Aquele impulso perene que nos traz de volta a Adão e Eva

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • 50 anos de teologias da libertação memória, revisão, perspectivas e desafios

    LER MAIS
  • Guerra Civil Psicótica Global (GCPG). Artigo de Franco ‘Bifo’ Berardi

    LER MAIS
  • Algoritmo sensível, elites insensíveis: o problema de base do capitalismo 4.0

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Abril 2021

 

"Desde Adão - e Eva - em diante somos todos seres irremediavelmente desejosos, impelidos a buscar e nos tornar o que ainda não somos, o que não temos mais", escreve Elena Löewenthal, escritora italiana e estudiosa do judaísmo, em artigo publicado por La Stampa, 29-04-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

Eis o texto.

 

A primeira voz do verbo desejar vem ao mundo com Eva. Em um cosmos bíblico desenhado pela simetria perfeita entre a palavra divina e a matéria - Deus as profere e as coisas se tornam realidade - a mulher nasce porque Adão, e com ele a criação, sentem a sua falta. Eva é o ditado de uma necessidade, de uma ausência sofrida: o homem "sente" que quer algo "à sua frente", diz literalmente o texto. Por mais promissor que seja, este destino do feminino foi infelizmente mais uma condenação do que um privilégio através da história. Mas, é certo que o desejar, que é a consciência primária da falta, a aspiração de ultrapassar os limites da realidade para ir mais longe, para ter mais, para ser diferente, tem sido um instinto fundamental desde então.

Desde Adão - e Eva - em diante somos todos seres irremediavelmente desejosos, impelidos a buscar e nos tornar o que ainda não somos, o que não temos mais. Desejar é um gesto cotidiano do espírito, é um impulso que nos move mil vezes por dia, nos pequenos e nos grandes momentos. É a matéria de que somos feitos, o "estado de afeto do eu que consiste em um impulso volitivo em direção a um objeto externo". Um estado que, por definição, nunca é inerte, mas sempre em movimento.

O ato de desejar é também o que nos leva de volta às origens, àquela fronteira física e metafísica que muda o mundo no instante em que, como que impulsionado por uma iluminação fatal, Adão se dá conta de que lhe falta algo que é necessário, urgente, reconfortante. Aquele momento em que a ausência se torna consciência da imperfeição da criação e Adão pede a Deus para remediar.

Mas a mulher que na Bíblia sela a obra divina com a sua presença última é, no fundo, o eco de outra falta, de outro desejo: aquele de Deus que decide retratar-se para dar espaço e tempo ao mundo, ou seja, criá-lo. É por isso que "desejar" evoca o movimento perene que anima a vida, das estrelas e rumo às estrelas - de sidera ad sidera - que diz tudo sobre o que somos e sentimos.

O impulso do desejo, portanto, que continuamente nos faz seres desejantes, é sem dúvida o campo de investigação maior, mais interessante, mas também enigmático de todo o humano. “Pois ninguém deseja aquilo que possui, mas apenas o que não possui, o que é um claro defeito”, explica-nos Dante no Convívio. E mais do que nunca somos desejosos, neste tempo presente feito de faltas, renúncias, distâncias. Desejosos de ter de volta e ser o que tínhamos, o que fomos e não somos mais.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Aquele impulso perene que nos traz de volta a Adão e Eva - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV