“Esse governo não está enganando ninguém”, denuncia Dom Roque Paloschi após assassinato de líder indígena

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • A OTAN força os limites da guerra nuclear. Artigo de Jeffrey Sachs

    LER MAIS
  • “Cristãos progressistas” são conservadores? – breve nota

    LER MAIS
  • Paróquia e Comunidade

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Julho 2019

O assassinato de um líder indígena do povo Wajãpi provocou a reação do Conselho Indigenista Missionário - Cimi, que em 28 de julho emitiu uma nota breve e contundente em que mostra “grande preocupação e pesar”, acusando o Presidente Bolsonaro e outros membros de seu governo de realizar "discursos de ódio e agressão", que de acordo com a nota "servem de combustível e estimulam a invasão, o esbulho territorial e ações violentas contra os povos indígenas em nosso país".

O episódio ocorreu no estado do Amapá, onde um grupo de mineiros, fortemente armados e acompanhados por cães pitbull, assassinaram o cacique Emyra Wajãpi, 68 anos, na aldeia Mariry, na última quarta-feira, um fato que foi conhecido neste último sábado. O cadáver do líder indígena, que voltava de visitar sua filha, foi encontrado no rio por sua esposa.

O Conselho Indigenista Missionário espera “medidas urgentes, estruturantes e isentas politicamente para identificar e punir, na forma da lei, os responsáveis pelo ataque”, além de combater a “invasão e esbulho possessório das terras indígenas no país”. Junto a isso, em uma denúncia que em muitos países causaria sérias consequências políticas, se exige ao presidente do país que "respeite a Constituição Brasileira e pare imediatamente de fazer discursos preconceituosos, racistas e atentatórios contra os povos originários e seus direitos em nosso país".

Nessa mesma linha, Dom Roque Paloschi, presidente do Cimi, afirmou que “esse governo não está enganando ninguém, a decisão mesmo é o extermínio dos povos originários, alimentando toda essa onda de violência com discursos de ódio, preconceito e, sobretudo, de desrespeito à própria Constituição”. O arcebispo de Porto Velho, afirmou com veemência que “os povos indígenas não pedem mais nada do que o respeito das leis”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Esse governo não está enganando ninguém”, denuncia Dom Roque Paloschi após assassinato de líder indígena - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV