Bergoglio e as obras-primas que se tornaram “escola de humanismo”

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Um bomba social por trás do Auxílio Brasil

    LER MAIS
  • O evangelismo empreendedor: o entrepreneurship na ação política das organizações não-governamentais transnacionais da nova direita

    LER MAIS
  • Pedro Casaldáliga no caminho dos Padres da Igreja da América Latina. Artigo de Juan José Tamayo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Julho 2021

 

Quando criança, o Santo Padre foi cinéfilo, viu todos os filmes com Anna Magnani e Aldo Fabrizi. Pelo prazer da tela ou, quem sabe, talvez por nostalgia da Itália. Ele gostou muito de “Roma, cidade aberta”, porque o fez entender a grande tragédia da guerra. O seu filme preferido continua sendo “A estrada da vida”, de Federico Fellini, pela sua inspiração evangélica. E ele aprecia ainda hoje o cinema neorrealista como uma “escola de humanismo”, como uma “catequese de humanidade”.

O comentário é de Aldo Grasso, publicado em Corriere della Sera, 18-07-2021. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Na Itália que emergiu da guerra, sentia-se a necessidade de um renascimento político e social. Cineastas e diretores queriam ser os artífices dessa renovação. Propuseram um cinema que escavava a realidade do presente e do passado mais recente, trazendo à tona histórias, temas e personagens daquele mundo sobre o qual era preciso agir: o cinema neorrealista caracterizou-se imediatamente pelo seu forte compromisso social.

E podemos imaginar o efeito daqueles filmes para quem havia emigrado para o exterior, para fugir da ditadura ou da miséria. Ainda hoje, é difícil de explicar o que foi o cinema neorrealista, criatura polimórfica. Foi uma agregação de fenômenos heterogêneos? O nome de uma batalha? Uma ética da estética? Uma mistura de ideologia e poética? Uma coincidência? Um passeio entre as nuvens ou uma obsessão?

Alguns filmes daquele período continuam sendo extraordinários porque são fruto de um artifício de uma destinação incerta e ironicamente fatal. Eles parecem feitos magicamente por uma única pessoa. Aparentemente claros e determinados, de feliz transparência, são transitáveis em diferentes direções, inesgotáveis e insensatas (que ideia, transformar uma bicicleta em uma máquina narrativa!). É precisamente a sua “ambiguidade” linguística que os torna duradouros.

Para o Santo Padre, o neorrealismo é uma educação ao olhar e, a esse respeito, cita Simone Weil, que dedicou ao tema reflexões de intensa espiritualidade. Em “Espera de Deus”, ela escreve: “Uma das verdades fundamentais do cristianismo, hoje ignorada por todos, é que o olhar é o que salva”. Bastaria hoje redescobrir um pouco da coragem com que Simone Weil se concentrava em um fino feixe de palavras (Amor, Bem, Fé, Beleza, Necessidade, Limite, Sacrifício...), para restituir a elas a sua força incendiária. Muitas páginas dos escritos de Simone Weil são fogo que queima para que os nossos olhos possam ver melhor, em profundidade.

O curioso é que Roberto Rossellini se inspirou justamente na figura de Simone Weil para delinear a personagem de Irene, de “Europa 51”: não basta se deter no visível, que está diante dos olhos, é preciso, a todo o custo, buscar o invisível, que está atrás dos olhos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bergoglio e as obras-primas que se tornaram “escola de humanismo” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV