Visão parcial sobre a Amazônia

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Um bomba social por trás do Auxílio Brasil

    LER MAIS
  • O evangelismo empreendedor: o entrepreneurship na ação política das organizações não-governamentais transnacionais da nova direita

    LER MAIS
  • Pedro Casaldáliga no caminho dos Padres da Igreja da América Latina. Artigo de Juan José Tamayo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Junho 2011

"Afirmar a ausência do Estado, é uma vísão minimalista, pelo fato de que o projeto de expansão agrícola da Amazônia, foi muito bem `planejado`", escreve Afonso Chagas, mestrando do PPG em Direito da Unisinos, em comentário que nos foi enviado e que publicamos a seguir.

Eis o comentário.

Em pelo menos três das reportagens ou do título dado a elas (Mortes têm origem na ausência do Estado durante a expansão da Amazônia; Assassinato expõem corrida pela Amazônia e Temos de repensar a estratégia de avançar sobre a Amazônia), duas delas ligadas à Imprensa paulista, demonstra ainda, por parte de jornalistas e editores, uma visão parcial e descontinuada sobre a Amazônia.

Afirmar a ausência do Estado, é uma vísão minimalista, pelo fato de que o projeto de expansão agrícola da Amazônia, foi muito bem "planejado", tanto é que hoje, se tomarmos os estados da Amazônia legal, nunca o agronegócio encontrou tanto trânsito livre, principalmente o governamental, para se instituir e agir, não só em relação à "impunidade consentida", mas sobretudo em polposos financiamentos governamentais. A presença de "enclaves" internacionais (Cargill, Monsanto, Bunge, Tractbel) e outros, não ocorreu sem um maciço implemento estatal, via BNDES.

Segundo, a dita "corrida pela Amazônia", se efetivou e efetiva ainda hoje sobre outros moldes (os grandes projetos do PAC, sobre infra-estrutura) configuram que esta "corrida" não existe mais, ela já se concretizou em "chegada".

O que se disputa na Amazônia não é mais estratégia de consolidação, mas modelo de inserção à economia de mercado (estrangeiros, inclusive chineses, já há um bom tempo estão alojados na Amazônia), logo, não há ausência, mas favorecimento de governo em todas as suas instituições.

E terceiro, a hipocrisia de um governo (executivo) de fazer algo "simbólico" mediante o clamor midiático e social por vias transversais. Estes assassinatos do mês de maio, é a última reedição de uma obra antiga na Amazônia.

A Amazônia em todos os seus Estados, tem os mesmos aparelhos estatais de qualquer outro Estado da federação, legislativo, policial, judiciário e em todos, perpassa ainda esta perspectiva patrimonialista, patriarcal e podemos dizer "sulista" de encarar a terra, a natureza, os povos da terra e os movimentos sociais que ainda resistem.

Qualquer "força-tarefa" ou esforço de rever estratégia de colonização ou "corrida para a Amazônia" deve, a meu ver, ser precedido deste contexto, visão e talvez "mea-culpa".

Sojicultoures, grandes pecuaristas e mandantes de muitas mortes, se criaram à partir desta região e visão "centro-sulista" da Amazônia.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Visão parcial sobre a Amazônia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV