Cardeal Steiner: “Sem a retirada do garimpo, sem a reestruturação da saúde, o Povo Yanomami não terá futuro”

Mais Lidos

  • As responsabilidades das Forças Armadas no golpe. Artigo de Jean Marc von der Weid

    LER MAIS
  • “Gostaria de mais casos de anulação de casamento. Ajuda a curar o sofrimento da separação”, afirma cardeal Zuppi

    LER MAIS
  • Terra Yanomami tem 363 mortes registradas no 1º ano do governo Lula

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

02 Fevereiro 2023

"Uma agenda apertada, mas que foi oportunidade para visitar os doentes, se encontrar com as lideranças indígenas, cada vez mais organizadas, com representantes da Diocese de Roraima, sempre presente na defesa dos povos originários, e com a imprensa local, nem sempre interessada na pauta indígena, mas que segundo o Cardeal Leonardo Steiner tem um papel decisivo na construção de uma sociedade justa e fraterna", escreve Luis Miguel Modino, padre espanhol e missionário Fidei Donum. 

Eis o texto.

"Neste momento tão difícil do Povo Yanomami, O Cardeal da Amazônia se fez presente para visitar os indígenas e impulsar caminhos que já estão sendo trilhados pelas organizações indígenas e pela Igreja católica. Uma voz firme e profética, que deixou claro que 'sem a retirada do garimpo, sem a reestruturação da parte da saúde, o Povo Yanomami não terá futuro'."

Uma agenda apertada, mas que foi oportunidade para visitar os doentes, se encontrar com as lideranças indígenas, cada vez mais organizadas, com representantes da Diocese de Roraima, sempre presente na defesa dos povos originários, e com a imprensa local, nem sempre interessada na pauta indígena, mas que segundo o Cardeal Leonardo Steiner tem um papel decisivo na construção de uma sociedade justa e fraterna. A todos chamou a se dar as mãos e trabalhar juntos, para assim ajudar que não morram mais crianças indígenas, que são a riqueza e o futuro dos povos.

Cardeal Leonardo Steiner em Roraima

Na Diocese de Roraima moram mais ou menos 120 mil indígenas, deles 80 mil vivem nas 32 terras indígenas homologadas, segundo informou o Conselho Indigenista Missionário (CIMI), ao Cardeal Steiner. Uma população que é vítima de uma situação muito complexa, mas que não é nova e que tem sido denunciada inúmeras vezes. As causas estão no garimpo, sustentado na violência, que levou a se tornar algo comum ver corpos boiando nos rios, e no abandono da Saúde Indígena, aumentando exponencialmente os casos de malária e desnutrição.

Junto com isso, a exploração sexual no garimpo, inclusive de menores, e a morte violenta de mulheres indígenas, visando a desaparição dos povos originários e suas culturas, uma realidade que denunciada pelos próprios indígenas, tem impactado fortemente a Dom Leonardo. De fato, as estatísticas dizem que 70% das mulheres assassinadas em Roraima nos últimos anos morreram no garimpo, uma realidade forjada na violência e controlado pelo crime organizado chegado de outras regiões. Uma violência que é reproduzida na cidade de Boa Vista, que tem como consequência uma sociedade cada vez mais dividida e omissa.

Conhecer essa realidade foi agradecido pelo Cardeal Steiner, que destacou a importância de juntar a documentação em vista da abertura de um processo. Dom Leonardo chamou a viver este momento difícil e desafiante desde uma experiência de e com um sentimento de esperança, que o Cardeal vê numa Igreja atenta e disposta a ajudar os indígenas, e que se faz presente no fato de que hoje existe o Ministério dos Povos Indígenas e a FUNAI, ambos dirigidos pelos próprios indígenas.

Dom Leonardo chamou os membros do CIMI e das Pastorais Sociais, para quem pediu que Deus lhes dê ousadia e coragem, a se juntar aos indígenas e dá-los o protagonismo, a contar com sua cultura e modo de ser, buscando junto com eles saídas, também em diálogo com o novo governo, mas sabendo que o governo não faz tudo. Nesse sentido, a Igreja é desafiada a fazer pressão em favor dos povos indígenas como testemunho do Evangelho, desde uma atitude samaritana. Uma Igreja que crê na forças dos pequenos e que em Roraima sempre viveu em tensão por estar ao lado dos pequenos, uma Igreja que lembrando as palavras de Dom Pedro Casaldáliga é chamada a viver esperançada.

Uma visita para comprovar a extrema dificuldade do Povo Yanomami, que sofre com a desnutrição, segundo o Cardeal pode ver, mas também é vítima do garimpo que invadiu suas terras e da falta de saúde. Tudo isso consequência de um governo que não cumpriu com sua responsabilidade diante dos povos indígenas, fechado ao diálogo e que tentou invisibilizar aos povos indígenas, provocando um verdadeiro desespero, um verdadeiro genocídio, insistiu Dom Leonardo.

Algo que representa um chamado para o governo, as organizações indígenas e a Igreja, desde uma sensibilidade evangélica, a poder “levar alento, mas também ajudar no futuro”, que passa pela retirada do garimpo, e a reestruturação da Saúde. Sempre em vista de que “nós não possamos no futuro passar por uma catástrofe tão grande em relação aos povos originários como está a acontecer com o Povo Yanomami”. Para isso se faz necessário “abrir os olhos para perceber a necessidade de estar mais próximos como Igreja”, uma proximidade que também deve fazer parte da agenda do governo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal Steiner: “Sem a retirada do garimpo, sem a reestruturação da saúde, o Povo Yanomami não terá futuro” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU