Geleiras no norte da Groenlândia estão derretendo em velocidade recorde

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • A síndrome do pensamento acelerado

    LER MAIS
  • Papa Francisco não é contra ‘novos movimentos eclesiais’, ele apenas favorece alguns em detrimento de outros

    LER MAIS
  • “Diáconas para uma Igreja sinodal.” Síntese para o Sínodo sobre a Sinodalidade

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Junho 2022


As muitas pequenas geleiras da Groenlândia estão derretendo em grande velocidade, e o derretimento está aumentando, especialmente nas regiões do Ártico, onde o aumento da temperatura é pior.

 

Agora, os pesquisadores estudaram precisamente quanta massa essas geleiras – não conectadas à camada de gelo – perderam nas últimas décadas.

 

A reportagem foi publicada por University of Bristol e reproduzida por EcoDebate, 21-06-2022. A tradução e a edição são de Henrique Cortez

 

No Ártico, as temperaturas estão subindo mais do que no resto do mundo, e isso está fazendo com que as geleiras mais ao norte da Groenlândia derretam em velocidade recorde. Isso é mostrado em um novo estudo de pesquisadores liderados pela DTU Space em colaboração com o Geological Survey of Denmark and Greenland (GEUS), NASA Goddard Space Flight Center, Utrecht University, University of Bristol, Technical University Munich e University of Copenhagen.

 

O estudo se concentra em geleiras menores sem conexão com o manto de gelo da Groenlândia. Essas geleiras periféricas representam apenas cerca de 4% das áreas cobertas de gelo da Groenlândia, correspondendo aproximadamente à mesma área que a Irlanda (72.000 km 2 ), mas contribuem com até 11% da perda total de gelo das áreas cobertas de gelo da Groenlândia. Assim, eles são um dos principais contribuintes para o aumento global do nível do mar.

 

“A perda de gelo dessas pequenas geleiras ocorre porque elas são mais sensíveis às mudanças contínuas de temperatura e, portanto, derretem mais rápido do que vemos em muitos outros lugares do Ártico”, disse o professor Shfaqat Abbas Khan, da DTU Space, principal autor do artigo publicado em Cartas de Pesquisa Geofísica.

 

Geleiras do norte instáveis

 

O novo estudo mostra que o derretimento das geleiras periféricas aumentou dramaticamente nas últimas duas décadas. Em média, 42,3 gigatoneladas (bilhões de toneladas) de gelo derreteram por ano de outubro de 2018 a dezembro de 2021. Em comparação, ‘apenas’ 27,2 gigatoneladas derreteram anualmente no período de fevereiro de 2003 a outubro de 2009.

 

“Podemos ver que há um aumento acentuado no derretimento das geleiras no norte da Groenlândia. Isso mostra que as massas de gelo na Groenlândia são muito instáveis e contribuem consideravelmente para o aumento global do nível do mar”, disse o professor Khan.

 

“É perturbador, mas esperado, que a camada de gelo mais ao norte do planeta seja duramente atingida pelos aumentos contínuos de temperatura, porque é evidente que a temperatura aqui também aumentou mais nos últimos 20 anos”.

 

As mudanças foram registradas usando altimetria (medições de altitude) com os satélites americanos ICESat e ICESat-2.

 

Variações de fusão

 

Embora as geleiras isoladas não façam parte do manto de gelo da Groenlândia, é importante incluí-las no orçamento total de derretimento do Ártico para calcular exatamente quanto a região contribui para a elevação do nível do mar.

 

Assim, é importante acompanhar todas as fontes, especialmente porque existem grandes variações nos padrões de fusão em diferentes partes da Groenlândia, disse o pesquisador sênior e coautor William Colgan, do National Geological Survey of Denmark and Greenland (GEUS). 

 

“Foi uma surpresa ver o quanto o derretimento das geleiras no extremo norte da Groenlândia acelerou nos últimos anos e este é mais um indicador de mudanças dramáticas que estão ocorrendo no Ártico”, disse o coautor Jonathan Bamber, Professor de Glaciologia na Universidade de Bristol Cabot Institute for the Environment.

 

Geleiras periféricas

 

Na Groenlândia, existem muitas geleiras que não estão conectadas ao próprio manto de gelo da Groenlândia. São chamadas de geleiras periféricas e estima-se que existam 20.300 delas (área mínima de 0,05 km 2 ). Eles são encontrados do sul ao norte da Groenlândia e variam de grandes calotas polares a pequenas geleiras de circo, que são geleiras delimitadas a uma depressão no terreno. Todas essas geleiras têm seu próprio balanço de massa, assim como o manto de gelo da Groenlândia, ou seja, a relação entre o derretimento no verão e a queda de neve no inverno. Se a perda de massa (derretimento) for maior que a oferta de massa (queda de neve), a geleira se torna menor e vice-versa. Comparado com o manto de gelo da Groenlândia, há relativamente pouca pesquisa sobre as geleiras periféricas.

 

Referência:

Khan, S. A., Colgan, W., Neumann, T. A., van den Broeke, M. R., Brunt, K. M., Noël, B., et al. (2022). Accelerating ice loss from peripheral glaciers in North Greenland. Geophysical Research Letters, 49, e2022GL098915. Article has an altmetric score of 82

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Geleiras no norte da Groenlândia estão derretendo em velocidade recorde - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV