Filaret: “A Ucrânia vai derrotar a Rússia porque Deus está com a Ucrânia, não com a Rússia”

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa Franciso, mais uma vez, surpreende. Artigo de Eduardo Hoornaert

    LER MAIS
  • Movimentos no pós-pandemia. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • “Não podemos mais ignorar o debate sobre a redução da jornada de trabalho porque funciona para muitas empresas”. Entrevista com Pedro Gomes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Mai 2022

 

 

  • O Patriarca Ortodoxo Emérito acredita que a Ucrânia derrotará a Rússia. Ele critica o Patriarca Kirill de Moscou, culpado de apoiar a invasão de Putin. Ao Papa Francisco: Não temos nada a temer da OTAN. No futuro haverá apenas uma Igreja Ortodoxa nacional na Ucrânia;

 

  • Hierarca eclesiástico "soviético" durante muito tempo, em 1976 foi um dos concelebrantes da consagração episcopal do jovem Kirill, atual Patriarca de Moscou, com quem as relações estagnaram num profundo ressentimento mútuo;

 

  • "No futuro, na Ucrânia, haverá uma única Igreja Ortodoxa nacional, na qual as paróquias agora controladas pelo patriarcado de Moscou também convergirão; um país independente deve ter uma Igreja independente, como em outras nações ortodoxas".

 

A reportagem é publicada por AsiaNews, 16-05-2022. 

 

Numa entrevista concedida à redação do jornal Azattyk, da Geórgia, o patriarca ortodoxo emérito de Kiev Filaret (Denisenko), de 93 anos, compara a guerra da Rússia contra a Ucrânia com a batalha bíblica entre David e Golias, que terminou com a vitória do menino contra o gigante.

 

Filaret resume em sua história pessoal todas as contradições, religiosas e de todos os tipos, na Rússia e na Ucrânia durante o último meio século. Hierarca eclesiástico “soviético” por muito tempo, em 1976 foi um dos concelebrantes da consagração episcopal do jovem Kirill, atual Patriarca de Moscou, com quem as relações estagnaram em profundo rancor mútuo. Em 1990 foi o principal candidato à sede patriarcal de Moscou, mas foi superado pelo Metropolita de Leningrado Aleksij (Ridiger), com o apoio de Kirill, que se tornou seu sucessor em 2009. Filaret então decidiu seguir seu próprio caminho e em 1992, aproveitando a independência nacional da Ucrânia, proclamou-se patriarca de Kiev, o único da história.

 

O arquiteto da autocefalia

 

Durante anos ele permaneceu uma bandeira isolada do nacionalismo religioso, com uma estrutura eclesial muito fraca da qual, no entanto, emergiu seu brilhante secretário pessoal Epifanyj (Dumenko). Em 2019 Epifanyj foi reconhecido por Constantinopla como Metropolita de Kiev, com o apoio do Presidente da Ucrânia Petro Poroshenko. Mas o título patriarcal de Kiev, que permanece sujeito ao patriarcado ecumênico, não foi confirmado, deixando Filaret apenas com o título de "emérito". O velho e impetuoso patriarca, no entanto, não aceitou ser marginalizado e, apesar de sua venerável idade, continua a presidir de forma autônoma um grupo de partidários.

 

Filaret afirma que "a Ucrânia derrotará a Rússia porque Deus está com a Ucrânia, não com a Rússia: ele está do lado da verdade, não da mentira. E a vitória da Ucrânia será uma vitória para toda a Europa e para todos os países pacíficos". enquanto os líderes ucranianos discutiam o avanço da linha de frente contra o invasor, que está sendo empurrado para trás em Kharkiv.

 

Filaret comenta então as proclamações de seu ex-afilhado Kirill, que "diz preto em vez de branco e vice-versa, quando afirma que a Rússia nunca invadiu ninguém, muito menos a Ucrânia... o mundo inteiro pode ver a verdade! "!". Ele também não gosta da entrevista do Papa Francisco quando falou dos "latidos" da OTAN às portas da Rússia: “Não temos nada a temer da OTAN e a Rússia não tem motivos para temer a Ucrânia, mas quem está em perigo são outros países que fazem fronteira com a Rússia, que é, sem dúvida, um país agressor. Os russos consideram o Cáucaso e a Ásia Central também terras russas."

 

"O Papa tenta tranquilizar Moscou"

 

Segundo o patriarca emérito, “o Papa está tentando tranquilizar Moscou, por isso disse que quer ver Putin antes de vir a Kiev. Para nós isso não é muito importante, mas todos os caminhos são bons para defender a paz, e nisso concordamos com o Vaticano”. Embora tenha sido isolado nas relações eclesiásticas, Filaret está feliz que nestas circunstâncias difíceis as posições da Igreja Ortodoxa autocéfala estão sendo fortalecidas: "No futuro na Ucrânia haverá uma única Igreja Ortodoxa nacional, na qual as paróquias que agora controlam o patriarcado de Moscou; um país independente deve ter uma Igreja independente, como em outras nações ortodoxas”.

 

O velho hierarca conclui com o desejo de que todos os povos se unam em oração pela paz e em defesa da Ucrânia, "porque quando os outros nos ajudam, estão ajudando a si mesmos".

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Filaret: “A Ucrânia vai derrotar a Rússia porque Deus está com a Ucrânia, não com a Rússia” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV