Cristo vive nas telas

Mais Lidos

  • Católicos cínicos e a negatividade em relação ao Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Campanha da Fraternidade 2024: Fraternidade e Amizade Social. Artigo de José Geraldo de Sousa Junior e Ana Paula Daltoé Inglêz Barbalho

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

18 Dezembro 2018

"Um filme comovente e animador, em suma, por mostrar que, para além do realismo cru e um tanto sensacionalista de Matteo Garrone, do esteticismo afetado de Paolo Sorrentino e do sentimentalismo lacrimoso de Giuseppe Tornatore, ainda existe vitalidade e inteligência no cinema italiano. Um alento e um consolo num ano que viu morrerem os mestres Ermanno Olmi, Vittorio Taviani e Bernardo Bertolucci". 

O comentário é de José Geraldo Couto, crítico de cinema e tradutor, em artigo publicado por Instituto Moreira Sales – IMS, 14-12-2018.

Eis o artigo. 

Feliz como Lázaro (Lazzaro felice) é o que se poderia chamar de uma parábola cristã contemporânea. O filme de Alice Rohrwacher, que está em cartaz na Netflix sem ter passado pelo circuito exibidor, conta a história de um rapaz, o Lázaro do título (Adriano Tardiolo), e do povo de sua aldeia, que tem o sugestivo nome Inviolata e fica numa Itália profunda, perdida no tempo.

 

Tão perdida no tempo que ali se pratica ainda uma exploração de tipo feudal do trabalho camponês: todos se submetem cegamente à marquesa Alfonsina De Luna (Nicholetta Braschi), a “rainha do tabaco”. São analfabetos, tementes a Deus e à marquesa, não sabem que agora existem leis trabalhistas, salários, direitos.

Entre esses miseráveis está Lázaro, trabalhador dedicado, sempre disposto a ajudar os outros. Ele faz parte da linhagem dos puros de coração, cuja figura icônica é São Francisco de Assis, e que no cinema gerou criaturas memoráveis como o louco Johannes, de A palavra (Dreyer, 1955), e a Gelsomina de A estrada (Fellini, 1954). São personagens que iluminam, por contraste, as maldades do mundo.

Uma maneira fecunda de ver Lazzaro é situá-lo na longa tradição de diálogo crítico do cinema italiano com o cristianismo – não com o catolicismo institucional, do Vaticano, nem com a carolice das beatas, mas com valores mais essenciais e profundos de um certo “cristianismo de raiz”: a fraternidade, a compaixão, o amor ao próximo.

De Rossellini a Nanni Moretti, passando evidentemente pelos Taviani e por Pasolini, a melhor cinematografia italiana foi atravessada por essa interlocução, às vezes mais harmoniosa, outras vezes mais áspera.


Realismo e alegoria

Em sua primeira parte, Lazzaro felice, em sua descrição do dia a dia e das relações de poder na aldeia, aproxima-se do neorrealismo e de uma espécie de antropologia das relações humanas pré-capitalistas, à maneira de certos filmes de Ermanno Olmi.

Mas, a partir da improvável amizade que se estabelece entre Lázaro e Tancredi (Luca Chikovani), o filho entediado da marquesa, o filme se afasta do verismo e se aproxima da alegoria, ou melhor, da parábola, passando de Olmi a Pasolini, por assim dizer. Lembra, nesse aspecto, os fioretti medievais: relatos da vida e dos milagres de santos, em especial de São Francisco de Assis.

A queda brusca e literal de Lázaro, no meio da narrativa, leva a um salto no tempo e a uma mudança de patamar dramatúrgico e estético. Não vou estragar aqui o prazer das surpresas e descobertas. Só digo que, na passagem, entrechocam-se passado e presente, iluminando o que muda e o que permanece no desconcerto do mundo: o desemprego, a migração em massa, a moradia precária, a violência, o medo.

Um filme comovente e animador, em suma, por mostrar que, para além do realismo cru e um tanto sensacionalista de Matteo Garrone, do esteticismo afetado de Paolo Sorrentino e do sentimentalismo lacrimoso de Giuseppe Tornatore, ainda existe vitalidade e inteligência no cinema italiano. Um alento e um consolo num ano que viu morrerem os mestres Ermanno Olmi, Vittorio Taviani e Bernardo Bertolucci.

Em tempo: Lazzaro felice ganhou uma porção de prêmios em festivais internacionais, o principal deles o de melhor roteiro em Cannes. É uma pena que não seja exibido onde merece, as telas grandes das salas de cinema.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cristo vive nas telas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU