Papa pede “revolução copernicana” para a economia pós-Covid-19

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Por um humanismo bioecocêntrico e libertador. Artigo de Santiago Villamayor, José Arregi et alii

    LER MAIS
  • O Papa Francisco precisa operar a perna direita, mas responde: não quero. Ele teme os efeitos da anestesia, que no caso da colectomia foi uma experiência ruim

    LER MAIS
  • É preciso mudar o olhar sobre a globalização. Duas economistas em Davos confirmam que os ventos mudaram

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Fevereiro 2021

No dia 8 de fevereiro, o Papa Francisco exortou os governos globais a saírem da pandemia do coronavírus com um foco na criação de uma economia de mercado mais justa, enfrentando os perigos cada vez mais crescentes das mudanças climáticas e fornecendo cuidados básicos de saúde a seus cidadãos.

A reportagem é de Joshua J. McElwee, publicada em National Catholic Reporter, 08-02-2021. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Em um discurso anual de política externa aos 183 embaixadores credenciados junto à Santa Sé, o pontífice disse que a pandemia lançou uma luz sobre cinco crises interligadas que o mundo enfrenta e “nos colocou diante de uma alternativa: continuar na estrada que percorremos até agora ou tomar um novo caminho”.

Entre os elementos que Francisco disse que marcarão esse novo caminho:

- “Acesso universal aos cuidados básicos de saúde”,

- “Distribuição equitativa” das vacinas contra o coronavírus,

- Um “acordo efetivo” na próxima Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, que será realizada em Glasgow em novembro, para reduzir as emissões de gases do efeito estufa,

- Uma reavaliação da “relação entre a pessoa e a economia”.

Sobre o último ponto, o papa comparou a necessidade de mudanças no sistema de mercado global à percepção do século XVII de que a Terra girava em torno do sol, dizendo que é hora de “uma espécie de ‘nova revolução copernicana’ que recoloque a economia a serviço do ser humano, e não vice-versa”.

Em entrevistas nos últimos meses, Francisco frequentemente convocou os líderes mundiais a usarem a pandemia do coronavírus como uma forma de enfrentar as persistentes desigualdades econômicas e sociais. Seu discurso do dia 8 de fevereiro, que durou cerca de 55 minutos, abordou isso e uma ampla gama de outros temas.

O discurso foi realizado em um salão no Vaticano maior do que o de costume, para permitir o distanciamento entre os cerca de 80 embaixadores que compareceram. Francisco, que foi vacinado contra o coronavírus, não usava máscara, mas em geral manteve distância dos demais presentes.

O papa disse que o mundo enfrenta crises em cinco áreas: na saúde, no ambiente, nas questões econômicas e sociais, na política e nas relações humanas.

Francisco disse que a crise na política é “muito mais profunda” do que as outras crises, e disse que ela resultou no “crescimento das contraposições políticas e na dificuldade, senão até na incapacidade, de buscar soluções comuns e compartilhadas para os problemas que afligem o nosso planeta”.

“É uma tendência à qual já se assiste há muito tempo e que se difunde cada vez mais também em países de antiga tradição democrática”, disse.

Naquela que pareceu uma possível referência velada aos Estados Unidos, o pontífice acrescentou: “O desenvolvimento de uma consciência democrática exige que se superem os personalismos e que prevaleça o respeito pelo estado de direito”.

O papa abordou diretamente o recente golpe militar em Mianmar, país que ele visitou em 2017, conclamando os líderes políticos presos do país a serem “prontamente libertados”.

Entre outras áreas de preocupação, Francisco mencionou conflitos na República Centro-Africana, na Líbia, entre israelenses e palestinos, e a recente instabilidade política no Líbano, provocada pela devastadora explosão no porto de Beirute em agosto de 2020.

O papa também fez referência especial à guerra civil em curso na Síria, que matou centenas de milhares de pessoas e transformou milhões delas em refugiados. “Como eu gostaria que 2021 fosse o ano em finalmente se escrevesse a palavra ‘fim’ no conflito sírio, que começou há já 10 anos!”, disse Francisco.

O papa deveria ter falado ao corpo diplomático no dia 25 de janeiro, mas teve que adiar o evento devido a um surto de dor ciática, uma condição nervosa que pode causar fortes dores na parte inferior das costas.

Francisco não parecia em nada pior no dia 8 de fevereiro, capaz de se manter de pé durante todo o seu longo discurso. Ele também ficou de pé por quase uma hora mais, cumprimentando cada um dos embaixadores presentes, um por um.

O papa não apertou a mão de cada diplomata individualmente, mas falou com cada um deles a alguns metros de distância. Cerca da metade deles removeu suas máscaras ao saudar o papa.

 

Notas do IHU:

  • A íntegra do discurso do Papa Francisco proferido no encontro com o Corpo Diplomático, no dia 08-02-2021, pode ser lido, em português, aqui.
  • O título original da nota acima foi modificado, sob a inspiração da informação divulgada pela Associated Press - AP.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa pede “revolução copernicana” para a economia pós-Covid-19 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV