“Se não salvarmos o ambiente, nós, africanos, morreremos de fome”

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • A OTAN força os limites da guerra nuclear. Artigo de Jeffrey Sachs

    LER MAIS
  • “Cristãos progressistas” são conservadores? – breve nota

    LER MAIS
  • Paróquia e Comunidade

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Março 2022

 

“Não baixem a guarda sobre as alterações climáticas. Por favor, Itália e Europa, não façam isso."

 

A reportagem é de Lucia Capuzzi, publicada por Avvenire, 24-03-2022. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

"Seria um trágico erro. Se realmente querem contribuir para a paz e evitar transformar o mundo em um teatro de conflitos sem fim, vocês têm que lutar contra o aquecimento global. Este último já está tornando inabitáveis pedaços inteiros do planeta. E a superfície inabitável aumentará, juntamente com os migrantes forçados e com as tensões.” Isto foi dito em uníssono por Vanessa Nakate e Diana Nabiruma, jovens ativistas que vieram de Uganda para Roma, onde ontem participaram da audiência geral do Papa Francisco.

“Foi muito comovente”, dizem ainda emocionadas, depois do encontro com o Pontífice da Laudato si'. Vanessa é o rosto internacionalmente mais conhecido do movimento Fridays for future, juntamente com Greta Thunberg, e está atualmente engajada no projeto Green Schools, um programa que visa instalar painéis solares em 24.000 escolas ugandenses. Diana trabalha para promover a participação cidadã na gestão dos recursos ambientais através do Instituto Africano para a Governança da Energia (Aifeg). Ambas estão na linha da frente da campanha para travar a construção do maxi-oleoduto Eacop que deveria permitir o escoamento do petróleo de Hoima, no Uganda, até ao porto de Tanga. Um percurso de 1.443 quilômetros que tornaria a usina a maior do mundo.

“É um absurdo continuar a investir recursos para procurar, extrair e transportar os combustíveis fósseis, que são os principais responsáveis pela crise climática. Sei que muitos lobbies ligados ao petróleo e ao carvão gostariam de tirar vantagem da tragédia ucraniana, sob o pretexto de diminuir a dependência do gás russo. Pelo contrário, se queremos aprender algo com esta crise, é precisamente o momento de acelerar a transição para as fontes renováveis”, afirma Nakate. "As consequências afetam a todos", especialmente os mais pobres, a África em primeiro lugar, com o atual aumento dos preços dos alimentos.

“É paradoxal que o continente africano seja obrigado a importar alimentos quando teria todo o potencial para produzi-los. As terras são tiradas dos agricultores. O aumento global das temperaturas, além disso, tem uma recaída imediata sobre os nossos campos, queimados pelo superaquecimento climático”, ressalta a ativista da Aifeg. Justamente graças aos pequenos, porém, a possível mudança está amadurecendo. “Os jovens e as mulheres são o motor do movimento pela defesa da casa comum", conclui Nakate. "O futuro de seus filhos está em jogo. Dos nossos filhos, de todos nós. Não vamos deixá-las sozinhas.”

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Se não salvarmos o ambiente, nós, africanos, morreremos de fome” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV