“O cisma na Igreja é uma ameaça real”

Mais Lidos

  • Congo está sendo “martirizado” devido a seus recursos naturais. Vaticano desafiará EUA e China?

    LER MAIS
  • Três coisas a saber sobre a visita do Papa Francisco ao Sudão do Sul

    LER MAIS
  • O dia em que Francisco sentiu um nó na garganta no Congo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

22 Agosto 2022

 

Massimo Borghesi, biógrafo intelectual do Papa, descobre um plano global dos "cathocapitalistas" norte-americanos.

 

Massimo Borghesi não brinca com garotinhas. "Falar de cisma na Igreja não é apenas mais um artifício literário, tornou-se uma ameaça real quando Amoris Laetitia apareceu em 2016. " Com essa contundência, o filósofo italiano reflete sobre a fratura interna aberta no catolicismo após a publicação da exortação apostólica de Francisco na qual abriu algo mais do que uma brecha na comunhão dos divorciados recasados, além de uma renovação do ministério familiar. «Este Papa foi inclusive acusado de romper com o ensinamento de João Paulo II sobre o casamento, um ataque frontal muito forte que se materializou em uma carta assinada por quatro cardeais que pretendiam repudiá-lo, indiretamente marcando-o como herege, com o apoio de um amplo setor tradicionalista”.

 

A reportagem é de José Beltrán, publicada por La Razón, 21-08-2022.

 

O alerta não é lançado por qualquer um. Este professor italiano de filosofia especializado em religião é também o biógrafo intelectual do atual Papa. Nenhum daqueles que constroem um perfil através da Wikipedia coberto de anedotas de bolso. Borghesi não deve ser acusado desse extremo, pois seu conhecimento de Jorge Mario Bergoglio o leva a dissecar o pensamento papal como forense e desmantelar com um golpe de caneta a falta de fundamento do pontífice argentino. “Ele é um jesuíta peculiar. Para Francisco o inimigo é o diabo, enquanto para os neocons o adversário é o outro. Os tradicionalistas acusam o Papa de opor a misericórdia à verdade, um bom sujeito que está do lado da misericórdia e não acredita na primazia da verdade, o que é um grande erro. Ou em outras palavras: «A frente conservadora da Igreja quer primeiro a confissão dos pecados para depois curar as feridas. Para este Papa, o nome de Deus é Misericórdia, ou, o que dá no mesmo, o homem só pode reconhecer o seu pecado se for abraçado com misericórdia. Tampouco gostam da direita política que Francisco não coloca a ética e a moral em primeiro lugar da demanda, mas sim do anúncio da Boa Nova.

 

Com esse bisturi afinado, ele mergulhou em analisar qual é a fonte da infecção que viraliza essa resistência ao bispo de Roma. E encontrou: os Estados Unidos. Assim o detalha em «O desafio Francisco. Do conservadorismo ao hospital de campanha» (Encontro): «O Papa tem uma oposição ideológica que se alimenta principalmente da América do Norte. É uma minoria, mas especialmente barulhenta, muito ativa nas redes sociais e com grande poder na mídia.

 

Assim, o pesquisador sustenta que “a resistência à reforma de Francisco tem um fundo ideológico e político que está obviamente ligado à economia liberal”. Segundo sua análise, na década de 1980, sob a presidência de Reagan, forjou-se uma corrente católica conservadora, que se instalou no poder com Bush e viu suas asas abertas com Trump que, sem ser católico, soube recolher os principais postulados daqueles que batizaram como "teoconservadores" ou "cathocapitalistas".

 

Entre esses pensadores anti-Francisco estão Michael Novak, George Weigel e Richard Neuhaus. “Por um lado, eles assumem completamente o modelo capitalista para o mundo católico, distorcendo a encíclica 'Centesimus annus' do Papa polonês. Por outro, concentram todas as suas críticas ao mundo secularizado em apenas três valores éticos e morais – a luta contra o aborto, a eutanásia e as uniões gays – contra dois inimigos: o islamismo e o relativismo pós-moderno». Segundo esse movimento, a Doutrina Social da Igreja “se esgotaria e se reduziria” a essas questões, de modo que qualquer apelo de Francisco em defesa da dignidade dos trabalhadores e migrantes corresponderia à tese desse grupo de "adversário, esquerdista perigoso, pauperista, peronista, seguidor da teologia da libertação e alheio ao espírito do Ocidente como baluarte daqueles postulados éticos e morais cristãos que descrevem como inalienáveis”.

 

Por esta razão, Borghesi interpreta a tentativa do Episcopado dos EUA de excomungar Joe Biden, o único presidente católico da história junto com Kennedy, por sua posição sobre o aborto há alguns meses como um tiro direto contra Francisco. “Absolutamente, o mero fato de levantá-lo trata-se de desafiar o chefe por alguns dos bispos mais conservadores criando um conflito institucional de transcendência, tanto política quanto religiosa», avisa. Ao mesmo tempo, ele aprecia que episódios desse estilo mostrem que “a divisão entre católicos que votam republicanos e democratas é maniqueísta, assim como toda uma sociedade americana fortemente polarizada e dualista. Hoje, não há possibilidade de diálogo entre um e outro, o que é uma tragédia para o catolicismo norte-americano.

 

Para Borghesi, esse movimento ultraconservador teria exportado para a Europa conceitos como a “guerra cultural” com todo um modelo sociopolítico que buscaria se apropriar do discurso eclesial, com impacto em igrejas como a polonesa, italiana e espanhola. "Eles são poderosos e têm redes muito bem organizadas, com uma influência muito relevante", afirma.

 

Por isso, lamenta que esses alto-falantes ressoem mais do que “a grande maioria silenciosa que se encontra entre aqueles que apoiam fervorosamente o Papa e aqueles que se opõem a ele”. "Grande parte dos católicos está confusa porque não tem as ferramentas para avaliar em que medida as críticas do Papa são certas ou erradas e por isso ficam em silêncio, porque muitas vezes os bispos e padres não ajudam a entender o que Francisco quer dizer", reflete sobre a falta de responsabilidade do clero em amamentar.

 

Mas, além do bloqueio dos EUA, ele profetiza outro cisma no caminho progressista alemão? "Honestamente, acho que essa ameaça é superdimensionada", diz ele. "A Igreja alemã, através do Caminho Sinodal que celebra, procura acabar com o celibato e aprovar o casamento homossexual", detalha o filósofo das religiões, convencido de que "Roma não vai aceitar esses pedidos": "Mas também acredito que os bispos alemães encontrarão alternativas mais razoáveis.'

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“O cisma na Igreja é uma ameaça real” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU