Papa Francisco recebe seis mulheres transgênero: “Nós nos sentimos acolhidas sem preconceitos”

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa Franciso, mais uma vez, surpreende. Artigo de Eduardo Hoornaert

    LER MAIS
  • Movimentos no pós-pandemia. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • Presbíteros sinodais: comunhão, participação e missão. Artigo de Eliseu Wisniewski

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Junho 2022

 

O Papa Francisco recebeu seis mulheres transgênero entre as quais Alessia Nobile, que relatou à Fanpage.it como o Papa recomendou não se deixar envolver pelo preconceito em relação à Igreja.

 

A reportagem é de Alessia Rabbai, publicada por Fanpage, 23-06-2022. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

"Foi emocionante, nos sentimos acolhidas." Alessia Nobile contou à Fanpage.it como foi ficar cara a cara com o Papa Francisco. Ontem, o Santo Padre recebeu seis mulheres transgênero, uma italiana e cinco estrangeiras, de diferentes idades e histórias e a mãe de um jovem transgênero. Um encontro inesperado com forte valor simbólico, se considerarmos que aconteceu justamente durante o mês do Orgulho Gay, das manifestações e das cores do arco-íris.

 

Alessia, formada em Ciências Sociais, é autora do livro "La bambina invisibile" publicado pela Castelvecchi em fevereiro passado. Ela não foi sozinha a São Pedro, mas levou consigo aquele livro de que fala nas escolas e nas prisões onde leva informação. Um livro que conta sobre sua vida e seu caminho para a formação da pessoa que é hoje, da realidade das pessoas transgênero, e o colocou nas mãos do Pontífice.

 

La bambina invisibile

 

Um dia organizado pela Irmã Genevier, uma freira que vive em um parque de diversões perto de Roma, que reúne e cuida dos últimos. Ela propôs o encontro ao Papa, explicando, no entanto, que não era apenas uma pessoa e ele respondeu: "Traga todas." "Nos reunimos no Vaticano junto com a irmã e um sacerdote, que faz parte do grupo Cristiani lgbt + Nazionale TRANSizioni - projeto de La Tenda di Gionata. O Papa nos recebeu individualmente e eu fui a primeira", explica Alessia com emoção. "Entregar meu livro para ele foi um sonho que se tornou realidade."

 

Alessia explicou como foi o encontro com o Papa: "Ele não queria que eu me ajoelhasse, apertou minha mão e quando me apresentei como uma mulher trans, ele me respondeu que não importava o que eu era, que temos um único Pai, como se quisesse me dizer: você é uma irmã."

 

Alessia presenteou seu livro ao Papa: "Ele o pegou e me disse, ótimo, você fez muito bem em escrever sua história. Depois ele me recomendou ser sempre eu mesma, mas não me deixar envolver pelo preconceito contra a Igreja. Muitas vezes nós, pessoas trans, vítimas de preconceito, também nutrimos preconceitos em relação aos outros e pensamos, partindo de preconceitos, que a Igreja não nos aceita de qualquer forma e nem procuramos um encontro. Eu, ao contrário, me senti acolhida, tomada pela mão e abraçada. No mês do Orgulho Gay, acredito que esta é uma mensagem importante. A melhor coisa de ter falado com o Papa Francisco é que foi simplesmente um confronto entre pessoas e não sobre nossa diversidade."

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco recebe seis mulheres transgênero: “Nós nos sentimos acolhidas sem preconceitos” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV