Fluxo migratório mundial cresce com a incidência da pandemia

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Julho 2021

 

Migrantes constituem um grupo que soma quase 5% da mão-de-obra global – 169 milhões de pessoas, 99 milhões são homens, 70 milhões são mulheres - indica relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre as condições laborais em 2019. Daquele total, 6,8 milhões são jovens.

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista.

O relatório mostra que 86,% de trabalhadores/as migrantes está em idade ativa, com idades entre 25 e 64 anos. Desse exército de mão-de-obra, 62,2% trabalham no setor de serviços, 26,7% na indústria e 7,1% na agricultura.

A crise da covid-19 piorou o quadro, de modo especial para mulheres, mais ativas em empregos mal remunerados, pouco qualificados, ressentidas de acesso à proteção social. Via de regra, trabalhadores/as migrantes não têm emprego fixo, operam na economia informal, desprovidos/as de qualquer proteção e agravamento das condições de trabalho.

A América Central é, depois do Mediterrâneo Central, a região mais violenta em número de mortes de migrantes, aponta outro estudo, sobre “Abusados e Negligenciados – Uma Perspectiva de Gênero no Agudizado Contrabando de Migrantes”, divulgado no dia 28 de junho pelo Escritório da ONU sobre Drogas e Crimes (UNODC).

Migrantes que usam redes de contrabando para fugir de seus países de origem, salienta o estudo, sofrem geralmente violência, tortura, estupro e sequestro durante o trânsito ou cativeiro. Migrantes do sexo masculino passam por trabalhos forçados e violência física, enquanto as mulheres estão mais expostas à violência sexual.

Pessoas em desespero pagam para deixar o país natal. Elas podem estar fugindo de desastres naturais, conflitos, perseguições, ou procurando oportunidades de emprego, educação e reencontro familiar. Em novembro de 2020, por exemplo, a América Central sofreu a ação de dois furacões – Eta e Iota – em menos de duas semanas, atingindo 5 milhões de pessoas.

A pandemia fez com que, em muitas situações, oficiais de guarda de fronteira, integrantes de forças policiais, passassem a exigir subornos mais elevados de contrabandistas e migrantes para evitar sua detenção ou interrogatórios. Migrantes relutam em denunciar abusos por temer que sejam tratados como criminosos por causa da sua situação irregular.

 

Leia mais

 

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Fluxo migratório mundial cresce com a incidência da pandemia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV