“Sem o Concílio Vaticano II, a Igreja hoje seria uma pequena seita”. Entrevista com Jean-Claude Hollerich

Mais Lidos

  • Basf é “efetiva empregadora” de trabalhadores encontrados em situação análoga à escravidão em Uruguaiana, RS

    LER MAIS
  • Os horizontes cada vez menores do catolicismo e as expectativas não atendidas do Vaticano II. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • “Parece que ser um psicopata traz vantagens eleitorais”. Entrevista com Néstor García Canclini

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

19 Outubro 2022

 

O cardeal Jean-Claude Hollerich não gosta de ser chamado de "Eminência", o tratamento usual para os cardeais. “Essas são coisas de Roma. Me chame de padre”, diz este jesuíta de 64 anos que acumula diferentes funções. Ele é Arcebispo de Luxemburgo, Presidente da Comissão das Conferências Episcopais da Comunidade Européia (COMECE) e Relator Geral do Sínodo sobre Sinodalidade. Hollerich participou recentemente de um simpósio realizado em Roma para marcar o 60º aniversário do início do Concílio Vaticano II.

 

A entrevista é publicada por Vida Nueva, 17-10-2022.  

 

Eis a entrevista. 

 

Por que este congresso?

 

Porque esquecemos muitas coisas. Toda a sinodalidade de Francisco vem do Concílio: é um tesouro para atualizar a Igreja. Devemos aproveitar esse tesouro que não conhecemos o suficiente. O congresso é muito útil para relembrar e atualizar, e também para conhecer o contexto intercontinental e intercultural do Conselho e como ele tem sido aplicado em diferentes lugares. Houve um tempo em que parecia que a teologia não oferecia mais novidades, mas pudemos ver novos esforços colaborativos que aprecio muito em vários continentes e países. São grandes contribuições de teólogos que nos deram muito em que pensar.

 

De onde vêm essas novidades interessantes?

 

A Igreja na América Latina é hoje mais avançada e mais popular do que na Europa, onde nos consideramos uma elite, mas onde ainda temos muito a aprender e vivemos uma descristianização. Podemos aprender muito com os esforços que estão sendo feitos na América Latina com experiências como as Comunidades Eclesiais de Base, o CELAM e o Sínodo da Amazônia. Também na Ásia há muitos avanços, com um continente de grande diversidade religiosa e social, onde a Igreja é pequena. Também aqui na Europa é, mas as pessoas ainda não perceberam. Ali a Igreja tem uma vitalidade maravilhosa. Essas visões de fora nos ajudam muito a imaginar a Igreja na Europa.

 

Quanto falta para iniciar o Conselho?

 

Não sou profeta, mas se vemos que a reforma litúrgica aprovada no Concílio de Trento levou 200 anos para ser admitida na Europa, podemos pensar que estamos apenas no começo. É verdade, porém, que os tempos se aceleraram e que o Concílio se desenvolveu na era da modernidade e agora estamos na pós-modernidade. Se não tivéssemos aquele ponto de reforma que foi o Concílio Vaticano II, a Igreja hoje seria uma pequena seita, desconhecida da maioria das pessoas.

 

Algo como aquele antipapa que você teve na Espanha. Estou convencido de que o Concílio Vaticano II salvou a Igreja. Sem essa assembléia teria se reduzido a um grupo que realiza belos ritos, mas sobre o qual ninguém sabe nada. Hoje devemos nos adaptar às mudanças nas estruturas mentais. As pessoas ainda estão interessadas no Evangelho e devemos redescobrir a autenticidade de ser verdadeiramente discípulos de Jesus.

 

Ainda há resistência às mudanças introduzidas no Concílio Vaticano II?

 

Sim, e muitos. Os mais fortes vêm dos tradicionalistas, que curiosamente também são um fenômeno pós-moderno. Eles escolhem apenas um ponto de referência da história, sem olhar antes e depois. Esquecem como se desenvolve o crescimento da tradição. É um pouco como o que acontece com as séries da Netflix: elas contam uma parte da história, mas é inventada, não é real. Por isso não é por acaso que os movimentos tradicionalistas atraem jovens da França e dos Estados Unidos.

 

Você também busca uma identidade muito clara em um momento histórico em que estas parecem cada vez mais indistintas, não acha?

 

Sim. Os jovens verdadeiramente cristãos são uma minoria tão pequena que precisam de uma identidade. Não lhes dar uma identidade é terrível, mas devemos garantir que seja sempre uma identidade aberta e sem condenar ninguém. Ter uma identidade é bom, mas as identidades são múltiplas, o que não é fácil.

 

Onde o Sínodo sobre a sinodalidade vai levar a Igreja Católica?

 

A uma renovação, a dar espaço ao Espírito Santo na Igreja. Sempre houve espaço para ele, mas nem sempre o ouvimos. O Espírito Santo não está reservado apenas para a hierarquia, mas atua na Igreja para todos. Devemos levar em conta o que dizem todos os batizados e não ficar sozinhos com a voz parcial do que dizem os bispos. Estes estão ao serviço do Santo Povo de Deus, pelo que devem sempre ouvir, compreender e chegar a um consenso. Recentemente tivemos um encontro em Frascati do Secretariado do Sínodo e foi maravilhoso. Em breve será publicado um documento que me deixou muito feliz por refletir o modelo da Igreja sinodal.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Sem o Concílio Vaticano II, a Igreja hoje seria uma pequena seita”. Entrevista com Jean-Claude Hollerich - Instituto Humanitas Unisinos - IHU