho mais seguro para a salvação está no cristianismo.

 

A Igreja Católica apoia e se engaja no diálogo inter-religioso para promover a paz, o respeito mútuo e a liberdade religiosa. Embora tenha criticado o papa, especialmente em relação aos esforços do papa para promover celebrações da missa de rito latino apenas de acordo com as reformas do Vaticano II, o bispo Schneider disse aos repórteres que, se expressar desacordo com o papa, ele o faz “com respeito, fraternalmente.”

 

O que seria da Igreja Católica se nenhum bispo pudesse “dizer algo ao papa. Isso é colegialidade, isso é fraternidade”, disse. “Eu tento sempre fazê-lo através do respeito, através do amor fraterno, não através da adulação.”

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bispo cazaque diz que suas críticas ao alcance inter-religioso do Papa Francisco são um sinal de colegialidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV