Em nova votação, Câmara de Curitiba cassa mandato do vereador Renato Freitas (PT)

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • O Deus dos desgraçados. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Itália. Hospitais sem médicos: o governador da Calábria contrata 500 especialistas cubanos

    LER MAIS
  • A vida de Xi Jinping e as escolhas da China

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Agosto 2022

 

Defesa pediu arquivamento do processo; segundo turno de votação acontece nesta sexta (5).

 

A reportagem é de Lia Bianchini, publicada por Brasil de Fato, 04-08-2022.

 

A Câmara de Curitiba confirmou, em primeiro turno, nesta quinta (4), a cassação do mandato do vereador Renato Freitas (PT). Foram 23 votos favoráveis, sete contrários e uma abstenção. O segundo turno acontece nesta sexta (5), às 9h.

 

Esta foi a segunda vez que os vereadores votaram o pedido de cassação. Os efeitos da primeira votação, em junho, foram suspensos pela desembargadora Maria Aparecida Blanco de Lima, da 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR). A magistrada considerou que "aparentemente houve desrespeito ao devido processo legal" naquelas sessões.

 

Durante a sessão desta quinta, Freitas fez uma rápida coletiva de imprensa em frente à Câmara e afirmou que sua defesa irá recorrer da decisão na esfera judicial, confirmando-se a cassação na sessão desta sexta. Sobre sua pré-candidatura a deputado estadual, Freitas disse que especular qualquer coisa nesse sentido é um "exercício de futurologia." "Estamos com os pés fincados no presente, na luta pelo nosso mandato", afirmou.

 

Debate jurídico

 

Desta vez, Renato Freitas e parte de sua equipe de defesa participaram da sessão. No início das atividades, a defesa apresentou questão de ordem demandando o arquivamento do processo.

 

A base do pedido foi o Decreto de Lei 201, que dispõe que a conclusão de um processo ético disciplinar deve ocorrer dentro de 90 dias corridos, prazo já extrapolado pela Câmara. "O decreto não é subsidiário, é a norma aplicável", afirmou a defesa.

 

O presidente da Casa, Tico Kuzma (PROS) rejeitou o pedido, alegando que a Câmara segue regimento interno próprio, que permite a conclusão em 90 dias úteis, podendo prorrogar o prazo.

 

Em seu tempo de fala, o vereador Dalton Borba (PDT) reafirmou a necessidade de observação do prazo amparado pelo Decreto de Lei para a conclusão do processo, argumentado pela defesa de Freitas.

 

Professor de Direito Constitucional, Borba afirmou que o regimento interno da Câmara contraria o Código Civil brasileiro. "Prazo não pode ser regulamentado por norma regimental, como é o regimento interno dessa Casa", disse. O vereador ainda classificou a continuidade do processo como uma "frontal violação ao sistema jurídico brasileiro" e um "equívoco irreparável na história da Câmara."

 

Jogo de cartas marcadas

 

Contrária à cassação, a vice-relatora do processo no Conselho de Ética da Câmara, Maria Letícia (PV), afirmou que Freitas foi julgado antes mesmo de ter sido feita a representação contra ele na Câmara. "A coisa mais difícil que tem é convencer quem não quer ouvir. Houve, desde sempre, uma grande resistência à análise das relatorias de modo técnico. Antes mesmo da representação do vereador acontecer nesta Casa, já se falava de cassação", pontuou.

 

O discurso de Eder Borges (PP), vereador que iniciou a divulgação dos vídeos com a informação falsa de invasão à igreja, encaixou-se de forma exata como um exemplo do argumento de Maria Letícia. Em seu tempo de fala, o bolsonarista afirmou estar na Câmara para combater "as ideologias vermelhas" e que o processo contra Freitas é uma defesa da "liberdade de culto". "Não pode ser admitido em hipótese alguma, atitudes de cristofobia", disse Borges.

 

O bolsonarista foi um dos vereadores que entraram com representação contra Freitas. Por esse motivo, ele fica impedido de votar na sessão. No entanto, ignorando o impedimento, Borges registrou voto. O vereador Dalton Borba (PDT) pediu que o caso fosse encaminhado à corregedoria da Câmara, por quebra de decoro.

 

Perseguição política

 

Renato Freitas foi acusado de quebra de decoro parlamentar após participar de ato antirracista, que culminou na entrada dos manifestantes na Igreja do Rosário, no Centro de Curitiba, em fevereiro. O petista foi acusado de liderar o ato, perturbar o culto religioso e realizar ato político dentro da igreja.

 

Durante sua fala em defesa do mandato de Freitas, a vereadora Professora Josete (PT) lembrou que o parecer do relator do processo, Sidnei Toaldo (Patriota), afastou a maior parte das acusações, comprovando que não houve invasão à igreja nem interrupção da missa. "Será que o que se busca com essa cassação não é a eliminação política, rápida, de quem lhes incomoda?", questionou.

 

Para Carol Dartora (PT), o processo e o julgamento escancaram a perseguição política sofrida pela minoria de oposição na Câmara. "O que a gente está vivendo se chama perseguição política. É esse ódio muito explícito, ódio ao PT, aos parlamentares do PT. A gente está em uma sociedade extremamente fragilizada por posicionamentos de pessoas que se colocam para representar a sociedade e disseminam ódio, se tornam figuras políticas fomentando o que a gente combate", afirmou.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Em nova votação, Câmara de Curitiba cassa mandato do vereador Renato Freitas (PT) - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV