“Os bispos norte-americanos pensam apenas no aborto: o Papa Francisco não”

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa Franciso, mais uma vez, surpreende. Artigo de Eduardo Hoornaert

    LER MAIS
  • Movimentos no pós-pandemia. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • “Não podemos mais ignorar o debate sobre a redução da jornada de trabalho porque funciona para muitas empresas”. Entrevista com Pedro Gomes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Novembro 2021

 

"Não me surpreende que o Papa Francisco, que é ’pró-vida’ e um convicto opositor do aborto, também tenha dito que discorda da abordagem de privar os políticos do sacramento da Comunhão apenas por causa de sua posição sobre o aborto”. São as palavras de James Martin, 60, reverendo de Manhattan, editor da revista jesuita America, autor de best-sellers, apresentador de programas de TV, consultor de Martin Scorsese para "O Silêncio" (e figurante em "The Irishman"). O reverendo é um dos expoentes mais abertos da Igreja estadunidense também em relação à comunidade LGBT e falou sobre esses temas com o Papa em um encontro privado no Vaticano em 2019.

A entrevista é de Viviana Mazza, publicada por Corriere della Sera, 01-11-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

Eis a entrevista.

 

Qual é a razão para essa diferença entre o Papa e os bispos estadunidenses sobre o aborto?

 

Para os bispos estadunidenses, o aborto é a questão "preeminente" da vida; o Santo Padre escreveu em Gaudete et Exsultate que "igualmente sagradas" são as vidas daqueles que já nasceram, inclusive os pobres, os migrantes, os refugiados e as outras pessoas vulneráveis. Portanto, concentrar-se quase exclusivamente em uma questão para decidir se alguém pode ou não receber a comunhão não é uma abordagem com a qual o Papa concorda. Além disso, o Papa provavelmente não quer interferir na decisão do bispo local, o cardeal Wilton Gregory, que disse que não deveria ser negada ao presidente Biden a comunhão em Washington DC.

 

Pode nos explicar a questão da Eucaristia e de Biden, o segundo presidente católico dos Estados Unidos, levantada pelos bispos norte-americanos?

 

Na última conferência episcopal, os bispos estadunidenses decidiram que escreveriam um documento sobre a Eucaristia para ajudar a explicar o Sacramento e quem pode e quem não pode recebê-lo. De um lado, alguns deles disseram que não tem nada a ver com Joe Biden. Por outro lado, no entanto, bispo após bispo foi repetindo como é terrível Biden receber a comunhão. Então é difícil não ver isso como algo politicamente motivado. E é nisso que focam sua atenção após uma pandemia global? Sobre o fato de Biden poder receber a comunhão ou não?

 

Como é a relação entre Biden e a Igreja nos EUA?

 

Depende de como você define a Igreja. Se você a definir como o povo de Deus, muitos católicos votaram nele. Se falamos de hierarquia, muitos são contra ele, infelizmente porque pensam em apenas uma única questão, o aborto, em relação a todas as outras. Os bispos não levantaram problemas quando o ex-ministro da Justiça, William Barr, acelerou várias execuções da pena de morte, o que também vai contra os ensinamentos da Igreja.

 

Sobre as vacinas, a maioria dos bispos caminha na mesma direção do Papa, que definiu vacinar-se como um ato de amor, certo?

 

O Papa disse que vacinar-se é algo que se faz para si e também para os outros. Muitos bispos estão tentando ajudar os fiéis a entender que as vacinas são aceitáveis e que não deveriam buscar uma isenção baseada na religião. No entanto, houve quem tentou levantar a objeção de que as vacinas foram criadas por meio de pesquisas que incluíam células fetais; mas nenhum teólogo moral identificou isso como um problema.

 

Com base no que alguns católicos pedem isenção religiosa?

 

“Existem alguns padres de extrema direita que se opõem à vacina, e até mesmo alguns bispos e cardeais, como o cardeal Burke, que depois pegou Covid e foi hospitalizado, mas são vozes muito minoritárias. E tornou-se algo político porque muitos conservadores acreditam nas teorias de conspiração sobre a vacina. Alguns casam suas objeções políticas com o desejo de encontrar uma razão religiosa que lhes permita evitar a vacinação. Os católicos não são um grupo monolítico. E essas ideias têm mais a ver com orientação política do que com religião”.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Os bispos norte-americanos pensam apenas no aborto: o Papa Francisco não” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV