Reformas essenciais necessárias em nossa Igreja hoje. Documento da Catholic Church Reform International

Foto: Pixabay

12 Agosto 2022

 

"A Igreja que imaginamos é relevante não devido ao seu poder, mas porque é profética no seguimento de Jesus e do Evangelho. A Igreja é chamada a imitar Jesus ao desafiar os males da sociedade contemporânea, que hoje incluem colonialismo contínuo, capitalismo extremo, consumismo, militarismo, racismo e coisas semelhantes. Com muita frequência, em algumas partes do mundo, a igreja institucional colabora e até lucra com esses males. A Igreja que queremos construir é verdadeiramente um sacramento que fala do sagrado ao mesmo tempo que é realista, compassivo e perdoador, atento aos clamores da humanidade e aos clamores do planeta Terra", escrevem os representantes mundiais da Europa, Ásia, América do Norte e do Sul, África e Austrália/Oceania da Catholic Church Reform International (CCRI), em documento que será enviado para o Escritório do Sínodo dos Bispos do Vaticano.

 

Eis o documento.

 

Introdução

 

Parabenizamos o Papa Francisco por sua bravura em levar a Igreja adiante através deste processo sinodal. Nós, como parte do Catholic Church Reform Int'l (CCRI), estamos com ele em nosso compromisso de fazer tudo ao nosso alcance para construir uma comunidade sinodal em cada região do mundo. Reconhecendo que existem pessoas poderosas que estão resistindo ao Papa Francisco, eles logo aprenderão que há uma comunidade mundial robusta ao lado dele. É nosso objetivo encontrar unidade em meio à diversidade e descobrir como podemos nos unir para encontrar formas mais eficazes de viver o Evangelho hoje.

 

Participantes do nosso Sínodo

 

Ao longo de vários meses, tivemos reuniões sinodais de oração e reflexão com representantes participando de mais de vinte regiões diferentes: África do Sul, Alemanha, Amazônia, Austrália, Áustria, Brasil, Canadá, Coreia do Sul, Espanha, EUA, Filipinas, França, Índia, Irlanda, Japão, Quênia, México, Nova Zelândia, Paquistão, Países Baixos e Reino Unido.

 

Antecedentes e Esclarecimentos

 

A plenitude do cristianismo é experimentada quando reconhecemos nossa vida diária como o centro de nossa vida espiritual – seja no trabalho ou lazer, com nossa família e em nossa interação social. Trazemos à mesa eucarística uma troca de experiências de nossos encontros sagrados de encontrar Deus naqueles cujas vidas tocamos. Para esclarecer nossa compreensão da Igreja, é uma comunidade inclusiva de pessoas que são seguidores de Jesus Cristo, todos trabalhando juntos para decidir o que é melhor para a comunidade e apoiando uns aos outros em amor. Acreditamos na unidade em meio à nossa diversidade no espírito de Gálatas 3, 38: “Não há judeu nem grego, não há escravo nem livre, não há homem nem mulher; pois todos sois um em Cristo Jesus.

 

Ao longo de nossas reflexões em oração, enquanto nos reunimos mensalmente de maio a julho/agosto, estamos levantando reformas essenciais que, como representantes de todo o mundo, identificamos como urgentemente necessárias se quisermos voltar a ser a comunidade vibrante que Cristo imaginou.

 

Legitimidade de Experimentar a Diversidade em nossa Igreja

 

Experimentar a diversidade não é novidade para a comunidade cristã, como mostra Paulo quando escreve à comunidade coríntia: “para que não haja divisões, sejam estreitamente unidos no mesmo espírito e no mesmo modo de pensar” (1 Coríntios 1, 10). Mais uma vez hoje, reconhecemos que existem muitos pontos de vista e crenças sobre o estado atual de nossa Igreja. Houve um tempo em que a Igreja preservou a Missa em latim em todos os países como forma de demonstrar externamente nossa “perfeita unidade”. Desde o Vaticano II e mais recentemente, começamos a incorporar abertamente a diversidade teológica e a aceitar mais as diferenças culturais em como pensamos, oramos e vivemos. Reconhecendo essas diferenças como visões e modos de vida legítimos, vemos que, independentemente de procurarmos preservar a tradição, querer reforma ou permanecer silenciosamente no meio do caminho, o que nos une a todos é o desejo de comprometer nossas vidas com os valores do Evangelho. Pode haver diversidade entre nós enquanto ainda preservamos a unidade em nossas crenças centrais, que Jesus simplificou para nós como amar a Deus e amar uns aos outros.

 

Em uma reunião sinodal, em vez de começar levantando questões controversas que provavelmente resultariam em confronto, sugerimos reunir as pessoas para explorar maneiras de melhorar um problema comumente compartilhado. Sob essa luz, a comunidade se envolve em um processo de discernimento para explorar maneiras de tornar nosso mundo melhor por meio de nossa comunidade da Igreja. o que nos une a todos é o desejo de comprometer nossa vida com os valores do Evangelho. Pode haver diversidade entre nós enquanto ainda preservamos a unidade em nossas crenças centrais, que Jesus simplificou para nós como amar a Deus e amar uns aos outros. Em uma reunião sinodal, em vez de começar levantando questões controversas que provavelmente resultariam em confronto, sugerimos reunir as pessoas para explorar maneiras de melhorar um problema comumente compartilhado. Sob essa luz, a comunidade se envolve em um processo de discernimento para explorar maneiras de tornar nosso mundo melhor por meio de nossa comunidade da Igreja.

 

O que nos une a todos é o desejo de comprometer nossa vida com os valores do Evangelho. Pode haver diversidade entre nós enquanto ainda preservamos a unidade em nossas crenças centrais, que Jesus simplificou para nós como amar a Deus e amar uns aos outros. Em uma reunião sinodal, em vez de começar levantando questões controversas que provavelmente resultariam em confronto, sugerimos reunir as pessoas para explorar maneiras de melhorar um problema comumente compartilhado. Sob essa luz, a comunidade se envolve em um processo de discernimento para explorar maneiras de tornar nosso mundo melhor por meio de nossa comunidade da Igreja. sugerimos reunir as pessoas para explorar formas de melhorar um problema comumente compartilhado. Sob essa luz, a comunidade se envolve em um processo de discernimento para explorar maneiras de tornar nosso mundo melhor por meio de nossa comunidade da Igreja. sugerimos reunir as pessoas para explorar formas de melhorar um problema comumente compartilhado. Sob essa luz, a comunidade se envolve em um processo de discernimento para explorar maneiras de tornar nosso mundo melhor por meio de nossa comunidade da Igreja.

 

Por que a Reforma na Igreja é necessária

 

As religiões em geral estão perdendo a adesão. O padre Thomas Keating sugeriu que o grito de “espiritualidade, não religião” é válido e nos cabe investigar o que essa espiritualidade implica. João da Cruz opina “No final dos nossos dias, seremos julgados pelo nosso amor uns pelos outros” ecoando Mt 25, 37-39: “Quando (e onde) vimos você?”.

 

A reforma é urgente e essencial para nos ajudar a elevar nossa compreensão de como viver melhor como cristãos no mundo de hoje. Muito mais do que estar preocupados em manter regras e cumprir obrigações, expressamos nosso cristianismo principalmente nos esforçando de novo a cada dia para exemplificar Jesus em Seu tempo nesta terra. Em vez de apenas ter conhecimento de nossa fé (catecismo de Baltimore), precisamos entender que nosso papel principal como cristãos é responder ao sofrimento humano, à opressão e proteger nossa Terra enquanto refletimos sobre essa experiência. Devemos transformar nossa compreensão do cristianismo sendo principalmente sobre o tempo gasto na igreja. Em vez disso, este pequeno momento de nossas vidas está lá para trazermos nossas alegrias, nossas lutas e tudo o que está acontecendo em nosso mundo para a mesa eucarística enquanto nos reunimos para orar.

 

Uma instituição hierárquica baseada na liderança autocrática está em conflito com a ideia de uma Igreja sinodal como era comum na Igreja primitiva. Agora que a sinodalidade foi reintroduzida no mundo cristão, ela não pode retroceder. Não pode ser uma abordagem única que, em seguida, retorna a uma estrutura em camadas com base na classificação. Em uma Igreja sinodal, todos são iguais – sacerdotes e pessoas, homens e mulheres, jovens e velhos, ricos e pobres – todos com o mesmo direito de expressar suas opiniões guiadas pelo Espírito e ter cada uma de suas reflexões contadas.

 

A mais básica e essencial de todas as reformas é que metade da humanidade não pode ser excluída de servir no ministério em nossa comunidade da Igreja. A sociedade em geral reconheceu que as mulheres merecem o mesmo tratamento que os homens, mas a Igreja tem um longo caminho a percorrer. As mulheres participavam tão plenamente quanto os homens na Igreja primitiva. Ao longo dos séculos, foram criadas normas criadas pelo homem que impediam os padres de se casarem e as mulheres de presidir às liturgias. As vocações ao sacerdócio e ao diaconato poderiam ser preenchidas por homens e mulheres casados que estão sendo chamados para servir, mas atualmente negados, apesar dos custos para a Igreja dessa falta de clero feminino e casado em nossa liderança. Precisamos repensar o conceito de sacerdócio em que os ministros ordenados são chamados pelos membros para se tornarem líderes servidores em sua comunidade.

 

Concordamos com o Papa Francisco que o clericalismo deve ser erradicado. Isso só acontecerá quando as pessoas deixarem de permitir e começarem a assumir responsabilidades muito maiores. Agora é a hora de transformar nossa Igreja novamente em uma comunidade onde todos são bem-vindos – mulheres e homens, jovens e idosos, divorciados/recasados, marginalizados – e são tratados com igual respeito em todos os níveis de participação e ministério. Em uma Igreja sinodal, a dignidade da comunidade LGBTQIA+ é respeitada e os casais divorciados e recasados que encontraram um companheiro amoroso são aceitos. A comunidade pode acolher todos para estarem em plena comunhão uns com os outros no Corpo de Cristo.

 

As doutrinas da Igreja sobre a sexualidade humana estão simplesmente desatualizadas e não podem permanecer embutidas nos ensinamentos de nossa Igreja. Esses ensinos devem ser revisitados para incorporar pesquisas das ciências comportamentais e sociais.

 

Conforme exemplificado nos documentos do Vaticano II, “Gaudium et Spes: a Igreja no mundo moderno”, devemos garantir que todas essas reformas – por mais maravilhosas que sejam – impactarão positivamente nossa vida doméstica, nossas esferas social, profissional e política. Os jovens estão sendo expulsos. Para a sobrevivência do futuro de nossa Igreja, precisamos alcançá-los, criar um lugar seguro para eles compartilharem abertamente seus sentimentos, entrar em seu mundo ouvindo-os e discernir maneiras de atender às suas necessidades.

 

Processo para como alcançar a reforma na Igreja

 

Jesus nunca tentou convencer as pessoas de nada. Ele simplesmente ofereceu opções de que as pessoas eram livres para aceitar ou não (por exemplo, João 6, 67: “Você também vai embora?” ou Mateus 19, 16-22, o jovem rico que foi embora). Da mesma forma, não é nosso papel converter ninguém a um ponto de vista, mas sim explorar opções e oferecer abordagens alternativas.

 

O Evangelho indica claramente que quando Jesus disse: “Sobre esta pedra edificarei a minha igreja...”. (Mateus 16, 18), Ele nunca pretendeu que esta fosse uma igreja de leis, mas sim uma comunidade de amor. As pessoas vêm à igreja para celebrar, louvar e se alimentar. Quando nos aproximamos da mesa eucarística, experimentamos a Eucaristia como um meio de nos nutrir e nos unir. Nesta luz, vislumbramos receber o Corpo e Sangue de Cristo não como recompensa para os perfeitos, mas como alimento para nos fortalecer em nossas vidas diárias.

 

A Igreja primitiva não estava isenta de divisões entre eles (1 Coríntios 11, 18). Isso foi organizado por uma assembleia de lideranças e pessoas da comunidade onde houve diálogo, transparência e abertura. Para abordarmos diversos pontos de vista, como fizeram os primeiros cristãos, imaginamos isso ao longo das linhas de resolução de conflitos.

 

Para que essas reuniões sinodais alcancem um resultado frutífero, pessoas de todos os lados do espectro devem ser bem-vindas a essas sessões. A migração é atualmente uma questão tão pungente em todo o mundo. Então, vamos usar este exemplo e imaginar uma sala cheia de apoiadores de migrantes, os próprios migrantes e cidadãos do país que se sentem invadidos pelos migrantes que buscam asilo. Começando com a oração e chamando o Espírito Santo para nos guiar e nos ajudar a ouvir verdadeiramente, os representantes de cada grupo são chamados a falar. Os participantes ouvem os migrantes contando suas histórias de fuga da tirania ou ameaças às suas próprias vidas. Os apoiantes falam em seu nome, indicando que existem famílias patrocinadoras que generosamente se ofereceram para receber famílias migrantes enquanto elas se estabelecem com o trabalho, gradualmente encontrando arranjos de vida independentes e escolaridade para seus filhos. Os migrantes e seus apoiadores, por sua vez, ouvem o impacto que os migrantes têm na vida dos cidadãos: tirando empregos deles, lotando suas salas de aula, sobrecarregando seu sistema de bem-estar etc. Os facilitadores qualificados na resolução de conflitos convidam ambos os lados a oferecer soluções. Alguns migrantes podem estar dispostos a aceitar os empregos que a maioria dos moradores não quer: trabalho em fazendas ou ranchos, colheita de frutas, jardinagem, telhados, etc. Outros migrantes podem ser educadores treinados ou médicos profissionais que podem suprir as necessidades de expansão. Mesmo que algumas soluções sejam encontradas gradualmente, muitas vezes os cidadãos ainda querem preservar seus direitos e não receber mais estrangeiros em seu país.

 

Acadêmicos universitários, executivos corporativos, e grupos religiosos podem começar a falar através da mídia e a mudança começa a ocorrer quando um número suficiente de pessoas pressiona os cidadãos a reconsiderar. Os participantes podem decretar “questões paralitúrgicas” para demonstrar soluções viáveis, permitindo que alguns dos migrantes sejam aceitos em seu país. Muitas vezes, os cidadãos cedem – não tanto por um coração mudado, mas por ceder à pressão e não querer parecer impiedoso aos olhos do público. Neste ponto, uma celebração conjunta pode ser compartilhada, pois as responsabilidades são mutuamente trabalhadas por ambos os grupos. A experiência mostrou que pessoas de outra cultura introduzem uma certa riqueza que se soma à cultura existente. Embora o mundo seja muito mais complexo do que isso, com racismo, dinheiro e poder prevalecendo, uma abordagem semelhante pode ser usada para lidar com diversos pontos de vista na Igreja.

 

Compromisso dos passos que estamos preparados para dar

 

Há um forte senso entre a comunidade reformista de que devemos fazer mais do que apenas apresentar um relatório ao escritório do sínodo. Muitos grupos de reforma entendem claramente que precisamos ter uma mudança estrutural na Igreja. E outros que precisamos para desenvolver ainda mais os ensinamentos da Igreja. Afinal, nossa Igreja é um organismo vivo, não uma entidade estática.

 

Tendo percebido que muitos jovens estão se afastando da Igreja, a CCRI sente a importância de alcançar os jovens. Estamos comprometidos em hospedar Pequenas Comunidades de Jovens Adultos online para oferecer a eles um lugar seguro para compartilhar suas preocupações e encontrar apoio para os problemas da vida que enfrentam. Como um grupo internacional e diversificado que se reúne regularmente no Zoom, esses grupos estão comprometidos em crescer juntos buscando encontrar seu lugar de direito dentro da comunidade católica.

 

Usando o método “ver, julgar e agir”, os membros do CCRI estão comprometidos em abraçar a vida comunitária em cada região do mundo. Quando vemos questões de injustiça social dentro e fora da Igreja institucional, nos solidarizamos com aqueles que estão sendo violados, vivendo os valores do Evangelho de Jesus Cristo.

 

Reconhecendo em nossa reunião sinodal que temos diferentes pontos de vista dentro de nossas comunidades, estamos comprometidos em preencher a lacuna entre esses tradicionalistas, católicos do meio do caminho e progressistas. Na África Oriental, as Pequenas Comunidades Cristãs fornecem tempo de antena igual para todos durante as reuniões regulares. A chave para este trabalho é ter o treinamento adequado para os membros da Pequena Comunidade Cristã, onde eles aprendem a discordar com respeito e não rebaixar os pontos de vista de outras pessoas (discordar com amor). Os facilitadores também aprendem suas habilidades necessárias através do treinamento contínuo que é conduzido pela Equipe de Treinamento de Pequenas Comunidades Cristãs da África Oriental.

 

Por muito tempo no Quênia, as mulheres foram excluídas da tomada de decisões e isso as manteve subservientes em seus papéis na Igreja e na sociedade. Emmah's Garden é uma organização sem fins lucrativos que começou a iniciar projetos para empoderar mulheres. Na América Latina, as comunidades eclesiais de base estão empenhadas em capacitar as pessoas, especialmente as mulheres, a encontrar sua própria voz.

 

Nas Filipinas, na grande ilha de Mindanao, no extremo sul, eles se encontraram com enormes paróquias (uma igreja central com até 40-50 outstations). Assim, em cada uma dessas praças, a comunidade escolheu um “diácono leigo” (infelizmente todos homens) que podia fazer quase tudo, exceto consagrar a hóstia e ouvir confissões. Eles se casaram e batizaram e ungiram os enfermos e confirmaram. Para todos os efeitos práticos, eles conduziram as celebrações nas capelas dos bairros e serviram aos desejos da comunidade. Em teoria, isso serve como um exemplo do que é possível na Igreja que imaginamos no mundo de hoje.

 

Em uma diocese do Brasil situada no coração do semi-árido, realizava-se anualmente uma Assembleia Diocesana para a qual eram convidados os sacerdotes, representantes dos religiosos e leigos de cada paróquia. Estes incluíam membros dos vários grupos pastorais da diocese, como a pastoral da infância, dos trabalhadores, da saúde, da liturgia, da juventude, das famílias, da doação planejada, da questão da terra, etc. Começou com uma contribuição sobre a atual realidade sociopolítica do Brasil como contexto para a evangelização da Igreja. Através de um processo de oração e discernimento em pequenos grupos de discussão, foram compartilhadas experiências positivas e problemas que surgiram no desenvolvimento desses grupos pastorais nas paróquias. A Assembleia proporcionou uma oportunidade única para o bispo, sacerdotes e povo se conhecerem. Todos se sentaram juntos em refeições onde pudemos trocar opiniões informalmente, e não apenas durante as sessões. O mais impressionante é que toda a Assembleia foi dirigida pelos membros leigos dos vários grupos pastorais com o bispo sentado atrás. O bispo costumava falar no final da Assembleia, tendo ouvido atentamente durante os quatro dias. Ele estava presente o tempo todo, e muito acessível para as pessoas falarem com ele, especialmente os jovens. Foi uma experiência poderosa de uma Igreja centrada nas pessoas, guiada pelo Espírito. Infelizmente, quando o bispo morreu depois de 32 anos como bispo, ele foi substituído por um jovem bispo recém-ordenado que nunca viveu no semideserto e nunca experimentou esse tipo de Igreja. Em um ano, ele conseguiu desmantelar completamente quase todas as atividades pastorais em nível diocesano. Naturalmente, os líderes leigos mais engajados se sentiram completamente desmoralizados e sem motivação. Enquanto muitos continuaram seu trabalho voluntário dentro dos grupos pastorais, a realidade do Povo de Deus reunido em nível diocesano se esvaiu. Este é um belo modelo do que pode ser novamente nas dioceses de todo o mundo.

 

Reflexões de cada país

 

África do Sul

Para nós, nossa experiência com os bispos é positiva, pois eles respondem aos desafios enfrentados pelas pessoas em nossas comunidades. Por meio de cartas pastorais, nossos bispos forneceram claro apoio pastoral durante a pandemia de Covid; eles se manifestaram contra a corrupção na sociedade; eles condenaram a violência contra as mulheres e muito mais. Este sínodo foi um exemplo de seu apoio à amplificação de vozes marginais de mulheres, jovens e pessoas LGBTQIA+. As mulheres, por exemplo, foram encorajadas a falar contra o patriarcado na Igreja Católica. Temos a sorte na África do Sul de ter bispos que apoiam os papéis progressivos dos leigos, incluindo a promoção das mulheres e a inclusão dos leigos na administração das paróquias e na responsabilidade.

 

Alemanha

O que é especial sobre o Caminho Sinodal na Alemanha é que a Conferência Episcopal e o Comitê Central dos Católicos (ZdK) são responsáveis pelo processo como parceiros iguais ao nível dos olhos. Os quatro fóruns sinodais são liderados por uma dupla liderança de um bispo e um leigo, assim como o presidium. Todos têm direitos iguais de voto. Os debates nas assembleias sinodais locais podem ser controversos, mas sempre justos. Bispos e leigos sentam-se lado a lado em ordem alfabética. Um intenso processo de desenvolvimento pode ser observado entre muitos bispos. Embora ainda existam bispos conservadores, há alguns que eram muito conservadores há alguns anos e agora são muito progressistas. Quanto mais a extensão do abuso se tornava clara e quanto mais a pressão da sociedade aumentava,

 

A boa relação entre os sinodais deve também ser transferida para as dioceses. Após a conclusão da última Assembleia Sinodal em março de 2023, será importante que as decisões que já podem ser implementadas agora – como as que envolvem os leigos na eleição dos bispos ou no direito do trabalho – sejam efetivamente realizadas. Continua emocionante!

 

Se o bispo de uma diocese se recusar a implementar as decisões após a conclusão do Caminho Sinodal, os fiéis estão preparados para se aproximar dos bispos e lembrá-los de que o Caminho Sinodal foi, desde o início, decidido por todos os bispos e pela ZdK. Também seria importante informar as pessoas nas paróquias sobre os resultados do Caminho Sinodal. E, finalmente, também será importante que os leigos estejam preparados para assumir mais responsabilidades.

 

Amazônia

Estamos fazendo uma bela jornada com nossos bispos. De junho a setembro, em Santarém, oeste do estado do Pará, no Brasil, teremos o quarto encontro com todos os bispos, religiosos e leigos para celebrar os 50 anos do Documento de Santarém, encontro marcado pela sinodalidade. Lá estamos caminhando juntos na construção de Uma Igreja Viva que defende os mais pobres e todos aqueles comprometidos com o cuidado da nossa casa comum. Leia aqui o Documento de Santarém 2022.

 

Austrália

Um viés conservador entre nossos bispos continua forte – poucos mostram qualquer compromisso real com o espírito ou prática da sinodalidade – mas eles estão cada vez mais conscientes de que muitas pessoas da Igreja estão exigindo responsabilidade e mudanças necessárias. O Concílio Plenário Australiano acaba de completar sua 2ª Assembleia com pouco compromisso com a renovação prática; o desenvolvimento mais significativo foi uma posição tomada por muitos membros de cessar a participação à luz do fracasso em obter votos deliberativos suficientes dos bispos sobre o reconhecimento de questões relativamente anódinas que reforçam a igualdade das mulheres na Igreja. Felizmente, o bom senso e o Espírito Santo prevaleceram na medida em que um movimento sensato foi aceito após muita angústia. Muitos são da opinião de que os resultados do Concílio Plenário podem ser descritos como pouco mais do que “negócios como de costume”. A Coalizão Australiana para Reforma da Igreja enviou propostas de emendas à 2ª Assembleia 'Estrutura para Moções' para todos os membros do Concílio Plenário (incluindo bispos), periti e muitos outros. Essas emendas tentaram superar o reflexo inadequado do sentimento de fé dos fiéis expresso em 17.000 apresentações. A Coalizão também apresentou vários webinars durante o período do Concílio Plenário para fornecer aos fiéis australianos um pensamento informado sobre a necessidade de mudança em nossa Igreja, incluindo seu apoio à visita da Irmã Joan Chittister, que deu palestras inspiradoras para grandes multidões em muitos lugares importantes da Austrália.

 

Ao mesmo tempo, as dioceses foram convidadas a preparar contribuições para o Sínodo dos Bispos de 2023 em Roma – o Sínodo sobre a sinodalidade; a consulta das dioceses neste processo foi mínima. Vivemos na esperança .

 

Áustria

O relatório sinodal na diocese de Innsbruck, na Áustria, está ocorrendo entre os funcionários da igreja e o bispo. Os bispos não falam conosco, os reformadores da Igreja. Mais de 2.000 paroquianos responderam ao convite para escrever sobre as questões que os preocupavam. Há uma síntese das respostas na página inicial de nossa diocese e mostra até que ponto a população assumiu nossas preocupações (no entanto, soubemos das tentativas do bispo de “bowdlerlize”, ou seja, de amorná-las/abrandá-las).

 

Os reformadores perderam o interesse em melhorar as relações com os bispos daqui. Muitas vezes nos enganaram e fizeram promessas que não foram cumpridas. Falar com eles sobre nossas preocupações e problemas é inútil. Concluímos que eles precisam de nós mais do que nós deles. O que um padre ou bispo pode fazer se o rebanho o abandona? Ouvimos alguns bispos desabafarem as mesmas ideias reformadoras que fizemos no início do movimento reformista austríaco já em 1995. Mas duvidamos que eles tenham coragem de realizá-las, como ordenar mulheres em suas dioceses. Eles poderiam muito bem fazê-lo, pois têm a liderança suprema em sua diocese e têm o executivo, legislativo e jurisdição em suas mãos – de acordo com o direito canônico.

 

Brasil

Sendo o maior país católico do mundo, estamos divididos em 278 áreas eclesiásticas. Portanto, há uma grande diversidade de realidades eclesiais e a correspondente relação de cada bispo com o clero e os fiéis com alguns casos extremos de autoritarismo, bem como há lugares onde o povo desempenha um papel decisivo na vida da igreja local. Temos também a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que foi criada para fomentar a comunhão e a colegialidade entre os bispos e as dioceses, destacando as ações pastorais concretas voltadas à assistência aos pobres e ao monitoramento das políticas públicas.

 

Como reformadores, nosso plano é motivar a participação e a organização de leigos e leigas em todos os níveis, começando pelas paróquias e pequenas comunidades cristãs, passando pelos órgãos decisórios de cada diocese, e culminando com a presença e a atuação do leigos em nível nacional para com a CNBB. É essencial que mais mulheres se tornem verdadeiras protagonistas e líderes, e que também assumam capacidades e responsabilidades atualmente e às vezes exclusivamente ocupadas por homens. É importante ouvir as vozes dos jovens em diálogo com as culturas contemporâneas. O mesmo pode ser dito sobre os católicos LGBTQIA+ que sentem que não são bem-vindos nos bancos.

 

Comprometemo-nos a permanecer fiéis ao Evangelho de Jesus Cristo, sobrepondo seus valores e práticas à própria doutrina católica. Ao mesmo tempo em que temos uma visão crítica de ensinamentos não pertencentes ou mesmo contrários à essência da mensagem cristã, também nos comprometemos a buscar novos caminhos, sempre sob o influxo do Espírito Santo que nos impele a nos unirmos como irmãs e irmãos e como filhos do Pai. Finalmente, na expectativa dos bons frutos que serão trazidos pelo Sínodo sobre a sinodalidade, continuaremos nos esforçando para dialogar com o propósito de construir um mundo onde prevaleça a justiça, a paz e o amor.

 

Canadá

Na reunião anual da Conferência Canadense de Bispos Católicos (CCCB) não há papel para os leigos, embora os bispos possam convidar leigos individuais (por exemplo, políticos 'amigáveis') para falar. Algumas dioceses podem ter relações de trabalho informais. Quase não há menção de quantas dioceses, muito menos paróquias individuais, participaram do processo sinodal no Canadá no site do CCCB. A Arquidiocese de Ottawa apresentou um poderoso resumo dos relatórios sinodais paroquiais à Conferência Canadense de Bispos Católicos. Há uma forte onda de apoio às reformas na Igreja da Arquidiocese. O Papa Francisco visitará o Canadá no final deste mês para ministrar aos povos indígenas e emitir um pedido público de desculpas pelos abusos causados a eles. Espera-se que ele identifique o clericalismo e o patriarcado como causas do abuso. A partir de meados de julho de 2022, os relatórios diocesanos sobre seus processos e conclusões sinodais estão sendo consolidados em um relatório nacional que será amalgamado com o relatório nacional dos EUA para apresentação ao Vaticano. Até que os relatórios diocesanos e nacionais sejam tornados públicos (alguns diocesanos já foram), não saberemos se a Igreja canadense está pronta para a reforma.

 

Coreia do Sul

A maioria dos bispos de igrejas asiáticas, incluindo as coreanas, são tão conservadoras que têm muito pouco interesse nas sessões online especiais sinodais sobre sinodalidade ou em viver como uma igreja sinodal. A conferência episcopal local concluiu recentemente sua assembleia geral, onde tomaram a decisão de não traduzir a palavra latina “synodalitas” para o coreano porque, segundo eles, ela tem um significado muito complicado e complexo. Entre cerca de 25 bispos ativos na Coreia, apenas um ou dois têm interesse na sinodalidade. Eles têm apenas duas dioceses nas quais o Povo de Deus, principalmente leigos, explorou um processo sinodal incluindo grupos de escuta entre si no país.

 

O Instituto de Pesquisa Teológica Woori (WTI) em Seul tem realizado vários encontros online nos quais convidou grupos de escuta. Está ajudando uma diocese a realizar um processo de escuta de pequenos grupos, incluindo deficientes físicos, mulheres e membros da comunidade LGBTQIA+. O Fórum de Líderes Leigos Asiáticos (ALL) com sede em Manila está trabalhando com um padre no Paquistão, onde essas reuniões sinodais estão ajudando a manter viva a fé dos católicos paquistaneses.

 

Espanha

Os bispos espanhóis são em geral bastante conservadores, então suas opiniões têm o efeito de colocá-los longe de muitas pessoas, especialmente dos jovens. Claro, alguns deles são bastante próximos das pessoas como seres humanos, outros nem um pouco. Eles tentam seguir as propostas de Francisco, mas nem sempre conseguem.

 

Para caminhar juntos é essencial considerar a Igreja como Povo de Deus, e isso implica uma Igreja de iguais. Esta é a única maneira de fazer a Igreja avançar no século XXI. Como reformadores, devemos ser persistentes, apesar de nossa falta de sucesso imediato.

 

Estados Unidos da América

Com poucas exceções, a relação entre nossos bispos e o povo nos Estados Unidos é abismal. Desde o Concílio Vaticano II, um em cada três membros deixou a Igreja. Isso se deve em grande parte à hierarquia da Igreja que defende e faz cumprir as antigas regras da igreja, em vez de mostrar compaixão pelas pessoas e seus problemas de vida. A moralidade reprodutiva da Humanae Vitae é rejeitada por uma esmagadora maioria (92% das mulheres católicas nos EUA) e os jovens anseiam por uma moralidade sexual que enfatize os aspectos amorosos e espirituais da sexualidade.

 

Alguns que deixaram suas jurisdições locais optaram por transferir seus membros para o Movimento Reformado fundado em 1875 e a Igreja Católica Ecumênica de Cristo fundada em Detroit pelo Arcebispo Primaz Karl Rodig, cujo trabalho foi abençoado pelo Papa Francisco.

 

Em vez de planejar sínodos em suas dioceses, a Conferência dos Bispos dos EUA se concentrou em criar um documento sobre a Eucaristia que impediria que figuras públicas católicas como nosso presidente recebessem a Comunhão devido à sua posição pró-escolha. Temos pouca esperança de alcançar um relacionamento sinodal na maioria das dioceses. No entanto, há um forte compromisso na comunidade da reforma para promover leigos qualificados – independentemente do seu sexo ou estado civil – para participar na liderança da vida paroquial durante as liturgias e servir nos conselhos paroquiais. É encorajado a ter encontros regulares de congregados que são bem-vindos para discernir qualquer coisa que diga respeito à paróquia.

 

Com ou sem o apoio de nossos bispos, estamos comprometidos em (1) construir e criar Pequenas Comunidades Cristãs dentro e fora da vida paroquial; e (2) como um passo para derrubar o clericalismo, exigindo responsabilidade e transparência de nossos pastores e bispos.

 

Filipinas

Estritamente falando, não temos uma relação sinodal, mas todos os ingredientes estão lá para ter uma. Como a “única nação cristã na Ásia”, conta com 80% católicos, 5% protestantes, 5% muçulmanos. Atualmente existem 86 dioceses e mais de 100 bispos. A participação ativa de bispos/leigos depende da diocese e, em alguns casos, é notável, mas não há uma estratégia nacional geral como a prevista pela relação sinodal proposta para nossa Igreja em nosso país.

 

Existem grupos inspirados na Igreja para agricultores, jovens, idosos pobres, pobres urbanos etc. e há alguns bispos que inspiram e convocam tais grupos. Nós mesmos estamos envolvidos em mais de 900 grupos urbanos pobres que poderiam facilmente se tornar sinodais se...

 

A liturgia deve começar nos barracos dos pobres urbanos, nas cabanas dos arrendatários, nas ruas das crianças... para se tornar sinodal... com ou sem o envolvimento dos bispos. O desafio para estudiosos sérios é muitas vezes rastrear práticas pré-cristãs (ainda relativamente comuns) para verificar sua relevância para a vida hoje (por exemplo, a sacralidade da natureza).

 

 

França

Duas organizações, Reseaux du Parvis e Conference Catholique des Baptises Francophones (CCBF) coletaram e sintetizaram as contribuições produzidas por seus grupos. Essas contribuições foram enviadas à Conferência Episcopal Francesa. No entanto, nem CCBF nem Parvis receberam reconhecimento nem foram convidados pelos bispos a participar do encontro. Isso confirma a total ausência de escuta da hierarquia da Igreja. Embora permaneçam muito prudentes, um pequeno número de bispos mostrou sua vontade de cooperar.

 

Nossa preocupação prioritária é a inspiração direta da mensagem do Evangelho. Jesus foi muito mais longe do que a religião de seu tempo. Nosso compromisso:

 

(1) Estamos determinados a ouvir permanentemente todos ao nosso redor, quaisquer que sejam suas situações;

(2) Nós reivindicamos a liberdade de falar tanto dentro como fora da Igreja. Falamos com todos, não fazendo diferença entre os frequentadores regulares da Missa e aqueles que decidiram ficar longe da Instituição da Igreja;

(3) Consideramos a Eucaristia como um momento de partilha em memória da última ceia de Jesus. É aberto a todos, clérigos e leigos podem presidir. Reivindicamos o direito de organizar as Eucaristias em qualquer lugar e de qualquer forma apropriada para os participantes;

(4) Sentimos uma corresponsabilidade por todos sem excluir ninguém;

(5) Estamos desenvolvendo diálogo dentro da Igreja, em encontros e ações ecumênicas, com outras confissões, religiões e espiritualidades e sociedade;

(6) Aceitamos várias formas de entender os Evangelhos e outros textos transmitidos pela tradição;

(7) Estamos aumentando a participação de leigos, mulheres, LGBT em todos os ministérios e funções da Igreja;

(8) Acreditamos que deve haver amplas consultas para nomeações de bispos realizadas;

(9) estamos lutando contra o clericalismo; sacerdotes e todos os clérigos não devem mais ser líderes autoritários. Seu papel deve ser acompanhar, ouvir, aconselhar, facilitar o diálogo entre todos.

 

O “efeito terremoto” do relatório Sauvé com revelações de um número tão grande de abusos sexuais do clero nos últimos 50 anos diminuiu ainda mais as comunicações entre a hierarquia e os católicos de base. Exceto pelos conservadores linha-dura, o número de frequentadores regulares da missa está caindo cada vez mais, especialmente entre as gerações mais jovens. Sem a cooperação dos bispos, há um número crescente de Pequenas Comunidades Cristãs (SCCs) em ascensão. A publicação dos resultados do estudo de 2018 “Mannheim, Heidelberg, Gießen“ sobre abuso sexual, a indignação por parte dos fiéis foi enorme como nunca antes. O número de pessoas que deixam a Igreja continuou a aumentar a cada novo escândalo. Ao mesmo tempo, as pessoas que ainda se preocupam com a Igreja estão buscando o diálogo e algumas estão se envolvendo muito. Contudo, o laicato tenta permanecer autoconfiante em dialogar com os bispos.

 

 

Índia

O processo do Sínodo sobre a Sinodalidade trouxe uma cura significativa entre aqueles que se envolveram nas consultas. As consultas trouxeram à tona muitas questões que tocam diretamente a vida dos leigos, dos religiosos e do clero. Em termos de comportamento hierárquico, o clericalismo e a discriminação parecem ser a experiência comum entre as pessoas. Estamos trabalhando com paróquias e instituições e, em alguns casos, com bispos dispostos (bispos que podem motivar alguns de seus párocos a assumir nossas iniciativas) para crescer organicamente e mudar atitudes.

 

A relação sinodal entre os bispos e o povo (clero e fiéis) está em baixa: Paróquias e fiéis estão operando de forma independente: os bispos não são convidados para as paróquias, exceto para festas paroquiais e confirmação. A maioria dos bispos não visita as paróquias uma vez a cada 5 anos, conforme os requisitos da lei canônica. A maioria das dioceses e paróquias não tem planos pastorais.

 

Nós e outros reformadores na Índia estamos comprometidos em tomar algumas iniciativas como:

 

(a) Alcançar os pobres e vulneráveis;

(b) Concentrar-se em aumentar o envolvimento das mulheres em papéis de liderança em níveis locais; e

(c) Concentrar-se no ministério de jovens em áreas específicas.

 

No entanto, estes não serão em uma base pan-índia com planos comuns. Vemos que são necessários planos específicos e diversos para alcançar resultados caso a caso. Isso significa:

 

(a) identificar as necessidades de um público-alvo local;

(b) formar um grupo da igreja que esteja motivado para a iniciativa; e

(c) formar equipes com outras organizações e grupos de religiões e culturas para criar um movimento em direção à iniciativa escolhida.

 

Várias etapas continuam a ser tomadas para manter e aumentar os relacionamentos com a hierarquia.

 

Irlanda

Nos últimos 30 anos, a confiança em nossos bispos caiu significativamente. Nossos bispos tradicionalmente ficaram em cima do muro, esperando que Roma introduzisse reformas. Há esforços genuínos sendo feitos por muitos bispos para alcançá-las. A Arquidiocese de Dublin criou um grupo de trabalho para examinar os desafios da Igreja em Dublin e fazer algumas recomendações. Além disso, nosso arcebispo recém-nomeado tem visitado ativamente as paróquias em toda a diocese e tem falado aberta e francamente sobre muitos dos desafios. Também vale a pena notar que várias dioceses na Irlanda já publicaram seus relatórios sobre o processo sinodal.

 

As conclusões gerais do Relatório do Sínodo Diocesano de Dublin pedem: maior reconhecimento da igualdade de todos os batizados; reconhecimento do papel das mulheres em todos os cargos de liderança, inclusive como diáconos e sacerdotes; chegar aos jovens e envolvê-los; ação sobre o meio ambiente; preocupação com a justiça social, econômica e climática; reforma da liturgia, mantendo e refletindo elementos que são estimados; construção do senso de comunidade; expiação genuína pelo abuso de crianças e mulheres; eliminação do clericalismo. Apesar de menos de 1% de nossa população participar do processo de Escuta do Sínodo Global, quase todas as nossas 26 dioceses relataram um forte apelo à plena igualdade para as mulheres, incluindo a ordenação sacerdotal.

 

Nas Dioceses de Cork e Ross, houve muito pouca comunicação desde que o processo sinodal começou em outubro passado. Nosso novo bispo está “falando por aí”, mas ainda é muito cedo para dizer se ele está “andando a pé”. A diocese de Killala lançou um Sínodo diocesano em 2018. Em uma série de votações secretas, eles votaram por reformas, incluindo: Que um ethos de escuta tenha um status contínuo e estruturado na diocese, permitindo uma plataforma respeitosa à voz do pessoas. Para 89% Contra 11%.

 

Os grupos de reforma da Igreja também devem ser formalmente reconhecidos. Estamos comprometidos em participar de seminários/webinars relevantes, fazer endereços quando convidados e escrever artigos onde surgirem oportunidades. We Are Church Ireland está praticando "Ser a igreja que queremos ver" sendo responsável e transparente na forma como nos organizamos; encorajar as mulheres a ler o evangelho e a pregar; organizando Zoom e Eucaristias em Casa com mulheres e homens não ordenados presidindo.

 

Japão

Em geral, a relação de trabalho entre bispos e povo é bastante limitada. Muito depende da personalidade do ordinário local. Por exemplo, o bispo de Hiroshima é muito próximo das pessoas e tenta visitar regularmente todas as paróquias de sua diocese. O bispo da diocese de Fukushima é o antigo superior geral dos missionários claretianos. Ele tenta o seu melhor para comunicar a mensagem ao povo. O bispo de Niigata é da Sociedade do Verbo Divino (SVD) e foi promotor da Justiça, Paz, Integridade da Criação (JPIC) da Congregação. Ele tenta encarnar o discipulado de iguais em sua diocese.

 

A Conferência Episcopal do Japão está preparando o resumo dos relatórios das 16 dioceses a serem enviados ao secretariado sinodal. Cada diocese organizou um espaço no caminho sinodal. Não está claro o quanto o processo tem sido participativo e dialógico.

 

Como reformador, faço parte do comitê episcopal para preparar uma Plataforma de Ação sobre a segunda encíclica do Papa Francisco, Laudato Si'. Também colaboro com a arquidiocese de Tóquio para reestruturar a Caritas diocesana .

 

México

A Conferência Episcopal Mexicana (CEM) realizou recentemente o primeiro encontro eclesial nacional entre bispos, sacerdotes e leigos. O objetivo do encontro de uma semana foi reunir "leigos, homens, mulheres, membros da vida consagrada, bispos, sacerdotes, diáconos e seminaristas" para construir uma "Igreja melhor e um país melhor". O bispo Ramón Castro de Cuernavaca, que atua como secretário-geral da CEM, disse que ele e seus confrades têm a grande responsabilidade de “continuar a construir juntos uma Igreja mais sinodal”. O encontro nacional da Igreja Mexicana fez parte de um processo sinodal que começou há cinco meses em toda a América Latina: o CELAM (Conselho Episcopal Latino-Americano) realizou em novembro passado a primeira Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe, que reuniu mil participantes . Cerca de 40% deles eram leigos. Os Bispos mexicanos encerraram esta assembleia expressando seu desejo de caminhar com as famílias e suas histórias de vida, para aprender a ser uma Igreja aberta, sinodal, samaritana e expansiva”.

 

Nova Zelândia

A Conferência Episcopal Neozelândesa tem uma boa liderança no cardeal John Dew. Auckland, de longe a maior de nossas 6 dioceses, acaba de nomear o bispo Steve Lowe, que foi instalado como bispo na pequena diocese de Hamilton há apenas 5 anos. Ele é relativamente jovem, aberto a mudanças e muito fortemente pastoral, totalmente alinhado com o Papa Francisco ao orientar os bispos a sentir o cheiro das ovelhas.

 

A eficácia da consulta aos leigos, abrindo caminho para o caminho sinodal que Francisco pediu, varia muito de uma diocese para outra. Auckland fez um trabalho razoável ao sediar reuniões de escuta sinodais em nível paroquial; Wellington (liderado pelo cardeal John Dew) produziu 1.500 inscrições; em Hamilton a resposta sinodal foi abismal. Os resultados em Palmerston North, Christchurch ou Dunedin permanecem incertos.

 

Nós da Be the Change, com aproximadamente 100 membros, produzimos uma submissão profundamente considerada, mas também esperamos ouvir os membros católicos mais amplos (principalmente desprivilegiados ou desconectados). Iniciamos um “Sínodo do Povo” que ainda está em fase de planejamento. Pretendemos realizar uma série de webinars em outubro de 2022, que se concentrarão nos principais problemas que enfrentamos como pessoas de Aotearoa, na Nova Zelândia. São a descolonização (desfazendo quase 200 anos de colonização, ouvindo a voz do povo de nossas primeiras nações, os maoris, que são soberanos desta terra e nunca a abandonaram); Cuidados com a Terra (incluindo mudanças climáticas e vida sustentável) e como trabalhamos como Povo de Deus em Aotearoa(incluindo inclusão de grupos marginalizados – mulheres, LGBTQI+, minorias etc.), democratização da Igreja etc. Afirmando o Espírito em geral, este “Sínodo do Povo”, chamado Te Whaariki (um tapete tecido), esperamos reunir nossa conexão para tornar este mundo melhor, independentemente de nossa conexão com a Igreja institucional.

 

Países Baixos 

Não há nenhum tipo de relação sinodal entre o povo e os bispos aqui. As mudanças que o povo neerlandês quer em nossa Igreja são: direitos iguais para mulheres, direitos iguais para pessoas LGBTQIA+, direitos iguais para pessoas recasadas, casamento opcional para ministros ordenados, prestação de contas e transparência, encaminhamento de crimes a autoridades civis, entrega de assuntos familiares a casais , apoio a um processo judicial independente sobre abuso sexual por parte do clero, sínodos com representantes de todos os níveis, cuidado considerado em união com diferentes denominações e eleição de líderes para serviço pastoral.

 

Já começamos a encaminhar os crimes de abuso sexual às autoridades civis. Um dos relatórios sobre as sessões sinodais das dioceses refere-se ao desejo de igualdade de direitos para as mulheres e outro refere-se à prestação de contas e transparência. O resto dos relatórios se concentra nas melhorias necessárias na missão, participação e comunhão dos fiéis. Pessoas de mentalidade reformista aqui apoiam a proposta austríaca de reconhecer a consagração de todo o povo de Deus no batismo e o comissionamento de mulheres e homens escolhidos para serviço especial e cuidado pastoral.

 

Paquistão

Sem voz ou recomendações dos leigos, os bispos estão fazendo suas próprias recomendações e apenas preenchendo as atividades dos sínodos com seus professores que não podem falar livremente. Os bispos aqui vivem como reis, onde estão tão distantes do povo que quase não entendem as questões dos leigos.

 

A opinião do nosso Povo – sensus fidelium – deve ser respeitada e contada em qualquer paróquia. Idealmente, os bispos deveriam encorajar os pastores a terem conselhos paroquiais liderados por leigos. As mulheres devem ser consideradas nas atividades paroquiais e os padres devem valorizar as meninas que trabalham nas paróquias para o desenvolvimento da Igreja. A Comissão da Juventude Católica deve se concentrar na liderança jovem e os bispos devem garantir fundos para as atividades por meio dessa comissão. Os fundos devem ser responsáveis e as pessoas devem ter o direito de fazer perguntas sobre finanças. Os salários dos trabalhadores da Igreja devem ser aumentados, pois recebem salários muito baixos em comparação com outros institutos privados. Bolsas de estudo para estudantes e programa de elevação da pobreza devem se tornar uma prioridade para nossa Igreja.

 

Como reformadores, já estamos fazendo grande parte do trabalho que a Igreja deveria liderar, como nosso programa de metas de desenvolvimento sustentável e nosso foco especial nas mudanças climáticas e na educação. Os cristãos paquistaneses vivem em extrema pobreza, enquanto o clero vive na riqueza. Gostaríamos de ver a Igreja engajada em agências internacionais de financiamento com ONGs cristãs no Paquistão. Embora não recebamos financiamento de nossos bispos, nosso trabalho para a harmonia inter-religiosa e o desenvolvimento da juventude estará evoluindo com a ajuda das Pequenas Comunidades Cristãs de Jovens Buscadores da CCRI.

 

Quênia

A Igreja Católica do Quênia é geralmente clerical, autorreferente, patriarcal e hierárquica, onde as mulheres não recebem papéis importantes, como tomar decisões sobre questões-chave que afetam todos os católicos. Suas estruturas hierárquicas são predominantemente ocupadas por homens. Ele excluiu as mulheres do ministério ordenado e de muitas das funções que geralmente são desempenhadas por um ministro ordenado. Isso também se reflete nas questões socioeconômicas, onde são os homens que tomam decisões sobre questões que afetam a sociedade. Nossa Igreja está cheia de imagens de mulheres que estão tentando ser relevantes com uma comunidade cristã que parece não valorizar suas contribuições tanto dentro quanto fora da Igreja.

 

Existem crenças culturais que foram associadas aos papéis das mulheres na sociedade africana. Tradicionalmente, eles deveriam assumir os papéis/posições inferiores na família: dar à luz e cuidar dos filhos, preparar comida, buscar água e lenha. Isso está mudando com mais educação, distribuição de empregos, poder de compra, direitos de herança e melhor representação no governo queniano.

 

O Processo Sinodal está trabalhando com grande participação nas Pequenas Comunidades Cristãs e nos níveis paroquiais. Atualmente existem 45.000 Pequenas Comunidades Cristãs (SCCs) no Quênia e seguimos a prioridade pastoral dos Bispos Católicos de um Modelo de Igreja SCCs. Alguns SCCs estão diretamente representados em seus Conselhos Pastorais Paroquiais (CPPs). Durante o processo sinodal, estamos tentando tornar esses conselhos mais inclusivos (por exemplo, adicionando uma jovem e um jovem para representar os jovens) e mais deliberativos, com mais poderes para a tomada de decisões diretas. Os PPCs trabalham em estreita colaboração com as Comissões Litúrgicas nas paróquias. Existe a preocupação de que as sínteses diocesanas possam diluir algumas das recomendações criativas de mudança.

 

Reino Unido

A Hierarquia na Inglaterra e no País de Gales “não pensa”, como afirmou nosso bispo, ter os Conselhos Pastorais Diocesanos como norma. O clericalismo e o controle da hierarquia ainda estão na ordem do dia. Recorrendo ao direito canônico, nossos bispos resistem à iniciativa pastoral ou permitem que o Espírito Santo tenha voz na estratégia. Esta é uma maneira segura e segura para os bispos conservadores manterem o status quo, sufocando assim qualquer exploração de mudanças necessárias. Isso priva as pessoas e o clero de qualquer tipo de diálogo sério ou planejamento sobre assuntos pastorais.

 

O medo é que possa haver controvérsias, desacordos e tentativas de desafiar os bispos a agir em assuntos que nos dizem ser uma porta fechada, ex. Clérigos casados, mulheres sacerdotes, questões LGBTQIA+ etc. e a partilha de poder e responsabilidade entre o Povo de Deus. Na maioria das vezes, apenas da boca para fora é dado o papel dos leigos. O papel da liderança feminina é ignorado. Assim como o resto do mundo, apenas um agradecimento simbólico é dado à contribuição das mulheres na Igreja. Enquanto isso, ficamos com as questões acima mencionadas que são importantes para tantas pessoas pensantes dentro de nossa Igreja. Continuamos esperando que este processo sinodal, no qual todos estamos atualmente envolvidos, leve a uma partilha real do que significa ser parte do Corpo de Cristo, onde cada indivíduo é visto como importante.

 

A Igreja que idealizamos e estamos comprometidos em fazer acontecer

 

Chegamos a um momento delicado da história que indica claramente que devemos lutar por uma maneira diferente de ser Igreja do que temos agora. Reconhecemos que há numerosos sinais que indicam que a reforma é urgentemente necessária.

 

Nossa visão de nossa Igreja no mundo de hoje é a de uma comunidade cristã que reconhece que nosso chamado principal é amar a Deus e amar uns aos outros como exemplificado por Jesus durante sua vida nesta terra. Reconstruamos nossa Igreja para ser como Jesus, acolhendo e aceitando a todos sem julgamento. Vamos transformar nossa compreensão do cristianismo de ser principalmente sobre o tempo gasto na igreja para perceber que nosso chamado cristão é melhor expresso em como mostramos nosso amor por Deus por meio de nosso amor por todos aqueles que estão em nossas vidas – nossa família, amigos, inimigos e aqueles que não são tão fáceis de amar. Somos verdadeiramente cristãos quando nos solidarizamos ecumenicamente com os pobres, os marginalizados, os imigrantes e os menos afortunados que mais precisam de nós em nossa sociedade. Somos católicos, protestantes, muçulmanos e justos de boa vontade que se unem para apoiar os oprimidos, para dar voz àqueles que nem sempre podem falar por si mesmos.

 

A Igreja que imaginamos é relevante não devido ao seu poder, mas porque é profética no seguimento de Jesus e do Evangelho. A Igreja é chamada a imitar Jesus ao desafiar os males da sociedade contemporânea, que hoje incluem colonialismo contínuo, capitalismo extremo, consumismo, militarismo, racismo e coisas semelhantes. Com muita frequência, em algumas partes do mundo, a igreja institucional colabora e até lucra com esses males. A Igreja que queremos construir é verdadeiramente um sacramento que fala do sagrado ao mesmo tempo que é realista, compassivo e perdoador, atento aos clamores da humanidade e aos clamores do planeta Terra.

 

Vemos esta Igreja como acolhedora de todos porque somos todos filhos de Deus que nos ama a todos. Somos seu Povo com diferentes culturas, línguas e ritmos. O Vaticano II deu grandes passos que devemos continuar. Esta Igreja abrange a todos com especial preferência por aqueles que sofrem, que foram empobrecidos por um sistema que prioriza a riqueza a todo custo quando esta se tornou um prejuízo para todos, até mesmo para o planeta.

 

Precisamos implementar os ensinamentos da Laudato Si' no cuidado com a terra , protegendo o meio ambiente, garantindo que exerçamos nossa responsabilidade em fornecer um meio ambiente sustentável para as gerações futuras. Devemos garantir que os pobres, que contribuem menos para as mudanças climáticas, sejam protegidos da ação climática- "O grito da terra; o grito dos pobres". Isso pode ser alcançado refletindo sobre os insights fornecidos pela Teologia da Libertação. Comecemos a inaugurar o Reino de Deus: o Reino invertido onde os últimos serão os primeiros.

 

Precisamos de uma Igreja construída em comunidade onde o bem comum seja prioridade e seja vivido por seus membros. Como na Igreja primitiva, o povo seleciona seus líderes com o papel de ministérios preenchidos por homens e mulheres, e cada um é reconhecido em sua singularidade e riqueza. Claramente, o papel do povo hoje é de extrema importância. Todos devemos ser participativos, realizando ministérios eclesiais e sociais de forma sinodal.

 

Lutamos por uma Igreja centrada na missãoIde e fazei discípulos (Mt. 19, 20-21) – com a certeza de que o Espírito nos precede. Em sintonia com o Papa Francisco, nossa Igreja está próxima das pessoas, como um hospital de campanha, pronta para ajudar e curar. Esta Igreja está centrada na boa nova anunciada por Jesus e comprometida com as questões sociais de hoje , colocando no centro a dignidade de cada pessoa.

 

Em nossa Igreja, os escolhidos para o ministério ordenado – homens ou mulheres, casados ou celibatários – não estão isolados nos seminários e separados do mundo. Em vez disso, eles são integrados em estudos teológicos em universidades com os leigos e são enviados em missão para serem expostos à vida real. Nesta Igreja, os leigos são formados para se tornarem líderes e assumirem maior responsabilidade pelo bem da comunidade. Isso levaria a uma paróquia ativa e conselhos pastorais diocesanos compostos por líderes leigos com autoridade decisória. Promovemos Pequenas Comunidades Cristãs e acreditamos que elas devem ser integradas na estrutura oficial da Igreja.

 

Na Igreja que queremos, as mulheres são tratadas com plena igualdade. A igreja institucional reconheceu que não há base bíblica para a exclusão de mulheres da ordenação sacerdotal. [Paulo VI Pontifícia Comissão sobre “A Função da Mulher na Sociedade e na Igreja”, 1973; relatório vazado em 1975.] As Escrituras estão repletas de referências a mulheres em cargos de liderança e ministeriais. Foi a Maria, a mãe de Marcos, que presidiu a oração para onde Pedro foi depois que ele foi libertado da prisão (Atos 12, 12-17). Lídia era uma empresária de Tiatira e uma figura importante na igreja primitiva que liderou a igreja doméstica em Filipos, que se reunia em sua casa (Atos 16, 11-15). Das cartas de Paulo, fica claro que Prisca e Áquila eram anfitriões para abrigar Igrejas em Éfeso e em Roma (1 Cor 16, 19 e Rm 16, 3-5). Phoebe era uma líder na igreja em Cenchrae. Paulo a descreveu como uma diakonos (ministro) da ekklesia (igreja) em Cenchrae. Em Romanos 16, 7 Paulo diz: “Saudai Andrônico e Júnia… eles são proeminentes entre os apóstolos, e eles estavam em Cristo antes de mim”. É vital que nossos bispos ultrapassem o sexismo para acolher as mulheres em todos os serviços e funções ministeriais em nossa Igreja. Se tanto as mulheres como os homens e as pessoas casadas forem acolhidas no ministério ordenado, sua liderança oferecerá uma comunidade mais enriquecida.

 

É essencial continuar lutando por um jeito sinodal de ser Igreja. Ouvir profundamente é um desafio. Alcançar o consenso requer desapego e aprendizado dos caminhos do discernimento, guiados pela luz do Espírito. Não é uma tarefa fácil, pois as normas rígidas prevalecem, mas há belos exemplos do que pode ser alcançado, como vimos recentemente com os indígenas canadenses. Nossa Igreja tem uma luz para compartilhar.

 

Como parte da humanidade, nossa Igreja terá suas luzes e sombras , mas não podemos perder o caminho nem a luz que nos foi dada. Reconhecemos os esforços de muitas pessoas ao redor do mundo que lutam para viver o Evangelho, incluindo bispos e sacerdotes, leigos, crianças e jovens. Mas estruturas hierárquicas rígidas e leis canônicas não podem continuar a restringir a luz. Os erros continuarão a ser cometidos, mas uma Igreja guiada pelo Espírito pode e deve fazer as pazes e seguir em frente.

 

Pense na mulher que tem um filho que é uma criança especial. Em algum momento de sua vida, ele podia falar, mas outras crianças zombavam dele, então ele nunca mais falou. Se ao menos essa mãe que o cuidou e o amou durante todos esses anos pudesse nos ajudar a entender... e um homem cujo primeiro casamento fracassou e está tentando novamente com esperança... e um líder urbano pobre cuja área está programada para demolição e organizou uma marcha até a prefeitura para explicar a situação dos pobres urbanos... e um agricultor que pega as mudas que brotaram e vai para o campo inundado plantar arroz... e o gay que encontrou alguém com quem compartilhar sua vida... e o alcoólatra ainda tentando... Tendo encontrado o sagrado cada um à sua maneira, nesta Igreja todos estes podem vir à mesa para compartilhar a Eucaristia que nos une. Pela Eucaristia, nos reunimos para nos alimentar e compartilhar o Pão da Vida.

 

Nossa visão da Igreja que queremos no mundo de hoje é simplesmente uma comunidade cristã onde todos são bem-vindos. Por mais diferentes que sejamos, reconhecemos a presença única de Jesus dentro de cada um de nós. Esta Igreja nos oferece uma maneira melhor de lidar com as inúmeras questões que enfrentamos no mundo de hoje.

 

Conclusão

 

Reunimo-nos como representantes de 20 países diferentes, clérigos e leigos, e em nosso discernimento vimos a excitante perspectiva de uma Igreja que mais se assemelha à comunidade cristã primitiva. Construída sobre uma base de lava-pés que continuam juntos na estrada, apoiando uns aos outros à medida que avançamos para o futuro, estamos comprometidos em ser a comunidade que Jesus imaginou. Apesar de nossas diferenças culturais e regionais, estamos em pleno consenso de que essas reformas são essenciais para o bem de nossa Igreja. Devido em grande parte à atual crise na Igreja, essas questões não podem esperar pelo tempo usual que a igreja institucional levou no passado para lidar com questões urgentes.

 

Embora estejamos cientes de que há alguns que desejam devolver nossa Igreja aos dias pré-Vaticano II, temos a firme convicção de que a Igreja não pode permanecer uma instituição hierárquica. Agora que o espírito sinodal foi novamente acolhido, devemos avançar como comunidade com todos os batizados, povo e clero, caminhando juntos. É nossa esperança que o processo sinodal de Francisco abra caminhos para que cada um de nós viva nosso chamado cristão de acordo com nossas próprias convicções, preservando a unidade em nossa crença central de que somos chamados a mostrar nosso amor a Deus por meio do amor uns pelos outros. De nossa parte, escolhemos agora dedicar nossas energias a mudar a nós mesmos e a educar os batizados que todos nós somos a Igreja.

 

Agradecemos que este evento mundial tenha dado às pessoas a oportunidade de ouvir umas às outras e compartilhar nossas reflexões guiadas pelo Espírito sobre nossa Igreja. Mas isso não é suficiente se o restante do processo for uma reunião apenas de bispos. Se fomos convidados a caminhar com os bispos, devemos ser acolhidos para caminhar com eles durante todo o processo sinodal, incluindo o Sínodo de 2023 em Roma. Para ser verdadeiramente sinodal, não pode ser uma reunião da hierarquia sem incluir também uma representação apropriada do povo.

 

Em nome da Catholic Church Reform Int'l, somos católicos comprometidos, formados por clérigos, religiosos e leigos, que apresentam essas reformas como essenciais para a sustentabilidade e o futuro de nossa Igreja.

 

Leia mais

 

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV