Papa Francisco, o cardeal africano Sarah e os bastidores sensacionais da França: “Como remam contra ele”

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • “É preciso transformar uma economia que mata em uma economia da vida”. Discurso do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Papa Francisco e a guerra russa contra a Ucrânia: os caminhos políticos, diplomáticos e eclesiais da Santa Sé. Entrevista com Marco Politi

    LER MAIS
  • O Brasil rumo às eleições

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Janeiro 2020

Ao lado do Papa Francisco, existe quem trabalhe na linha de cintura para tirar-lhe o cargo. Chama-se Robert Sarah, o cardeal africano que em Roma trabalha para Bergoglio, à frente da Congregação para o culto divino e a disciplina dos sacramentos, mas que na França está entre os principais opositores das suas ideias. O prelado da Guiné de 79 anos - relata Il Fatto Quotidiano - já se imagina como o primeiro "papa negro" e, tirando vantagem de suas origens africanas, muitas vezes concede entrevistas contra o acolhimento de migrantes, uma manobra para contestar frontalmente a mensagem do Papa sem poder ser acusado de racismo. Sarah, entre os muitos ofícios, também inclui a publicação de vários livros. Textos financiados todos pela extrema direita anti-Francisco, aquela parcela do povo que deseja a queda e a demissão do Santo Padre.

A reportagem é publicada por Libero, 08-06-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

Reprodução da capa do livro 
Le Soir approche et déjà le jour baisse

Le Soir approche et déjà le jour baisse (A noite se aproxima e o dia está terminando, em tradução livre) é o título da série, composta por três publicações, que atraiu a atenção da direita católica e islamófoba. Não só, esses três livros foram realizados com a ajuda da editora Fayard e escritos a quatro mãos com Nicolas Diat, figura controversa do catolicismo francês. Diat, ex-conselheiro de Laurent Wauquiez (Les Républicains de Sarkozy), é o jornalista que mais frequentemente tomou na mira o presidente Emmanuel Macron, e Philippe de Villiers, o político de extrema direita cortado pela mídia por plágio e imprecisões.

O cardeal africano desfruta de um apoio que não passa despercebido: dos assessores de imprensa Philippe de Villier e o próprio Diat, ambos ligados à Opus Dei ou ao movimento contra o casamento homoafetivo "La Manif pour tous", ao núncio do Vaticano em Paris, Luigi Ventura, ainda ligado aos grupos mais extremistas da Igreja Católica, como ainda a Opus Dei e os legionários de Cristo. Também são numerosos os jornalistas que escrevem resenhas favoráveis dos livros de Sarah, a maioria próximos de Marine Le Pen ou Marion Maréchal Le Pen. Em 2015, Sarah proferiu um discurso sobre a "besta do apocalipse" pronta para destruir a igreja. Ele estava se referindo à "ideologia de gênero", das uniões homossexuais e dos casais gays. A ameaça LGBT para o cardeal está no mesmo nível do terrorismo islâmico. Pena que na vida privada Sarah esteja cercado por vários homossexuais, o mais conhecido dos quais é Ventura.

Embora Sarah e Diat digam que os livros publicados pela Fayat tenham sucesso, é difícil acreditar que sejam "best-sellers surpresa com 250.000 cópias". Difícil até certo ponto. De acordo com três fontes diferentes próximas ao dossiê, mais de 100.000 cópias foram compradas por atacado por mecenas e fundações para distribuí-las gratuitamente na África. Uma bela vantagem também para o cardeal Sarah, que tem direito à sua porcentagem sobre o preço de capa. Fontes diplomáticas dizem que esses volumes são efetivamente distribuídos na África, em países como o Benin. Sarah também tem relações com outras organizações ultraconservadoras que teriam adquirido os livros. Do Dignitatis Humanæ Institute ligado a Steve Bannon, ao Fundo Becket para a Liberdade Religiosa, passando pelos Cavaleiros de Colombo e pela National Catholic Prayer Breakfast. Na Europa, no entanto, são firmes as relações com a associação de Marguerite Peeters, uma militante extremista belga, antigay e antifeminista. "Em 2015, compramos de Fayard 10.000 livros de Sarah em francês para distribuí-los na África, o continente de origem do cardeal", explica um porta-voz dos Cavaleiros de Colombo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco, o cardeal africano Sarah e os bastidores sensacionais da França: “Como remam contra ele” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV