Um padre italiano negou-se a abençoar os Ramos em protesto pela proibição da bênção às uniões homossexuais

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Encantar a política: Uma proposta de cristãs e cristãos católicos para o povo brasileiro. Artigo de Toninho Kalunga

    LER MAIS
  • Cristo e a paz. Artigo de Dietrich Bonhoeffer

    LER MAIS
  • Ucrânia, Terceira Guerra Mundial e o guia do Papa Francisco para a Igreja. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Março 2021

Giulio Mignani somou-se aos que consideram a proibição das bênçãos a casais homossexuais “um absurdo”.

A reportagem é publicada por Religión Digital, 29-03-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

O pároco da pequena cidade de Bonassola, na Ligúria (noroeste da Itália), Giulio Mignani, não quis abençoar as palmeiras e os ramos de oliveira na missa deste domingo como forma de protesto após o recente documento do Vaticano que proíbe a bênção das uniões homossexuais.

O padre, já conhecido por alguns gestos que suscitaram polêmica, explicou no seu sermão o seu protesto perante uma Igreja que, disse, “já benzeu armas, e hoje, como pode proibir a bênção de um casal que se ama apenas porque é homossexual?”, informou a imprensa italiana.

Em 2017, o padre manifestou-se a favor das uniões entre homossexuais, e por isso alguns setores chegaram a pedir a sua destituição do sacerdócio. Neste domingo, segundo a imprensa italiana, padre Giulio explicou que a bênção das palmeiras está “ligada à procissão em memória da entrada triunfal de Jesus em Jerusalém” e, por não poder fazer esta procissão devido às regras anti-covid, não fazia sentido abençoar as palmeiras.

E acrescentou que ficou muito feliz com sua decisão de não abençoar as palmeiras e oliveiras porque veio poucos dias depois da publicação do documento da Congregação para a Doutrina da Fé em que era considerado ilegal abençoar uniões homossexuais.

O padre confirmou que, portanto, não abençoar os ramos de oliveira era uma forma de protesto contra o que considerava uma “proibição absurda” e, mais grave ainda, “o fato de o seu amor ainda se chamar pecado”, como está escrito no Documento do Vaticano, aprovado pelo Papa Francisco.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Um padre italiano negou-se a abençoar os Ramos em protesto pela proibição da bênção às uniões homossexuais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV