«Desperdiçar a comida é descartar as pessoas», afirma Francisco

Mais Lidos

  • A guerra entre os cardeais católicos

    LER MAIS
  • O Papa substitui Ouellet e nomeia um bispo peruano para a Congregação dos Bispos

    LER MAIS
  • Empresários percebem que país já não pode se submeter às forças armadas. Entrevista com Fabio Konder Comparato

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

20 Mai 2019

O Papa Francisco agradeceu, na manhã de sábado, o trabalho dos membros e voluntários da Federação Europeia dos Bancos Alimentares e alertou que “desperdiçar a comida é descartar as pessoas”

No seu discurso aos cerca de 200 membros presentes que se reuniram em Roma (Capital de Itália), o Papa argentino expressou sua gratidão pelo seu trabalho de “dar de comer a quem tem fome” porque “não se trata de assistencialismo, mas um gesto concreto e silencioso de solidariedade e caridade com os mais necessitados”, lê-se no site de notícias do Vaticano.

A informação é publicada por Ecclesia, 18-05-2019.

Aos participantes, Francisco disse que eles trabalham em prol dos mais necessitados “combatendo o desperdício de comida e recolhendo as sobras para serem distribuídas aos mais pobres

No mundo complexo de hoje é importante que “o bem seja bem feito” e “não deve ser fruto de um mero assistencialismo, que não contribui para o desenvolvimento”, frisou.

Ao olhar para “a economia frenética”, o Papa Francisco expressou a sua preocupação e pediu uma “economia mais humana, que tenha alma e não espezinhe os mais frágeis, desprovidos de trabalho, de dignidade e de esperança”.

“A economia, que nasceu para cuidar da Casa Comum, perdeu a sua personalidade e ao invés de servir o homem, escraviza-o por meio de mecanismos financeiros. Como podemos viver bem se as pessoas são reduzidas a números?”, recordou.

“É preciso empreender caminhos saudáveis e solidários, mediante modelos de vida baseados na equidade social, na dignidade das pessoas, das famílias, do futuro dos jovens, do respeito pelo meio ambiente”, concluiu.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

«Desperdiçar a comida é descartar as pessoas», afirma Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU