Uma cadeira vazia para Mohammadi, vencedora do Prêmio Nobel da Paz: “Regime tirânico no Irã”

Mais Lidos

  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A campanha da Fraternidade 2024. Fraternidade e Amizade Social. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • A primeira pergunta de Deus ao homem foi “Onde você está?”. O Artigo é de Enzo Bianchi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

11 Dezembro 2023

Na cadeira da vencedora do Prêmio Nobel da Paz ninguém estava sentado. Narges Mohammadi não pôde ir para Oslo. A ativista iraniana está detida desde 2021 em Evin, uma prisão de segurança máxima em Teerã e a partir de hoje em greve de fome. A mulher, por ocasião do evento, condenou o "regime religioso tirânico e misógino" do Irã com uma mensagem transmitida pela filha. Na cerimônia para lembrar Mohammadi, foi colocada simbolicamente uma cadeira vazia, atrás da qual foi posta uma foto, escolhida pela própria ativista, que a mostra sorridente e com roupas coloridas.

A reportagem é publicada por Il Fatto Quotidiano, 10-12-2023. A tradução é de Luisa Rabolini.

Foram os filhos da mulher, os gêmeos Kiana e Ali de 17 anos, que receberam o prêmio e leram o discurso de agradecimento escrito pela mãe. Os filhos de Mohammadi vivem no exílio em Paris com o pai e já nos últimos dias os filhos se tornaram porta-vozes da ativista e, numa conferência de imprensa realizada no sábado em Oslo, Kiana Rahmani leu uma mensagem na qual Mohammadi elogiava o papel desempenhado pelas mídias internacionais ao "transmitir ao mundo a voz dos dissidentes, dos manifestantes e dos defensores dos direitos humanos".

A jovem contou que tem poucas esperanças de ver a mãe novamente: “Talvez eu a veja novamente daqui a 30 ou 40 anos, mas acredito que não a verei nunca mais. Mas não importa, porque minha mãe sempre viverá no meu coração, valores pelos quais vale a pena lutar”. Foram o irmão e o marido de Mohammadi que declararam aos jornalistas em Oslo a nova greve de fome da ativista, em solidariedade com a minoria religiosa bahá'í. Na mesma ocasião o marido, Taghi, disse que não vê a sua esposa há 11 anos. Os filhos, por sua vez, não veem Mohammadi há 7 anos.

Narges Mohammadi é a 19ª mulher a ganhar o Prêmio Nobel da Paz e a segunda iraniana depois da ativista pelos direitos humanos Shirin Ebadi, premiada em 2003. É a quinta vez nos 122 anos de história do prêmio, que o Prêmio Nobel da Paz é concedido a uma pessoa presa ou em prisão domiciliar. Os outros Prêmios Nobel serão entregues no próximo domingo, em cerimônias separadas, em Estocolmo, na Suécia.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Uma cadeira vazia para Mohammadi, vencedora do Prêmio Nobel da Paz: “Regime tirânico no Irã” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU