Nova política é ausência gritante nas convenções

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Para ser ouvida, a Igreja precisa mudar de método. Entrevista com Jean-Claude Hollerich, relator do próximo Sínodo

    LER MAIS
  • Impulso feminino no neofascismo cristão de Bolsonaro: quatro cenas recentes de início do ano eleitoral

    LER MAIS
  • A Europa e a guerra da Ucrânia. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Julho 2018

Atuação bem-sucedida para arejar práticas e pensamentos não ultrapassa o varejo.

O comentário é de Ana Estela de Sousa Pinto, jornalista, publicado por Folha de S. Paulo, 20-07-2018.

Eis o texto.

Na faculdade de direito da USP, dois professores —um de 59 anos, outro de 75— viam um grupo de alunos estender uma faixa divulgando a “Semana do Lesbianismo”.

“No meu tempo, fazíamos política”, disse o mais velho.

“Fazíamos política partidária”, respondeu o mais novo. “Mas eles também estão fazendo política. Outra política”, ponderou.

Há evidências crescentes, não apenas no Brasil, de que jovens que se interessam por política almejam influenciar o debate e até mesmo assumir cargos públicos, mas estão desistindo de fazer isso pelas vias partidárias. Cientista política, Ilona Szabó de Carvalho contou uma dessas histórias.

Fundadora de um movimento cujo objetivo é aproximar cidadãos da política e torná-la mais participativa, no final de 2017 discutiu seriamente a possibilidade de se candidatar nestas eleições.

Não foi adiante. Em duas colunas na Folha, relatou os motivos: os caciques partidários não abrem espaço para os novos; o sistema político funciona “como uma máquina de moer princípios, boas intenções e nervos”. Não é impressionismo. Até regras como as que obrigam que 30% das vagas, do dinheiro e do tempo de TV sejam para candidatas mulheres são ignoradas, quando não burladas com candidaturas fantasmas.

Como Ilona, toda uma nova geração de políticos —bem formada, crítica e talentosa— atua com sucesso para arejar práticas e pensamentos.

Mas, por mais bem-sucedida que seja, seu alcance não ultrapassa o varejo.

Na ordem institucional que vigora, é da política partidária que sai quem decide as normas pelas quais o país funciona e, principalmente, como é repartido mais de R$ 1 trilhão de dinheiro público. A partir desta sexta-feira (20), convenções vão escolher os candidatos a presidente do Brasil. Nelas, o silêncio dessa nova política será o aspecto mais gritante.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Nova política é ausência gritante nas convenções - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV