Pesquisadores alertam para o risco de mudanças climáticas catastróficas

Mais Lidos

  • O Papa: as paróquias devem ser comunidades próximas, sem burocracia. Vídeo do Papa

    LER MAIS
  • "Vou para Roraima em espírito de serviço e de prontidão para aquilo que Deus quer". Entrevista com Dom Evaristo Spengler

    LER MAIS
  • Por um ‘Tribunal Russel’ sobre o genocídio Yanomami. Artigo de Tarso Genro e Marcelo Carneiro da Cunha

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

04 Agosto 2022

 

O aquecimento global pode se tornar “catastrófico” para a humanidade se os aumentos de temperatura forem piores do que muitos preveem ou causarem cascatas de eventos que ainda temos que considerar, ou mesmo ambos.

 

O mundo precisa começar a se preparar para a possibilidade de um “fim de jogo climático”.

 

A reportagem é publicada por Universidade de Cambridge, reproduzido por EcoDebate, 02-08-2022.

 

Isso é de acordo com uma equipe internacional de pesquisadores liderada pela Universidade de Cambridge, que propõe uma agenda de pesquisa para enfrentar cenários do pior ao pior. Estes incluem resultados que vão desde uma perda de 10% da população global até a eventual extinção humana.

 

Em um artigo publicado hoje na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, os pesquisadores pedem ao Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) que dedique um relatório futuro às mudanças climáticas catastróficas para estimular a pesquisa e informar o público.

 

“Há muitas razões para acreditar que a mudança climática pode se tornar catastrófica, mesmo em níveis modestos de aquecimento”, disse o principal autor Dr. Luke Kemp, do Centro para o Estudo do Risco Existencial de Cambridge.

 

“A mudança climática desempenhou um papel em todos os eventos de extinção em massa. Ajudou a derrubar impérios e moldou a história. Até o mundo moderno parece adaptado a um nicho climático específico”, disse ele.

 

“Os caminhos para o desastre não se limitam aos impactos diretos de altas temperaturas, como eventos climáticos extremos. Efeitos indiretos, como crises financeiras, conflitos e novos surtos de doenças podem desencadear outras calamidades e impedir a recuperação de desastres potenciais, como guerra nuclear.”

 

Kemp e colegas argumentam que as consequências do aquecimento de 3 graus Celsius e além, e os riscos extremos relacionados, foram sub examinados.

 

A modelagem feita pela equipe mostra áreas de calor extremo (uma temperatura média anual superior a 29 graus Celsius), podendo cobrir dois bilhões de pessoas até 2070. Essas áreas não são apenas algumas das mais densamente povoadas, mas também algumas das mais politicamente frágeis.

 

“Temperaturas médias anuais de 29 graus afetam atualmente cerca de 30 milhões de pessoas no Saara e na Costa do Golfo”, disse o coautor Chi Xu, da Universidade de Nanjing.

 

“Até 2070, essas temperaturas e as consequências sociais e políticas afetarão diretamente duas potências nucleares e sete laboratórios de contenção máxima que abrigam os patógenos mais perigosos. Há um sério potencial para efeitos desastrosos”, disse ele.

 

O relatório do IPCC do ano passado sugeriu que, se o CO2 atmosférico dobrar em relação aos níveis pré-industriais – algo que o planeta está na metade do caminho –, há uma chance de aproximadamente 18% de as temperaturas subirem além de 4,5 graus Celsius.

 

No entanto, Kemp é coautor de um estudo de “mineração de texto” de relatórios do IPCC, publicado no início deste ano , que descobriu que as avaliações do IPCC mudaram do aquecimento de alto nível para se concentrar cada vez mais em aumentos de temperatura mais baixos.

 

Isso se baseia em trabalhos anteriores que ele contribuiu para mostrar que os cenários de temperaturas extremas são “subexplorados em relação à sua probabilidade”. “Nós sabemos menos sobre os cenários que mais importam”, disse Kemp.

 

A equipe por trás do artigo da PNAS propõe uma agenda de pesquisa que inclui o que eles chamam de “quatro cavaleiros” do jogo climático: fome e desnutrição, clima extremo, conflito e doenças transmitidas por vetores.

 

O aumento das temperaturas representa uma grande ameaça ao suprimento global de alimentos, dizem eles, com crescentes probabilidades de “falhas no celeiro”, à medida que as áreas mais produtivas do mundo sofrem colapsos coletivos.

 

O clima mais quente e extremo também pode criar condições para novos surtos de doenças, à medida que os habitats das pessoas e da vida selvagem mudam e diminuem.

 

Os autores alertam que o colapso climático provavelmente exacerbaria outras “ameaças de interação”: desde o aumento da desigualdade e desinformação até colapsos democráticos e até novas formas de armas destrutivas de IA.

 

Um possível futuro destacado no artigo envolve “guerras quentes” nas quais superpotências tecnologicamente aprimoradas lutam pelo espaço cada vez menor de carbono e experimentos gigantes para desviar a luz solar e reduzir as temperaturas globais.

 

Mais foco deve continuar na identificação de todos os possíveis pontos de inflexão dentro da “Hothouse Earth”, dizem os pesquisadores: desde o metano liberado pelo derretimento do permafrost até a perda de florestas que atuam como “sumidouros de carbono” e até o potencial para o desaparecimento da cobertura de nuvens.

 

“Quanto mais aprendemos sobre como nosso planeta funciona, maior o motivo de preocupação”, disse o coautor Prof Johan Rockström, diretor do Instituto Potsdam para Pesquisa de Impacto Climático.

 

“Entendemos cada vez mais que nosso planeta é um organismo mais sofisticado e frágil. Devemos fazer a matemática do desastre para evitá-lo”, disse.

 

A coautora Prof Kristie Ebi, da Universidade de Washington, disse: “Precisamos de um esforço interdisciplinar para entender como as mudanças climáticas podem desencadear morbidade e mortalidade em massa”.

 

Kemp acrescentou: “Sabemos que o aumento da temperatura tem uma ‘cauda gorda’, o que significa uma ampla gama de probabilidades mais baixas, mas resultados potencialmente extremos. Enfrentar um futuro de aceleração das mudanças climáticas, permanecendo cego para os piores cenários, é uma gestão de risco ingênua na melhor das hipóteses e fatalmente tola na pior.”

 

Falha climática global em cascata. Este é um diagrama de loop causal, no qual uma linha completa representa uma polaridade positiva (por exemplo, feedback de amplificação; não necessariamente positivo no sentido normativo) e uma linha pontilhada denota uma polaridade negativa (significando um feedback de amortecimento). Foto: Reprodução

 

Referência:

 

Climate Endgame: Exploring catastrophic climate change scenarios, Proceedings of the National Academy of Sciences (2022). DOI: 10.1073/pnas.2108146119

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pesquisadores alertam para o risco de mudanças climáticas catastróficas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU