Strangers No Longer: acolhendo migrantes LGBTQ+ na fronteira EUA-México

Mais Lidos

  • Eucaristia e Casa Comum: entre a vida e o ouro. Artigo de Pe. Dário Bossi

    LER MAIS
  • Para Ailton Krenak, o capitalismo “teve metástase”

    LER MAIS
  • Mataram uns 12 milhões de indígenas, contabiliza Las Casas. Artigo de Edelberto Behs

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

24 Janeiro 2023

"No ano passado, conheci um haitiano que fugiu de casa por causa de ameaças de morte quando sua comunidade descobriu que ele era gay. Seu parceiro não teve tanta sorte: ele havia sido assassinado. Nos primeiros dias em nosso abrigo, esse refugiado lutou para dormir, atormentado por pesadelos e imagens do que havia acontecido. Ele também sabia que, como um imigrante gay negro que não falava espanhol bem, ele correria o risco de ser alvo assim que deixasse nosso abrigo. Apesar dessa realidade, ele rapidamente conheceu vários funcionários do nosso centro de migrantes, lentamente caminhou em direção à cura e nos enviou um texto comemorativo assim que chegou aos Estados Unidos", escreve Tracey Horan, professora, organizadora comunitária e escritora sobre questões de justiça para a revista HOPE, Global Sisters Report, Messy Jesus Business e A Matter of Spirit, em artigo publicado por New Ways Ministry, 22-01-2023.

Eis o artigo.

Vinte anos atrás, os bispos dos Estados Unidos e do México publicaram conjuntamente a carta pastoral, “ Strangers No Longer: Together on the Journey of Hope ”. A carta era um apelo contundente para a acolhida e inclusão de pessoas que migraram para os EUA. “Strangers No Longer” convidava os católicos a considerar o contexto em que as pessoas optam por migrar, o que o ensinamento católico tem a dizer sobre acolher o estrangeiro e como mudanças de política poderiam facilitar esse acolhimento. Em sua introdução, “Strangers No Longer” afirma: “Nós nos julgamos como uma comunidade de fé pela maneira como tratamos os mais vulneráveis entre nós”.

Capa do livro Strangers no Longer: Acolhendo Imigrabtes LGBTQ+ na fronteira entre EUA e México. (Foto: divulgação)

Como uma Irmã da Providência que ministra na fronteira EUA-México desde 2019, tive o privilégio de fazer parte dessa recepção, ajudando requerentes de asilo a encontrar refúgio nos EUA, incluindo pessoas LGBTQ+.

Os migrantes LGBTQ+ estão frequentemente em risco em seus países de origem e na jornada para uma existência estável, um exemplo claro de “os mais vulneráveis entre nós”. Um estudo de 2019 descobriu que, em média, quatro indivíduos LGBTQ+ eram assassinados por dia na América Latina e no Caribe. O México também viu surtos recentes de violência anti-LGBTQ+ . Políticas anti-asilo recentes sob os governos Trump e Biden aumentaram esses riscos , já que pessoas LGBTQ+ em busca de refúgio são expulsas para o México ou forçadas a esperar lá.

Onde ministro, esses números se transformam em histórias. No ano passado, conheci um haitiano que fugiu de casa por causa de ameaças de morte quando sua comunidade descobriu que ele era gay. Seu parceiro não teve tanta sorte: ele havia sido assassinado. Nos primeiros dias em nosso abrigo, esse refugiado lutou para dormir, atormentado por pesadelos e imagens do que havia acontecido. Ele também sabia que, como um imigrante gay negro que não falava espanhol bem, ele correria o risco de ser alvo assim que deixasse nosso abrigo. Apesar dessa realidade, ele rapidamente conheceu vários funcionários do nosso centro de migrantes, lentamente caminhou em direção à cura e nos enviou um texto comemorativo assim que chegou aos Estados Unidos.

Vicencio e Rafael são um casal gay que estava hospedado em nosso abrigo com o filho deles, Felipe. Vicencio e Rafael trabalharam como profissionais antes de enfrentar ameaças no sul do México. Felipe é um animado garoto de seis anos com uma energia aparentemente ilimitada. No abrigo, a família contribuiu para o nosso funcionamento, voluntariando-se no dia-a-dia do nosso pronto-socorro e serviço de alimentação. Um dia, Vicencio e Rafael hesitaram sobre quem poderia recebê-los nos Estados Unidos, visto que não haviam se assumido para seus familiares aqui. Eles duvidavam que sua família os aceitaria se soubessem que o casal era gay.

Antes de tentar combinar essa família com possíveis patrocinadores, queria ter certeza de que esse grupo seria aberto e afirmaria uma família LGBTQ+. Uma coalizão específica de apoio ao asilo havia se oferecido para patrocinar uma família, mas, como incluía algumas igrejas católicas, temi que não aceitasse essa família em particular. Quando procurei o contato da coalizão, ela explicou que seriam membros de sua igreja, uma congregação protestante aberta e afirmativa, que receberiam a família. Conversamos brevemente sobre honrar o arbítrio do casal se eles desejam vir para a congregação ou não.

Depois que desliguei, percebi como estava aliviado por essa agência não estar conectando-os a uma igreja católica. E então lamentei não poder contar com minha denominação para receber um casal gay que precisa de patrocínio enquanto fogem de ameaças de morte. Certamente, existem paróquias católicas que enfrentariam o desafio, mas saber que algumas autoridades da Igreja Católica Romana excluem ou condenam publicamente as pessoas LGBTQ+ foi o sufi.

Duas décadas após a publicação de “Strangers No Longer”, ainda não cumprimos os convites que ele contém. Na carta, os bispos afirmam:

“Nossa fé comum em Jesus Cristo nos move a buscar caminhos que favoreçam o espírito de solidariedade. É uma fé que transcende fronteiras e nos convida a superar todas as formas de discriminação e violência para que possamos construir relacionamentos justos e amorosos”.

Os migrantes queer são frequentemente vítimas de discriminação com base tanto em sua situação legal em um país quanto em sua identidade LGBTQ+. Esses nossos irmãos geralmente carregam o duplo fardo de serem rotulados de estranhos tanto pela Igreja hierárquica quanto pelos líderes eleitos do estado. Imagino que esse fardo de dupla discriminação pesa sobre os dois ombros, como o jugo que o profeta Isaías diz que pesava sobre os que andavam nas trevas.

Em muitos casos, nossos vizinhos protestantes demonstram para nós o outro lado da mensagem de Isaías na primeira leitura de hoje. Eles nos mostram o que significa iluminar uma terra sombria: escolher uma dupla recepção em vez de um duplo fardo ao recebermos migrantes LGBTQ+ em nossas comunidades.

E como a nossa dor motiva o nosso desejo de uma Igreja mais acolhedora, Jesus mostra-nos o caminho a seguir no Evangelho de hoje. Ele leva tempo para lamentar a prisão de seu querido primo John. E então, ele é impulsionado pela luz de Deus para continuar recrutando outros para sua revolução do coração.

Mais tarde, soube que depois de uma recepção inicial por uma família protestante, Vicencio, Rafael e Felipe também foram sustentados por duas famílias católicas: uma que ofereceu hospitalidade em sua casa e outra que patrocinou o apartamento onde agora moram. Mesmo lamentando que os migrantes LGBTQ+ nem sempre recebam essa acolhida nas comunidades católicas, celebro os indivíduos que se apegam a um Evangelho que inspira sua solidariedade. Que nós, que afirmamos seguir a Cristo, sejamos inspirados a fazer o mesmo: lamentar o que vemos que não é de

Deus e seguir em frente criando as boas-vindas que Cristo imaginou.

Leia mais 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Strangers No Longer: acolhendo migrantes LGBTQ+ na fronteira EUA-México - Instituto Humanitas Unisinos - IHU