Segurança alimentar global: adaptação às mudanças climáticas requer novos cultivares

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • A geração Z é a geração ‘do Fim do Mundo’. Entrevista com Carlos Tutivén Román

    LER MAIS
  • Celibato dos padres no centro do Sínodo. O caso dos abusos impulsiona as reformas

    LER MAIS
  • “A Renda Básica não é em si uma proposta antitrabalho”. Entrevista com Alberto Tena

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Mai 2021


As reduções de rendimento induzidas pelas mudanças climáticas podem ser compensadas pela adaptação de cultivares e a produção global pode até ser aumentada.

A reportagem é publicada por Ludwig-Maximilians-Universität München e reproduzida por EcoDebate, 19-05-2021. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

A agricultura global é um dos principais motores das mudanças climáticas e é fortemente afetada por ela. O aumento das temperaturas está entre as principais razões para as reduções de rendimento. Portanto, o setor agrícola se depara com o grande desafio de se adaptar às mudanças climáticas para garantir a segurança alimentar no futuro.

De acordo com um novo estudo realizado por pesquisadores internacionais, o uso de cultivares adaptadas localmente pode contribuir significativamente para atingir esse objetivo. O estudo foi liderado pelo geógrafo da LMU, Dr. Florian Zabel.

Para quatro cenários climáticos diferentes, ele e seus colegas simularam os impactos das mudanças climáticas na produção global de milho, arroz, soja e trigo e investigaram como os cultivares adaptados localmente afetariam os rendimentos das colheitas. Assim, os cenários representam diferentes trajetórias socioeconômicas que resultam em aumentos de temperatura entre 1,4 e 3,9°C na média global.

“Nossos resultados mostram que, pelo menos sob aquecimento moderado, poderíamos geralmente nos adaptar bem às mudanças climáticas e até mesmo aumentar a produtividade global em quase 20% até o final do século. Assim, o aumento do CO2 atmosférico atribui em parte ao aumento da produtividade de algumas culturas, devido aos efeitos positivos na eficiência da fotossíntese. ” diz Zabel.

 

O forte aquecimento ameaça adaptação

Se o aquecimento global pode ser restrito a menos de 1,5 ° C, conforme especificado nos Acordos de Paris, as simulações sugerem que 85% da área agrícola global pode ser cultivada de forma otimizada com cultivares já disponíveis.

Quanto mais forte o aquecimento, mais novas cultivares serão necessárias e maior o risco de que as cultivares adaptadas localmente necessárias que podem lidar com as condições locais alteradas não estejam disponíveis.

“Na pior das hipóteses, quase 40% das terras agrícolas globais podem exigir novos cultivares, dos quais alguns precisam ter características que atualmente não existem”, diz Zabel. Desse modo, um ponto crítico é que isso afeta até mesmo regiões de produção globalmente importantes, como o Cinturão do Milho (Corn Belt) da América do Norte, a região mais importante do mundo para a produção de milho.

“Além disso, existem algumas regiões onde a adaptação de cultivares não será possível, por exemplo, devido a uma mudança na precipitação futura e possíveis secas”, diz Zabel. As simulações consideram os efeitos locais e regionais das mudanças climáticas e, portanto, permitem identificar regiões onde os cultivares adaptados localmente podem ser particularmente benéficos para a produtividade. Isso inclui grandes áreas da Europa, China e Rússia. No entanto, em outras partes do mundo – incluindo Turquia, Nordeste do Brasil, Texas, Quênia e partes da Índia – está previsto que os cultivares adaptados tenham pouco ou nenhum efeito na produtividade, devido à redução da água disponível para as plantações.

Métodos de criação inovadores e mais eficientes oferecem uma solução possível. “As abordagens convencionais de melhoramento geralmente levam anos”, Zabel ressalta. “Novos métodos, como o CRISPR-Cas, podem ajudar a desenvolver os cultivares necessários que são especificamente adaptados às condições locais de forma mais rápida e direcionada”, acrescenta Zabel.

O estudo foi publicado na revista Global Change Biology. Além dos autores baseados na LMU, pesquisadores do Instituto Potsdam para Pesquisa de Impacto Climático, da Universidade Técnica de Munique (TUM), do Instituto de Tecnologia de Karlsruhe, da Universidade de Columbia na cidade de Nova York (EUA), da Universidade de Chicago (EUA), a Université de Liège (Bélgica), o Instituto Internacional de Análise de Sistemas Aplicados (Áustria), a China Agricultural University em Pequim, a Universidade de Birmingham (Reino Unido) e a Lund University (Suécia).

Referência:

Zabel, F., Müller, C., Elliott, J., Minoli, S., Jägermeyr, J., Schneider, J.M., Franke, J.A., Moyer, E., Dury, M., Francois, L., Folberth, C., Liu, W., Pugh, T.A., Olin, S., Rabin, S.S., Mauser, W., Hank, T., Ruane, A.C. and Asseng, S. (2021), Large potential for crop production adaptation depends on available future varieties. Glob Change Biol. Disponível aqui.


Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Segurança alimentar global: adaptação às mudanças climáticas requer novos cultivares - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV