A divergência de Martini com Wojtyla. Uma visão que favorece o Evangelho, não os "valores"

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Mudanças climáticas: uma oportunidade para a teologia se libertar do passado. Artigo de Bruno Latour

    LER MAIS
  • O extermínio na hora do almoço. Artigo de Corrado Augias

    LER MAIS
  • Pedofilia, relatório sobre a diocese de Ratzinger: 497 vítimas. O Papa Emérito é acusado de negligência em 4 casos. Santa Sé: “Vergonha”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Dezembro 2019

O fim do bloco soviético foi recebido com alegria, mas também como estímulo à renovação da Igreja pelo arcebispo de Milão, cardeal Carlo Maria Martini, presidente na época do Conselho das Conferências Episcopais da Europa, com sede em St. Gallen, na Suíça. Isso pode ser conferido nas manifestações inéditas encontradas no Arquivo Histórico Diocesano de Milão por Francesca Perugi, que está preparando uma tese de doutorado, com o professor Gian Luca Potestà, no Departamento de Ciências Religiosas da Universidade Católica, fundado meio século atrás.

A reportagem é de Antonio Carioti, publicada por Corriere della Sera, 30-11-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

"Em seus discursos no encontro com os bispos do Leste, realizado em Viena na primavera de 1990 - observa a estudiosa - Martini adverte contra o perigo de enfrentar uma nova fase propondo modelos do passado. Aqui emerge uma divergência com o papa João Paulo II, para quem a nova evangelização de que a Europa precisava, diante da disseminação do materialismo consumista, podia ser inspirada pelo exemplo das Igrejas do Leste, que haviam resistido com sucesso ao ateísmo comunista. Em vez disso, Martini está convencido de que a secularização ao estilo ocidental acontecerá até mesmo nos países do Leste libertados do jugo soviético. Portanto, na sua opinião, é necessário ‘evitar perseguir ideais impossíveis’, como o de um catolicismo hegemônico: cabe à Igreja a tarefa de encontrar meios adequados para anunciar a mensagem do Evangelho "em um mundo tecnicizado e complexo".

A questão retorna em uma nota inédita que Martini escreve à mão durante o Sínodo especial para a Europa reunido em Roma de 28 de novembro a 14 de dezembro de 1991: "A Europa – consta no texto - não é apenas uma história de valores a serem reconstruídos! É uma área providencial em que a primazia deve ser dada aos Evangelhos, não a valores. Apenas a partir da primazia do Evangelho, será possível dizer que também os valores poderão sendo arrumados!".

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A divergência de Martini com Wojtyla. Uma visão que favorece o Evangelho, não os "valores" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV