A Igreja alemã pedirá a Francisco que reveja a doutrina sobre o sacerdócio feminino

Mais Lidos

  • A guerra entre os cardeais católicos

    LER MAIS
  • O Papa substitui Ouellet e nomeia um bispo peruano para a Congregação dos Bispos

    LER MAIS
  • Empresários percebem que país já não pode se submeter às forças armadas. Entrevista com Fabio Konder Comparato

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

12 Setembro 2022

 

A petição foi aprovada em primeira leitura, falta o voto dos bispos.

 

A quarta assembleia consegue escapar do 'cisma' e sai com alguns acordos importantes, embora alguns deles estejam apenas em fase preliminar, aguardando a próxima assembleia, provavelmente em março de 2023, quando terão que votá-los definitivamente.

 

Os mais de 200 delegados, entre leigos, consagrados e bispos, trazem em suas pastas resoluções de peso, inclusive aprovadas pela maioria dos párocos, como pedir ao Papa que reveja a doutrina que estabelece a possibilidade do sacerdócio feminino, bem como como estudar a modificação no Catecismo da forma como a homossexualidade é abordada.

 

Bätzing antes da próxima visita ao Papa Francisco: "Há várias malas com algum peso. Mas estamos preparados para este transporte e estou animado com o intercâmbio em Roma ".

 

A reportagem é de José Lorenzo, publicada por Religión Digital, 09-09-2022.

 

O descarrilamento foi roçado, mas a locomotiva do Caminho Sinodal Alemão concluiu hoje a sua quarta assembleia, realizada desde o passado dia 9 de setembro, em Frankfurt, sem grandes contratempos, pois conseguiram endireitar o rumo que os levou à ruptura após o voto de bloqueio da os bispos que estilhaçaram - no mesmo dia de abertura - uma das reformas em que os delegados mais trabalharam: a que implicava uma modificação na moral sexual.

 

Os mais de 200 delegados, entre leigos, consagrados e bispos, trazem em suas pastas resoluções de peso, inclusive aprovadas pela maioria dos párocos, como pedir ao Papa que reveja a doutrina que estabelece a possibilidade do sacerdócio feminino, bem como como estudar a modificação no Catecismo da forma como a homossexualidade é abordada.

 

Da mesma forma, eles realizaram sem problemas a decisão de estabelecer um Conselho Sinodal para a Igreja Católica na Alemanha, algo pelo qual 88% dos bispos também votaram a favor . Também o texto de base "Mulheres nos ministérios e cargos da Igreja" e os textos de ação "Reavaliação magistral da homossexualidade" e "Ordem de base do serviço eclesiástico" foram aprovados em segunda leitura com ampla maioria.

 

Por sua vez, os textos "Enfrentando a diversidade de gênero", "Descobrindo e normalizando - votos sobre a situação dos sacerdotes não heterossexuais" e "Proclamação do Evangelho pelas mulheres em Palavra e Sacramento" foram adotados em primeira leitura para continuar trabalhando, provavelmente para abordá-los em uma quinta assembleia , que poderá ser realizada em março de 2023, conforme observado em entrevista coletiva.

 

Novas dificuldades surgem

 

Estes textos foram aprovados em primeira votação, ou seja, não eram necessários os dois terços obrigatórios dos votos episcopais, mas há aspectos nestes documentos de base que suscitam muita discussão, como já foi revelado na sessão deste sábado. Por exemplo, o de "Enfrentar a diversidade de gênero" , aprovado por 94% dos votos, mas onde o "botão vermelho" não pôde ser aplicado, conforme definido pela presidente do Caminho Sinodal, Irme Stetter-Karp, a possibilidade de bispos bloqueio.

 

Um total de 155 membros do sínodo (94,51%) votaram a favor do texto de ação “Enfrentando a Diversidade de Gênero” , nove votaram contra; doze se abstiveram. Como o texto só foi votado em primeira leitura, não foi necessária uma maioria de dois terços dos bispos.

 

Ao adotar o texto da ação, solicita-se que todas as dioceses no futuro empreguem "oficiais LGBTI" para sensibilizar os fiéis sobre a questão da diversidade sexual e de gênero e exige-se que no futuro as pessoas trans possam mudar seu nome e gênero no registro de batismo, e que o Vaticano abra todos os escritórios de ordenação eclesiástica e vocações pastorais para pessoas trans batizadas e confirmadas.

 

Outro texto de ação, "Descobrimento e normalização - votos sobre a situação dos padres não heterossexuais" , também obteve a aprovação majoritária dos membros do Sínodo em primeira leitura. O texto pede o reconhecimento e a valorização dos padres não heterossexuais. Além disso, o projeto diz que os bispos devem trabalhar no nível da Igreja mundial para levantar a proibição da ordenação sacerdotal de homens homossexuais.

 

"Proporção não desprezível de padres gays"

 

Sabe-se, diz o texto, que " uma proporção não insignificante" de padres católicos são homossexuais "ou não heterossexuais" . Um grande número desses padres ainda não viveu uma existência sombria e escondeu parte de sua identidade. Isso muitas vezes tem um efeito prejudicial sobre a saúde mental e física das pessoas afetadas, de acordo com o texto.

 

Por outro lado, os delegados do Caminho Sinodal votaram a favor, também em primeira leitura, da abertura do ministério da pregação às mulheres . Um total de 155 membros sinodais (93,37%) votaram a favor do documento, onze contra; três sínodos se abstiveram.

 

“Precisamos para o futuro de nossa Igreja a vontade de decidir de maneira verdadeiramente sinodal. Estou feliz por termos enviado um sinal claro a esse respeito nesta penúltima Assembleia sinodal”, disse o Presidente do Caminho Sinodal. “ Estamos dispostos a tomar decisões difíceis junto com os bispos. Praticamos essa sinodalidade na Alemanha . E percebemos o quanto isso nos faz bem. Decidir juntos nos fortalece”.

 

"Encontro com altos e baixos"

 

Dom Georg Bätzing, co-presidente do Caminho Sinodal, descreveu na conferência de imprensa de encerramento esta quarta assembleia como um encontro de altos e baixos. “Experimentamos que discurso, debate e dinâmica são possíveis. Para mim, o mais importante é que continuamos juntos ”, disse o bispo que também é presidente do Episcopado Alemão.

 

"Esta união se traduz em: sinodalidade. A sinodalidade é a expressão de opiniões diferentes. Estou grato por essas opiniões terem sido colocadas em palavras." "Frankfurt não é um desastre, como pensam alguns críticos. Frankfurt mostra uma Igreja em movimento" , disse, aludindo às críticas recebidas por não aprovar o texto sobre a reforma da moral sexual, vetado pelos pastores.

 

"Ainda há muitas questões a serem esclarecidas, mas estou feliz por termos dado este importante passo e que a decisão também tenha sido tomada com um alto nível de aprovação de nós, os bispos. Agora temos outras tarefas pela frente: no plenária de outono da Conferência Episcopal Alemã, refletiremos sobre esta assembleia sinodal e consideraremos como continuar trabalhando com os textos e as dinâmicas".

 

Próxima parada: encontro com o Papa

 

Um outono muito importante, porque algumas das resoluções adotadas serão formalmente apresentadas ao Papa durante a visita ad limina dos bispos alemães em novembro de 2022: “Levamos conosco toda a bagagem das assembleias sinodais anteriores. Mas estamos preparados para este transporte e estou entusiasmado com o intercâmbio em Roma."

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A Igreja alemã pedirá a Francisco que reveja a doutrina sobre o sacerdócio feminino - Instituto Humanitas Unisinos - IHU