“A religião está morrendo? Aos poucos – e sem que percebamos – o ‘fato religioso’ está sendo deslocado”. Artigo de José María Castillo

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa Franciso, mais uma vez, surpreende. Artigo de Eduardo Hoornaert

    LER MAIS
  • Movimentos no pós-pandemia. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • “Não podemos mais ignorar o debate sobre a redução da jornada de trabalho porque funciona para muitas empresas”. Entrevista com Pedro Gomes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Janeiro 2022

 

  • "Por causa da pandemia e suas consequências, muitas pessoas se sentem incomodadas e indignadas pelo simples motivo de que o Natal foi pelo ralo e não pode ser comemorado... Porque eles não podem se divertir";

  • "Do jeito que está, a primeira coisa que me ocorre é que a religião está morrendo. Ela não pode responder a perguntas muito fundamentais que nós, cidadãos do século 21, nos fazemos";

  • “Somente a ciência e a tecnologia estão nos levando à confusão e à insegurança das 'mudanças climáticas', que podem destruir o planeta em que vivemos”;

  • “Ficamos com a esperança que o Evangelho traz, que não é uma compilação de milagres incríveis, nem é ensinado por catecismos e atos piedosos. O Evangelho é vida”;

  • “Se o centro da vida da Igreja não for ocupado pela Religião, mas pelo Evangelho, o horizonte do futuro será uma fonte de luz e esperança”.

 

O artigo é de José María Castillo, teólogo espanhol, publicado por Religión Digital, 30-12-2021.

 

Eis o artigo.


É um fato que, por causa da pandemia e suas consequências, muitas (e até muitas) pessoas se sentem incomodadas e indignadas pela simples razão de que o Natal está arruinado e não pode ser comemorado. Tem acontecido na Páscoa, nas festas, etc. etc.

Outro fato a ter em mente é que os feriados mencionados são feriados religiosos. Mas a razão que tanto ultraja tantas pessoas é que você não pode celebrar o nascimento de Jesus (no Natal) ou a paixão e morte de Jesus Cristo (na Páscoa), etc. Nada disso. A maioria das pessoas se sente desconfortável porque não consegue se divertir (viagens, festas, férias...).

Do jeito que está, a primeira coisa que me ocorre é que a religião está morrendo. Aos poucos - e sem que percebamos - o "fato religioso" vai sendo deslocado. De modo que (principalmente nos países mais industrializados) o que interessa a uma notável maioria da população, quando se trata de questões religiosas, é o que fazem de errado e certos comportamentos de bispos, padres, clérigos e até mesmo são motivo de escândalo. Freiras que, em seus conventos, abusaram de pessoas inocentes.

Claro, aprendemos sobre a conduta exemplar em casos específicos. Mas o que permeia o tecido social não é mais a exemplaridade do "religioso". Interessado em economia, política, estética, esportes, determinados setores da cultura, etc. Neste momento, um homem exemplar - e de quem se fala - é o Papa Francisco, pela sua humanidade, pela sua proximidade com o povo... Mas também é verdade que não faltam aqueles que querem que o Papa Francisco se aposente ou morra. Eu insisto, a religião como tal, a cada dia que passa, importa menos.

O que está acontecendo no que diz respeito à religião? Parece-me que há um fato indiscutível: a religião ficou para trás e não responde aos problemas muito fundamentais que a sociedade e as pessoas têm, que procuram, mas não conseguem encontrar as soluções de que precisam.

Tenho a impressão - e pensei bem - que a Teologia e a Liturgia, que a nossa Religião tem e mantém, continuam a ser, em muitas das suas ideias, na sua linguagem e nos seus rituais, basicamente típicos da Idade Média. O que tem por consequência que, com este pensamento e com estas celebrações litúrgicas, a Religião não pode responder a perguntas tão fundamentais que nós, cidadãos do século XXI, nos colocamos. Especificando:

1) A cristologia foi elaborada no primeiro milênio, não a partir do Evangelho, mas a partir de conceitos básicos da filosofia helenística (ousia = essência), (hipóstase = substância), (propsopon = pessoa).

2) A questão de Deus foi pensada para ser resolvida com as “cinco maneiras” de Tomás de Aquino, mas hoje isso não resolve o problema (J.A. Estrada).

3) Quanto à Liturgia , o rito da Missa (independentemente de alguns costumes particulares ou monásticos) pode ser dito que quase não mudou a partir do século 11 (J.A. Jungmann). A eclesiologia, no papado de Bonifácio VIII e nos de Avignon, a teologia não foi além de discutir o poder papal.

Você tem que esperar até o s. XIX, quando a Escola de Tübingen, especialmente J. Möhler, começou a elaborar um tratado sobre a Igreja. No século XX, o Vaticano II não foi um concílio dogmático, mas pastoral, como João XXIII explicou no discurso de abertura. Resta-nos a esperança de que o papado de Francisco terá sucessores que seguirão o caminho por ele iniciado.


O sofrimento indescritível da pandemia, que estamos enfrentando, talvez abra nossos olhos para ver a realidade. E a realidade simples é que "a experiência religiosa de todos nós não é mais confiável" (Thomas Ruster). A ciência e a tecnologia sozinhas nos levam à confusão e à insegurança das "mudanças climáticas", que podem destruir o planeta em que vivemos.

Ficamos com a esperança que o Evangelho traz, que não é uma compilação de milagres incríveis, nem é ensinado por meio de catecismos e atos piedosos. O Evangelho é vida, que só pode ser comunicada por meio de histórias, nas quais o fator determinante não é a "historicidade" da história, mas o "significado" dos acontecimentos que superam e superam o sofrimento, a injustiça e a desigualdade. Se o centro da vida da Igreja não for ocupado pela Religião, mas pelo Evangelho, o horizonte do futuro será uma fonte de luz e esperança.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“A religião está morrendo? Aos poucos – e sem que percebamos – o ‘fato religioso’ está sendo deslocado”. Artigo de José María Castillo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV