O presidente dos bispos austríacos e os casais homossexuais: “É difícil acreditar que a Igreja não permita nenhum acompanhamento ritual”

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • “O populismo autoritário se apropria da linguagem da soberania popular”. Entrevista com Pierre Dardot

    LER MAIS
  • No feijão, retrato do libera-geral de venenos

    LER MAIS
  • Pastor pede escusas por ter discriminado homossexuais

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Março 2021

 

“Se valores como o amor, a amizade, o cuidado ou a responsabilidade são vividos nas relações homossexuais, isso merece respeito e uma resposta positiva de parte da Igreja. É difícil acreditar que a Igreja não permita nenhum acompanhamento ritual”.

Este é um dos principais trechos da declaração emitida ontem pelo presidente da Conferência Episcopal austríaca, Dom Franz Lackner, após o responsum de 15 de março pela Congregação para a Doutrina da Fé que encerrava a possibilidade de casais homossexuais receberem uma bênção da Igreja. A posição assumida pelo antigo Santo Ofício tem causado polêmica especialmente no mundo alemão. O Caminho Sinodal da Igreja da Alemanha, por exemplo, há muito pede passos à frente nesse tema.

A reportagem é de Paolo Rodari, publicada por Repubblica, 28-03-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

Lackner falou depois que, nos últimos dias, também o cardeal arcebispo de Viena Christoph Schönborn disse não estar satisfeito com a declaração da Doutrina da Fé. Por um simples motivo: “A mensagem que passou pela mídia em todo o mundo foi apenas um 'não'. Um 'não' à bênção; e isso é algo que fere profundamente muitas pessoas, como se percebessem e dissessem: Mãe, você não tem nenhuma bênção para mim? Eu também sou seu filho”.

Durante anos, disse Lackner, “tem havido uma discussão acalorada para entender se e como a Igreja Católica deva abençoar as uniões de pessoas do mesmo sexo. A Comissão Teológica da Conferência Episcopal Austríaca também está discutindo intensamente o tema e de forma controversa. Durante minha última visita a Roma, falei sobre os desejos e as necessidades dos casais do mesmo sexo. O princípio fundamental da minha luta teológica foi e é: a Igreja deve encontrar as pessoas de hoje tanto quanto possível”.

Para Lackner, deve ser permitido a uma comunidade religiosa "ver uma forma de convivência entre duas pessoas como um ideal". E ainda: “Para a Igreja Católica este é o matrimônio entre homem e mulher, lugar onde se dá a transmissão da vida. Nas uniões do mesmo sexo, algumas, mas não todas as dimensões do casamento podem ser vividas. Sempre foi importante para mim deixar bem claro essa diferença”.

O chefe dos bispos austríacos explicou então que o pronunciamento do antigo Santo Ofício "não era previsível para mim neste momento". Disse que compartilha e apoia a preocupação fundamental da Congregação, que é "proteger o que há de especial no matrimônio sacramental entre um homem e uma mulher". Junto, porém, pediu a "todos os agentes pastorais que falem aos casais atingidos pela decepção que esta decisão lhes causou". Como Igreja, ele continuou "não devemos deixar os casais homossexuais sozinhos agora".

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O presidente dos bispos austríacos e os casais homossexuais: “É difícil acreditar que a Igreja não permita nenhum acompanhamento ritual” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV