EUA: bispo remove padre que disse que católicos não podiam votar no Partido Democrata

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • A “revolução litúrgica” de Francisco põe fim às missas tradicionalistas e restaura a reforma conciliar “em toda a Igreja do Rito Romano”

    LER MAIS
  • O crepúsculo do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Nicarágua. As Irmãs de Madre Teresa de Calcutá acusadas pelo governo Ortega de “não respeitar as leis contra o terrorismo e a proliferação de armas de destruição em massa” (sic)

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Julho 2021

 

O bispo William Callahan, de LaCrosse, Wisconsin, nos Estados Unidos, removeu o polêmico Pe. James Altman como pároco da Igreja de São Tiago Menor, restringiu seu ministério público e o instruiu a fazer um retiro de 30 dias por causa de suas ações e declarações divisivas nos últimos meses. Altman repetiu uma promessa anterior de recorrer a Roma.

A reportagem é de Michael Sean Winters, publicada em The Tablet, 14-07-2021. A tradução é de Anne Ledur Machado.

Altman alcançou notoriedade pela primeira vez no ano passado, quando um vídeo de um de seus sermões, no qual ele pregava que nenhum católico podia ser democrata, viralizou. Diz-se que Callahan começou uma série de discussões privadas com Altman, mas o padre pareceu desfrutar da sua recém-descoberta notoriedade e deu uma série de declarações ainda mais provocativas.

Altman violou abertamente os protocolos de saúde pública durante a pandemia da Covid-19 e levantou dúvidas morais sobre as vacinas, porque a pesquisa que as produziu supostamente teria utilizado linhas de células-tronco derivadas de um feto abortado. Ele chamou os liberais de “nazifascistas de esquerda” e frequentemente atacava o ministério pastoral do Pe. James Martin SJ junto à comunidade gay.

O padre recebeu apoio de grupos de extrema direita, como o Church Militant e o LifeSiteNews. Em uma entrevista a este último site, Altman chamou a ação do bispo Callahan de “má”, acrescentando: “É diabólico eu não poder celebrar o Santo Sacrifício da Missa publicamente”.

O bispo Joseph Strickland, de Tyler, Texas, anteriormente expressou apoio ao padre, tuitando: “O Pe. James Altman está em apuros por falar a verdade. Ele inspira muitos a manterem a fé durante estes dias sombrios. Rezemos por ele”. Strickland também questionou a moralidade das vacinas contra a Covid, porque a pesquisa para criá-las teria se baseado em células-tronco derivadas de um feto abortado, apesar da garantia da Conferência dos Bispos dos Estados Unidos e do Vaticano de que é perfeitamente moral tomar a vacina.

O ex-núncio arcebispo Carlo Maria Viganò também manifestou apoio a Altman. O Pe. Altman arrecadou 640.000 dólares [3,3 milhões de reais] nos dias imediatamente posteriores à sua suspensão, por meio de duas páginas de crowdfunding na internet, a LifeFunder e a GiveSendGo.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

EUA: bispo remove padre que disse que católicos não podiam votar no Partido Democrata - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV