Instituições depredadoras. Artigo de Raúl Zibechi

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Vamos ao encontro de nossa própria destruição? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • As esquerdas, Nicarágua e o caso Dora María Téllez. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • A luta de um jesuíta alemão para ajudar a salvar o planeta

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Agosto 2021

 

“Em algum momento, devemos assumir que é preferível criar o novo a nos dedicar a reformar o existe. Que não é possível descolonizar o Estado, nem despatriarcalizar o patriarcado; nem democratizar as Forças Armadas e o Poder Judiciário, núcleos duros das opressões. É o que nos diz a experiência das últimas décadas”, escreve Raúl Zibechi, jornalista e analista político uruguaio, em artigo publicado por La Jornada, 27-08-2021. A tradução é do Cepat.

 

Eis o artigo.

 

Embora estejamos acostumados ao papel devastador dos dispositivos armados, legais e ilegais, contra os povos e setores sociais, costuma passar desapercebido o caráter depredador das instituições estatais e das organizações de cima. Em não poucas ocasiões, elas desarticulam as comunidades em resistência de uma forma ainda mais duradoura do que a repressão violenta.

Algo assim acontece no Chile da revolta e agora da Convenção Constituinte. Ainda temos esquerda, cidadãos é o título que Manuel Cabieses, veterano lutador e jornalista, diretor da publicação Punto Final até o seu fechamento em 2018 e ex-militante do Movimento de Esquerda Revolucionária, dá ao seu último artigo.

Com dor e raiva, menciona a dispersão do povo e a desorientação ideológica, já que setores importantes daqueles que lutaram na revolta lançada em outubro de 2019 foram subordinados à cultura excludente da oligarquia.

Destaca que os dois principais candidatos à presidência, Sebastián Sichel, pela direita, e Gabriel Boric, pela esquerda, são duas faces da mesma moeda, pois ambos recebem a bênção da Bolsa de Comércio em demonstração eloquente de confiança do capital financeiro no resultado das próximas eleições.

A Lista do Povo, que havia conquistado 27 cadeiras das 155 em jogo na Constituinte, sendo o grupo que encarnava os movimentos nascidos na revolta, perdeu um terço dos constituintes pelas disputas internas de poder, manobras e acordos secretos que resultam uma cópia da velha cultura política.

Uma das renunciantes, a constituinte Claudia Pérez, afastou-se da Lista do Povo devido às intimidações, contínuos atritos, más práticas, atitudes brutas e a evidente falta de probidade de alguns dirigentes. Refere-se à denúncia feita pelo Centro de Investigação Jornalística (CIPER, em espanhol) de casos de comprovada corrupção nos gastos de campanha que levaram à expulsão de vários ativistas.

Meios de comunicação de esquerda e independentes, como El Clarín e El Ciudadano, estão tentando analisar e compreender as razões da crise neste grupo que surgia como o porta-voz natural dos movimentos populares.

Um deles considera que a torrente inicial da Constituinte foi se acalmando até se tornar um tranquilo canal constitucional, em meio ao qual aparecem as manobras e acordos políticos, nos bastidores, entre os diferentes grupos da Constituinte.

A conclusão do jornalista Guillermo Correa é que a energia desse setor começou a se voltar para as eleições de novembro, com a ideia de poder conquistar novos espaços de poder na institucionalidade capitalista que rejeitavam com vigor e decisão nas ruas, assembleias e territórios.

De fato, o poderoso movimento popular chileno se envolveu primeiro na eleição da Assembleia Constituinte, comparecendo às urnas em 15 e 16 de maio, mas imediatamente suas energias se voltaram para as eleições presidenciais e parlamentares de 21 de novembro, que se sobrepõem à elaboração de uma nova Constituição.

Nesse processo, que pretende transferir a potência das ruas para as instituições estatais, foram sendo abandonadas partes dos princípios e rebeldias, que acabaram desfigurando e fragilizando as organizações de base. Pior ainda, participando nas instituições, a velha cultura política se renova e ganha vigor, encarnando-se nos jovens e militantes dos setores populares.

É necessário aprender dos processos em curso, pois se repetem de país em país com notável precisão. O levante de outubro no Equador foi tragado pela disputa eleitoral, situação que pode se repetir na Colômbia com as eleições de 2022, com o agravante de que foi a mais profunda e extensa revolta das várias que sacudiram o continente, nos últimos anos.

Um primeiro aprendizado diz que não é possível participar das instituições estatais sem praticar a cultura política tradicional. É profundamente equivocado pensar que, a partir desses espaços, é possível fazer algo diferente do já estabelecido. Repetidamente, observamos que as melhores vontades colidem com os muros institucionais.

O segundo aprendizado é que o maior erro consiste em dispersar as organizações de base, que são as que geram os grandes eventos e as que podem dar continuidade aos movimentos. Sem elas, ficam prisioneiros das dinâmicas institucionais que os neutralizam.

Em algum momento, devemos assumir que é preferível criar o novo a nos dedicar a reformar o existe. Que não é possível descolonizar o Estado, nem despatriarcalizar o patriarcado; nem democratizar as Forças Armadas e o Poder Judiciário, núcleos duros das opressões. É o que nos diz a experiência das últimas décadas.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituições depredadoras. Artigo de Raúl Zibechi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV