Igreja na Polônia enfrenta onda de deserções

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Por um humanismo bioecocêntrico e libertador. Artigo de Santiago Villamayor, José Arregi et alii

    LER MAIS
  • O Papa Francisco precisa operar a perna direita, mas responde: não quero. Ele teme os efeitos da anestesia, que no caso da colectomia foi uma experiência ruim

    LER MAIS
  • É preciso mudar o olhar sobre a globalização. Duas economistas em Davos confirmam que os ventos mudaram

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Janeiro 2021

Embora a Polônia ainda seja um país predominantemente católico, os escândalos de abuso sexual da Igreja e seu apoio a uma nova lei antiaborto estão levando alguns a abandonarem oficialmente o catolicismo.

A reportagem é de Magda Viatteau, publicada em La Croix International, 18-01-2021. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Ela se chama “Contador de Apostasias”: trata-se de uma tabulação contínua do número de pessoas na Polônia que optaram por renunciar publicamente à sua fé católica.

O “censo” em andamento foi lançado na internet no início de dezembro, e no Natal mil pessoas haviam rompido com a Igreja. O número agora subiu para mais de 1.500.

Embora alguns casos datem do início dos anos 2000, a maioria deles é de 2020, e alguns, deste ano.

Um grande setor da sociedade polonesa tem se irritado com os escândalos de pedofilia aparentemente intermináveis na Igreja Católica e, mais recentemente, com a reação apaixonada dos bispos à proibição quase total do aborto no país em outubro passado.

De acordo com dados do instituto CBOS, o percentual de poloneses com opinião favorável sobre a Igreja caiu de 57% para 41% desde março de 2020.

Um total de 47% dos entrevistados disseram desaprovar as ações da Igreja. Isso é algo que não se via desde 1993.

“Na Polônia, a Igreja Católica decide sobre tudo, da procriação à possibilidade de trabalhar aos domingos”, disse Anna Dziewit-Meller, escritora e jornalista.

“Eu não quero mais cruzes penduradas em todos os lugares públicos, padres que entram nas salas das clínicas obstétricas sem bater etc.”, disse ela. “Sou a favor do acesso gratuito ao aborto.”

Dar o passo

Dziewit-Meller anunciou no Instagram no fim de outubro que abandonaria formalmente a Igreja e encerraria sua colaboração com a Tygodnik Powszechny, uma revista católica que representa a “ala liberal” da Igreja polonesa.

“Eu senti que, para permanecer fiel a mim mesma, tinha que dar o passo”, confessou.

“Na Polônia, a religião se vendeu à política”, acrescentou a jovem. Ela lamentou o fato de os bispos da Polônia serem próximos ao partido conservador no governo.

Centenas de poloneses como ela decidiram expressar sua raiva e romper oficialmente com a Igreja institucional. Cerca de 92% dos poloneses ainda se identificam como católicos de uma forma ou de outra.

Mas dezenas de grupos privados e públicos que defendem o abandono da Igreja surgiram nas redes sociais e agora contam com milhares de membros.

Muitos sites explicam como sair formalmente. Eles oferecem modelos para a “declaração” que deve ser apresentada ao pároco.

“Fomos contatados pelo fundador de um site. Em um mês, o modelo daquele site foi baixado por 25.000 pessoas”, disse a jornalista e ativista Agata Diduszko-Zyglewska, que passou vários anos denunciando o abuso sexual de padres.

Ela se juntou a Robert Biedroń e a Joanna Scheuring-Wielgus – membros da coalizão política de esquerda – para lançar o “Contador de Apostasias” antes do Natal.

“A ideia era registrar todas essas pessoas, para que elas não se sintam sozinhas”, disse. “Não podemos confiar na Igreja para comunicar isso”, insistiu a jornalista.

Fenômeno relativamente marginal

De fato, a Igreja Católica na Polônia não possui dados completos. Entre 2006-2009, houve 1.057 apostasias na Polônia. Houve outras 459 em 2010.

Posteriormente, o Instituto de Estatística da Igreja Católica (ISKK) considerou isso “um fenômeno relativamente marginal” e não realizou pesquisas sobre o assunto. Mas planeja começar este ano.

“Ouvimos falar muito sobre apostasia, de muitas fontes”, reconhece o diretor do ISKK, Pe. Wojciech Sadłoń.

Mas ele está confiante de que o novo movimento de apostasia não terá um impacto significativo nas estatísticas. Pelo menos não no futuro imediato.

“Em 30 anos, a proporção de pessoas que se declaram ateias na Polônia passou de 1,3% para 3%”, observou.

O movimento atual faz parte da tendência de mudanças nas práticas religiosas, que a Polônia tem testemunhado nos últimos 30 anos. Por exemplo, a frequência nas missas dominicais diminuiu de 50% em 1980 para 36% hoje.

Perfil do apóstata polonês: jovem e urbano

As pessoas que estão saindo hoje, na maioria dos casos, não estavam envolvidas na vida da Igreja há muito tempo”, disse o Pe. Sadłoń.

“Essa é uma manifestação da sua atitude negativa em relação à presença da Igreja na esfera pública, que é ainda mais forte porque, ao contrário da Alemanha, não lhes traz nenhum benefício prático”, argumentou.

Qual é o perfil típico de um apóstata polonês? A maioria deles são jovens de cidades grandes e médias. No entanto, os criadores do “Contador de Apostasias” apontam que outras categorias também estão bem representadas.

“A Igreja baseia seu direito de regular a vida dos poloneses no fato de que a sociedade é predominantemente católica. Mas isso é uma fantasia”, disse Diduszko-Zyglewska.

“A maioria deles não é praticante, e o seu batismo foi apenas automático.”

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Igreja na Polônia enfrenta onda de deserções - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV