Príncipe Harry e Meghan Markle pedem ao Bispo Michael Curry para pregar em seu casamento

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • A vida de Xi Jinping e as escolhas da China

    LER MAIS
  • A favor da capacidade de ignorar

    LER MAIS
  • Sobre o amor. Artigo de Faustino Teixeira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Mai 2018

O bispo Michael Curry, que preside a Igreja Episcopal norte-americana, vai pregar no casamento do príncipe Henry de Gales – mais informalmente conhecido como príncipe Harry – e a atriz americana Meghan Markle, segundo anúncio de sábado no Palácio de Kensington. O príncipe Harry, neto da rainha Elizabeth e o sexto na linha do trono, vai se casar com Markle na capela de São Jorge, no Castelo de Windsor, no próximo sábado (19 de maio), numa cerimônia celebrada pelo deão de Windsor, David Conner e oficializado pelo Arcebispo de Canterbury, Justin Welby.

A reportagem é publicada por Anglican Communion News Service, 12-05-2018. A tradução é de Luísa Flores Somavilla

O convite do casal que ao bispo Michael Curry para celebrar a cerimônia é uma novidade para a tradição de casamentos reais britânicos. Embora em outros casamentos reais o clero de outras igrejas cristãs tenham participado das orações; o sermão fica geralmente a cargo do alto clero da Igreja da Inglaterra. A celebração será televisionada para todo o mundo, e o bispo que a preside, que se considera CEO da Igreja Episcopal – Chief Evangelism Officer – provavelmente vai aproveitar a oportunidade para falar sobre o que chama de Movimento de Jesus.

"O amor que vai unir o príncipe Harry e Meghan Markle tem sua fonte e origem em Deus e é a chave para a vida e a felicidade", disse o bispo Michael Curry. "E por isso celebramos e oramos por eles hoje".

O príncipe Harry nasceu em 15 de setembro de 1984 e foi batizado na capela de São Jorge, em Windsor, três meses depois. Ao completar seus estudos, ele passou um ano sabático na Austrália e na África do Sul antes de realizar o serviço militar. Ele serviu ao exército britânico no Afeganistão como oficial na Royal Horse Guards e First Dragoons of the Household Cavalry, na operação liderada pelos EUA para remover os talibãs do poder após os ataques terroristas de 11 de setembro em Nova York e Washington.

Sua atuação no Afeganistão chegou ao fim depois que uma revista australiana revelou sua presença, mas ele voltou ao país alguns anos mais tarde, em uma implantação com as Forças Aéreas. Em 2014, ele lançou o Invictus Games, jogos para os membros feridos da antiga equipe, e é patrono de várias organizações, como a HALO Trust, que trabalha para remover minas de Qasr el Yahud – na margem oeste do rio Jordão, local tradicional do batismo de Jesus.

Meghan Markle nasceu em 4 de agosto de 1981, em Los Angeles, na Califórnia. Seus pais, Doria Ragland e Thomas Markle, se divorciaram quando ela tinha seis anos. Em sua carreira de atriz, ela apareceu em uma série de papéis, como nos filmes O Pior Trabalho do Mundo, Lembranças e Quero Matar Meu Chefe, mas é mais conhecida por sua interpretação da personagem Rachel Zane na série americana Suits. Sua personagem, uma técnica judiciária que estudou advocacia, era o caso amoroso de Mike Ross, um advogado impostor. Markle casou com Trevor Engelson em 2011, mas o casal se divorciou em 2013, bem antes de ela conhecer o príncipe Harry.

O casal encontrou o arcebispo Justin Welby em várias ocasiões durante os preparativos para o casamento; e Markle pediu que ele a batizasse. Relatou-se amplamente que seu batismo e confirmação foram feitos pelo arcebispo no Palácio de St. James, em Londres, em março.

“Foi muito especial”, contou ele ao ITV News. "Foi lindo, sincero e muito emocionante. Foi um grande privilégio... A essência é duas pessoas que se apaixonaram e estão comprometendo-se um com o outro pelo resto da vida com as palavras mais belas e pensamentos mais profundos, na presença de Deus".

Outros casamentos reais contaram com a presença de vários pregadores. Quando a rainha Elizabeth se casou com o príncipe Philip, na Abadia de Westminster, em novembro de 1947, a missa foi celebrada pelo deão de Westminster, Alan Don, e o casamento foi oficializado pelo arcebispo de Canterbury, Geoffrey Fisher. O sermão foi realizado pelo arcebispo de York, Cyril Garbett.

A mãe e o pai do príncipe Harry, príncipe Charles e princesa Diana Spencer, decidiram inovar e casar na Catedral de São Paulo, em Londres, em 1981. O arcebispo de Canterbury Robert Runcie celebrou o casamento e fez a pregação. Em 2005, após a morte de Diana, o príncipe Charles se casou pela segunda vez, com a hoje duquesa de Cornwall, Camilla, em uma cerimônia civil em Windsor Guildhall. Logo após, a missa de dedicação foi celebrada na capela de São Jorge, em Windsor, pelo arcebispo Rowan Williams, e não houve sermão.

O irmão mais velho do príncipe Harry, príncipe William, casou-se com Catherine na Abadia de Westminster, em 2011. O deão de Westminster, John Hall, presidiu a cerimônia, e o arcebispo de Canterbury, Rowan Williams, realizou o casamento. O bispo de Londres, Reverendíssimo Deão Richard Chartres, conduziu o sermão.

A Capela de São Jorge no Castelo de Windsor localiza-se na área da diocese de Oxford, da Igreja Anglicana, mas fora da jurisdição do bispo diocesano. É uma das poucas igrejas anglicanas conhecida como Royal Peculiars – ou seja, está sob o controle direto do monarca, e não do arcebispo ou do bispo diocesano. Entre os Royal Peculiars estão a Abadia de Westminster, as cinco capelas que fazem parte das capelas reais britânicas (Chapels Royal) e a capela de St Mary Undercroft, nas Casas do Parlamento inglês.

A Igreja Episcopal dos EUA é a mais antiga província anglicana independente fora das Ilhas Britânicas. Quando os europeus colonizaram o território que hoje é chamado Estados Unidos da América, eles levaram membros do clero das igrejas europeias, como a Igreja da Inglaterra, também denominada Igreja Anglicana. A autoridade do clero da Igreja da Inglaterra e das igrejas dos EUA era o bispo de Londres; e, apesar de pedidos da Igreja da Inglaterra nos EUA e do próprio bispo de Londres, nenhum bispo sufragâneo foi escolhido para residir e atuar na igreja da região.

Após a Guerra de Independência dos Estados Unidos, a Igreja Anglicana dos EUA deixou de ser parte da Igreja da Inglaterra – justamente pelas dificuldades políticas de uma igreja ligada a uma nação tentando servir à população de outra nação que acaba de conquistar sua independência. Agora organizada em nível local, os anglicanos dos EUA adotaram os nomes Episcopal e Episcopaliano, porque até mesmo o nome "Anglicano" indica a origem inglesa.

A verdadeira divisão, porém, veio em 1784, quando os bispos da Igreja da Inglaterra se recusaram a consagrar o primeiro bispo da Igreja dos EUA, Samuel Seabury, por ele se recusar a fazer um juramento de fidelidade à coroa britânica. Em vez disso, ele foi consagrado pelos bispos da Igreja Episcopal Escocesa, que tinham motivos históricos particulares para se distanciar da Igreja da Inglaterra.

Hoje, a Igreja Episcopal dos EUA tem 109 dioceses e áreas regionais em 17 países e é uma das 39 províncias independentes, mas autonomamente interdependentes da Comunhão Anglicana no mundo todo.

O bispo Michael Curry preside e é primaz da Igreja Episcopal dos Estados Unidos. É um evangelista apaixonado. Em uma entrevista ao ACNS depois que se tornou Primaz da Igreja Episcopal e 27º bispo a presidi-la, em novembro de 2015, ele salientou a necessidade de os cristãos fazerem parte do "Movimento de Jesus".

"Posso dizer que acredito na Grande Comissão e em seu chamado de ir e fazer discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei", afirmou.

"Acredito que é um chamado, um convite e uma possibilidade empolgante. E acho que é um dos princípios fundamentais do nosso chamado a ser Igreja: ajudar os outros seguidores de Jesus, seguir seus ensinamentos e seguir o caminho de Jesus em sua e na nossa vida, ajudar a tornar o mundo melhor - algo que parece menos um pesadelo e mais o sonho de Deus, Sua visão e intenção para a família humana e toda a criação".

"Para mim, essa é uma das principais questões do Evangelho".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Príncipe Harry e Meghan Markle pedem ao Bispo Michael Curry para pregar em seu casamento - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV