“Não vejo razão para que as mulheres não possam batizar ou assistir a casamentos”. Entrevista com Félix Gmür, presidente da Conferência Episcopal Suíça

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Lula manda carta a Francisco e mostra seu temor pelo “risco” do segundo turno nas eleições

    LER MAIS
  • A curta vida do Homo sapiens

    LER MAIS
  • A paciência do papa idoso é posta à prova

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Setembro 2022

 

  • "Devemos garantir que eles possam continuar a ser a fonte e a realização da fé. Para isso, precisamos de pessoas qualificadas e ordenadas para administrar os sacramentos. Até agora são homens celibatários, diáconos casados são treinados para batizar e auxiliar nos casamentos".

 

  • "A questão da igualdade de direitos para as mulheres está aí, e também de direitos iguais para os homens casados, divorciados ou recasados. Que isso nos preocupe, que encontremos outras regulamentações aqui, é algo que apresentarei ao próximo Sínodo dos Bispos da Europa".

 

  • Mulheres no Sínodo? “Seria algo importante. Também no Sínodo Mundial dos Bispos no outono de 2023, que a composição seja alterada. Para que não seja mais apenas um Sínodo dos Bispos, mas um Sínodo de crentes de diferentes países”.

 

A entrevista é de Beatrix Ledergerberg Baumer, editora de "Forum", a revista paroquial da Igreja Católica no Cantão de Zurique, onde a reportagem foi publicada pela primeira vez e reproduzida por Religión Digital, 21-09-2022.

 

Eis a entrevista.

 

A pesquisa "Somos Ear", com vistas ao Sínodo, foi concluída. Um relatório resumindo os resultados de todas as dioceses suíças está a caminho de Roma. Nele, eles falam sobre direitos iguais para as mulheres, a inclusão plena de pessoas queer ou os riscos do clericalismo. Mas também os problemas a serem enfrentados e os desafios. Dom Felix Gmür, presidente da Conferência Episcopal Suíça, quer defender direitos iguais na Igreja, mas não sozinho.

 

Dom Félix Gmür, há algum tema ou pergunta neste relatório que o tenha surpreendido?

 

Não. Participei do processo desde o início. Nós, bispos, começamos, e então eu estava sempre presente em várias discussões até a reunião final em Einsiedeln, e todos estão ouvindo. Estiveram presentes os responsáveis pelas dioceses, igrejas regionais, associações, federações e universidades. Essa é a beleza: todos nós participamos e nos conhecemos.

 

Entre outras coisas, trata-se de igualdade de direitos para as mulheres, inclusão de pessoas queer ou clericalismo, por exemplo, quando padres ou outras autoridades eclesiásticas querem impor algo sem envolver outros. Como você reage a essas questões?

 

Eu não reajo, eu ajo. Como essas questões são urgentes, lançamos este processo sinodal. Na diocese de Basileia somos sinodais há muito tempo, em processos de decisão conjunta. Um dos principais temas da pesquisa foi a necessidade de uma ouvidoria. Estamos trabalhando nisso. Mas esses processos levam tempo.

 

E no nível suíço, o que você está abordando agora?

 

O relatório final também aborda questões de liturgia, com a questão de onde há lugares onde fazemos o que o Papa chama de “escutar o Espírito Santo”. Estamos muito focados em questões estruturais. E há uma grande confiança de que as estruturas também podem mudar atitudes. Não tenho certeza, mas pode-se argumentar. E é isso que estamos fazendo agora com os grupos sinodais de apoio nas dioceses individuais e em nível suíço. Esses grupos estão se aprofundando nas questões e propondo atitudes e procedimentos para mudanças estruturais.

 

Qual é o seu papel como presidente da Conferência Episcopal nestes processos?

 

Minha função é apontar os problemas e questões mencionados e entrar na fase continental que se aproxima.

 

Por exemplo, a questão do papel das mulheres.

 

A questão da igualdade de direitos para as mulheres está aí, e também de direitos iguais para os homens casados, os divorciados ou os divorciados e recasados. Que isso nos preocupe, que encontremos aqui outros regulamentos, é algo que apresentarei ao próximo Sínodo dos Bispos da Europa.

 

Então você vai submeter esta preocupação a consultas. Você também faz propostas de possíveis soluções?

 

Para mim, a questão dos sacramentos é central. Devemos garantir que eles possam continuar a ser a fonte e a realização da fé. Para isso precisamos de pessoas qualificadas e ordenadas para administrar os sacramentos. Até agora são homens celibatários, os diáconos casados estão habilitados para batizar e auxiliar nos casamentos. Mas não vejo razão para que também não possam ser mulheres.

 

Outra preocupação é a inclusão de pessoas de orientação sexual diferente, entre outras coisas no que diz respeito às condições de admissão na missio, a comissão eclesiástica.

 

Já estamos discutindo isso na Conferência do Ordinariato Alemão-Suíço (DOK). A dificuldade está em colocar um novo regulamento no papel. A menos que você diga que não há regras.

 

Que rumo está tomando a discussão sobre a missão dos agentes pastorais na Conferência dos Ordinários germano-suíça?

 

Não posso prever qual será o resultado. Só sei que é difícil. Porque a pergunta é: onde está a fronteira? Estamos pensando em uma maneira adequada de lidar com isso. Para mim, pessoalmente, a exortação papal Amoris Laetitia é um guia. O Papa fala aí de gradualidade: há progresso espiritual, não apenas a situação atual. Um regulamento que está correto hoje também pode mudar e depois ser tão consistente. O Papa exige que reflitamos e respondamos à pessoa diante de nós.

 

Se nenhuma solução vier da Conferência dos Ordinários, você estaria disposto a introduzir uma nova política em sua diocese por conta própria?

 

Não sou a favor de ir sozinho. Na Suíça, que é um país pequeno, isso não seria conveniente. A diocese de Chur deve ter uma prática semelhante à Basileia ou Sankt Gallen. A Conferência Episcopal é lenta, mas tentamos encontrar um consenso que todos possam apoiar. Ir sozinho promove divisões e, portanto, descontentamento.

 

No entanto, a falta de solução causaria grande decepção, pois o processo sinodal, a interpelação dos fiéis, também gerou expectativas.

 

É realmente assim: mudar as estruturas mudará minha para melhor? Só posso acreditar se as estruturas estiverem corretas, e não de outra forma?

 

Muitos crentes estão divididos porque não se sentem mais ligados à sua igreja. Eles continuarão a acreditar, mas fora da igreja.

 

Sim, esse perigo existe. Mas você também pode fazer parte da Igreja sem concordar 100% com tudo.

 

Voltando ao próximo Sínodo Continental dos Bispos: há alguma chance de que as mulheres também tenham o direito de votar lá?

 

Não sei. Mas isso é algo que seria importante para mim, por exemplo. Também no Sínodo Mundial dos Bispos no outono de 2023, que a composição seja alterada. Portanto, não é mais apenas um Sínodo dos Bispos, mas um Sínodo de crentes de diferentes países.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Não vejo razão para que as mulheres não possam batizar ou assistir a casamentos”. Entrevista com Félix Gmür, presidente da Conferência Episcopal Suíça - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV