A linha que falta na Declaração de Bruxelas

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Julho 2018

Todos nós sabemos isso, "os estados não se sustentam com pai-nossos". Cosme de Médici tinha suas boas razões. O mons. Marcinkus que pensava ser muito moderno também dizia que a igreja não "se governa com aves-maria". Talvez algumas orações a mais e cartas de garantia a menos, não teriam causado mal nenhum ao IOR.

O comentário é expresso por Lucio Brunelli, diretamente do Mediterrâneo, ao largo da costa da Líbia, e publicado por Ecclesia - Inblu rádio, 29-06-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

Mas nós estávamos falando dos estados. E nesse âmbito - quando pensamos sobre o fenômeno migratório - realmente não bastam os pai-nossos. E nem mesmo é possível impor a bondade por decreto aos próprios cidadãos. É preciso ser concretos. E, em Bruxelas, foram concretos. Convencer algum estado fora da UE a criar prisões para os migrantes. Restringir ou bloquear completamente a ação das equipes de resgate não-governamentais. Nós entendemos, nós entendemos tudo. Mas pelo menos uma linha poderia ter sido acrescentada: um "lamentamos", uma palavra talvez não de "vergonha", mas, no mínimo, de "arrependimento" porque nós, europeus, hoje não conseguimos dizer e fazer nada mais.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A linha que falta na Declaração de Bruxelas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV