Poluição dos incêndios florestais afeta a saúde das comunidades mais pobres

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa Franciso, mais uma vez, surpreende. Artigo de Eduardo Hoornaert

    LER MAIS
  • Movimentos no pós-pandemia. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • “Não podemos mais ignorar o debate sobre a redução da jornada de trabalho porque funciona para muitas empresas”. Entrevista com Pedro Gomes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Setembro 2021

 

Incêndios florestais geram uma variedade de poluentes nocivos, incluindo partículas finas conhecidas como PM2.5. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as partículas são fator de risco para doenças cardiovasculares, respiratórias e câncer.

A reportagem é publicada por University of Leeds e reproduzida por EcoDebate, 03-09-2021. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

Atear fogo em florestas e terras agrícolas no sudeste da Ásia para prepará-las para cultivo ou pastagem contribui para cerca de 59.000 mortes prematuras por ano, dizem os cientistas.

A análise revela que o maior impacto da queima para a saúde, que libera minúsculas partículas no ar que podem entrar nos pulmões das pessoas, é sentido por algumas das comunidades mais pobres da região, no norte do Laos e no oeste de Mianmar.

Em um artigo publicado hoje na revista GeoHealth, pesquisadores de Leeds e da Universidade de Augsburg, na Alemanha, pedem medidas para conter as queimadas agrícolas e florestais. Eles dizem que a prevenção de incêndios agrícolas e florestais deve ser considerada uma “prioridade de saúde pública”.

A Dra. Carly Reddington, pesquisadora da AIA na School of Earth and Environment de Leeds, e autora principal do estudo, disse: “Nossa investigação quantifica a contribuição de uma fonte frequentemente esquecida de baixa qualidade do ar e demonstra que ações para reduzir o fogo podem oferecer consideráveis opções, ainda em grande parte não reconhecidas, para melhorias rápidas na qualidade do ar.

“Descobrimos que em todo o Sudeste Asiático, a quantidade de poluição do ar produzida por esses incêndios é comparável à da indústria, transporte e geração de energia.”

 

A queima libera poluentes nocivos

 

Em todo o sudeste da Ásia – uma área que inclui Mianmar, Tailândia, Camboja, Laos, Vietnã e sudeste da China – os agricultores queimam a floresta como forma de limpar terras para cultivo ou para pastar animais, muitas vezes no período pré-monção, geralmente de fevereiro a abril .

Nesse período, os padrões climáticos em grande parte da região podem resultar em inversão de temperatura, fenômeno meteorológico que impede a dispersão da fumaça e das emissões dos incêndios, principalmente à noite ou de madrugada.

Os incêndios florestais geram uma variedade de poluentes nocivos, incluindo partículas finas conhecidas como PM2.5 – partículas minúsculas que medem 2,5 mícrons (onde um mícron é um milionésimo de metro ou menos). Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as partículas são fator de risco para doenças cardiovasculares, respiratórias e câncer.

Os pesquisadores usaram medições da poluição do ar junto com modelos de computador para medir o impacto dos incêndios na qualidade do ar e na prevalência de doenças.

 

Modelagem do impacto da queima

 

Em todos os conjuntos de dados analisados, os pesquisadores descobriram que as maiores emissões de poluição da queima vinham da região norte de Laos, Camboja, Tailândia, leste e oeste de Mianmar e sul de Bangladesh, e com níveis mais baixos de emissões no centro de Mianmar, Tailândia, norte do Vietnã e sudeste da China.

Os pesquisadores modelaram quais melhorias seriam vistas na qualidade do ar se a queima fosse interrompida.

A concentração de PM2,5 – as partículas finas – cairia entre 40% e 70% nas áreas com maiores emissões.

A OMS tem uma meta anual provisória para níveis máximos de PM2,5, que é de 25 microgramas por metro cúbico.

 

Queimar ‘degrada a qualidade do ar’

 

Se a prática de queimadas pudesse ser interrompida, os pesquisadores argumentam que o número de pessoas expostas a níveis superiores à meta provisória da OMS cairia 64% na Tailândia, 100% em Mianmar, no Laos em 92% e no Camboja em 44%.

Usando modelagem epidemiológica, os cientistas calcularam que a redução de PM2.5 poderia reduzir as mortes prematuras causadas pela exposição à poluição do ar. No Sudeste Asiático, as mortes cairiam 12%, variando de 5% no Vietnã a 28% no Laos e 3% no sudeste da China. No total, cerca de 59.000 mortes prematuras podem ser evitadas a cada ano.

Eles também mapearam os dados de pobreza em relação às concentrações de PM2.5 e descobriram que as populações rurais mais pobres do Laos, Camboja e Mianmar estavam expostas a níveis mais elevados de poluição por partículas finas.

A Dra. Reddington disse: “Este estudo é a primeira avaliação detalhada dos efeitos dos incêndios nas florestas e na vegetação na qualidade do ar e na saúde humana no Sudeste Asiático.

“O estudo mostra que a poluição do ar pela vegetação e incêndios florestais degrada seriamente a qualidade do ar no Sudeste Asiático e que, ao prevenir esses incêndios, a exposição a poluentes atmosféricos prejudiciais poderia ser substancialmente reduzida e muitas mortes prematuras poderiam ser evitadas.

“Além disso, mostra que as populações mais pobres do Sudeste Asiático estão sendo desproporcionalmente expostas à poluição do ar por esses incêndios.”

Novos esforços são necessários agora para reduzir os incêndios florestais na região.

A Dra. Reddington acrescentou: “Uma proibição total do uso do fogo pode não ser prática para muitos agricultores locais que não têm nenhuma alternativa. As emissões de poluição são dominadas pela queima de florestas, portanto, é necessário um maior esforço para reduzir os incêndios associados a desmatamento.

“A redução do desmatamento reduz as emissões de dióxido de carbono e é um elemento crucial dos esforços para desacelerar a mudança climática global. Nosso trabalho demonstra que a redução do desmatamento e incêndios associados também levaria a um ar mais limpo e à melhoria da saúde pública.

“Esses benefícios locais e regionais podem fornecer um incentivo poderoso para reduzir o desmatamento. O aumento do apoio às florestas protegidas pela comunidade e outras áreas protegidas, onde os incêndios florestais são menos prevalentes, são uma forma importante de reduzir os incêndios.”

O artigo, Air pollution from forest and vegetation fires in Southeast Asia disproportionately impacts the poor, foi publicado na GeoHealth.

 

Referência:

Reddington, C. L., Conibear, L., Robinson, S., Knote, C., Arnold, S. R., & Spracklen, D. V. (2021). Air pollution from forest and vegetation fires in Southeast Asia disproportionately impacts the poor. GeoHealth, 5, e2021GH000418. Disponível aqui.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Poluição dos incêndios florestais afeta a saúde das comunidades mais pobres - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV