"Nariz de Pinóquio" governamental sobre a política fundiária

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Um bomba social por trás do Auxílio Brasil

    LER MAIS
  • O evangelismo empreendedor: o entrepreneurship na ação política das organizações não-governamentais transnacionais da nova direita

    LER MAIS
  • Pedro Casaldáliga no caminho dos Padres da Igreja da América Latina. Artigo de Juan José Tamayo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Junho 2011

O projeto de lei para impor limites de aquisição de terras no Brasil por estrangeiros, constitui-se no mais novo "nariz de Pinóquio" governamental sobre a política fundiária.

A opinião é de Afonso Chagas, mestrando no PPG em Direito da Unisinos.

Eis o comentário.

O projeto de lei para impor limites de aquisição de terras no Brasil por estrangeiros, constitui-se no mais novo "nariz de Pinóquio" governamental sobre a política fundiária.

Todos os Órgãos governamentais conhecem bem as estratégias que os estrangeiros usam para se apropriarem de milhões de hectares no Brasil, principalmente na Amazônia, em especial, a constituição "fictícia" de empresa brasileira com participação de estrangeiros. Passado algum tempo, alteram a constituição da sociedade, permanece só o capital e o interesse do cidadão estrangeiro e caso haja algum imbróglio com a Justiça e com a Administração, e se precisar efetivamente, nomeiam um procurador brasileiro para fim específico na demanda pontual.

É a mesma farsa já tantas vezes anunciada e denunciada do programa de regularização fundiária (Terra Legal), onde um grande latifundiário, fraciona "de brincadeirinha" grandes propriedades para fins de regularização, terceirizam para fins de "limpeza legal" administrativa, e em seguida, se preciso for, reconcentram os títulos.
Nada de novo no front da orgia governamental com os bens públicos. Já ocorrera com a Lei da terceirização das florestas públicas (Lei nº 11.284/2006) e posteriormente com a Lei de Regularização dos privilégios para grileiros (Lei 11.952/2009), onde a própria Procuradoria Geral da República já questionou a constitucionalidade da lei, em trâmite no Supremo Tribunal Federal.

69 milhões de hectares, de acordo com as informações do próprio governo federal, que poderiam ser arrecadados e destinados para finalidades de interesse público (Reforma agrária, conservação ambiental, etc.), foram oferecidos em bandeja para especuladores de terras e grandes interesses corporativos, especialmente na Amazônia. Entre tais interesses, é claro, os estrangeiros. Anunciou-se solenemente o Programa Terra Legal e instituiu, por assim dizer, o maior programa de transferência de bens públicos para grandes interesses particulares, nada visto na história deste país desde a famosa Lei Vergueiro, conhecida também como a Lei de terras, de 1850.

Lá, naquele contexto, criou-se todo o aparato com o aval do governo para regularizar os latifúndios e ainda os "Sem-terras", os futuros "ex-escravos". Hoje, no contexto contemporâneo, a legalização da "grilagem", principalmente na Amazônia, criou-se com o mesmo aval do governo, toda a estrutura para a futura aprovação do novo Código Florestal, com anistia ao crime ambiental, principalmente de grandes especuladores e agentes do agronegócio e ainda, a manutenção da arcaica e viciada estrutura do latifúndio, cujos "proprietários", quase sempre aparecem ligados à tanta violência e morte como as anunciadas ultimamente no Pará e em Rondônia.
É lógico que não há nenhum interesse estratégico do Estado em relação ás terras e investimentos estrangeiros, como já não houve até hoje. Assim como também não haverá nenhum controle, sequer limites. O Estado, convenientemente não se estrutura para isso.

Por isso que o chamado "aval do governo" é mais uma configuração do "nariz de Pinóquio", enquanto política pública de Estado para a questão fundiária. É a conhecida retórica de uma falácia, seguidamente reeditada.
Quando tudo se tornou "legítimo" limite nenhum se faz mais necessário.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Nariz de Pinóquio" governamental sobre a política fundiária - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV