O que esperar quando o Papa Francisco fizer sua histórica viagem ao Iraque? Entrevista com o cardeal Sandri

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • A síndrome do pensamento acelerado

    LER MAIS
  • Papa Francisco não é contra ‘novos movimentos eclesiais’, ele apenas favorece alguns em detrimento de outros

    LER MAIS
  • Simone Weil: Uma carta de coração

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Fevereiro 2021

Apesar dos significativos riscos relativos à segurança e à pandemia, o Papa Francisco visitará o Iraque de 05 a 08 de março. Ele está indo “para consolar e encorajar” os católicos, cristãos e outras minorias religiosas, bem como as pessoas de maioria muçulmana que tem sofrido muito com a guerra, terrorismo e perseguição. Ele vai para promover a paz e “oferecer um mapa para o futuro das relações inter-religiosas e para o futuro do mundo”.

Isso é o que o cardeal Leonardo Sandri, prefeito do Vaticano da Congregação para as Igrejas Orientais, disse à America em uma entrevista de uma hora desde seu escritório, em 08 de fevereiro. O cardeal argentino visitou o Iraque em 2012 e 2015, e acompanhará Francisco na primeira visita de um papa ao que o cardeal chama de “terra martirizada”.

A entrevista é de Gerard O’Connell, publicada por America, 23-02-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

“A visita acarreta riscos, e o Papa corre os riscos porque se vê como pastor, como pai, como quem vai a quem está em dificuldade”, disse o cardeal. “Quanto à segurança, acredito que o governo iraquiano tomará todas as medidas para garantir que a visita seja tranquila”. Ele reconheceu que os membros do Daesh começaram a se reagrupar sob a cobertura da pandemia, enquanto os estadunidenses se retiravam, e realizavam ataques suicidas em Bagdá.

O papa, disse o cardeal Sandri, está mais preocupado com a pandemia do que com sua própria segurança: “[Francisco] diz: ‘Se eu for e muitas pessoas vierem me cumprimentar, isso causará contágio. Eu não quero isso’”. Depois que esta entrevista foi conduzida, o governo iraquiano impôs um bloqueio definido para durar de 18 de fevereiro a 8 de março para conter a disseminação da covid-19. Posteriormente, eles mudaram o fim do bloqueio para 4 de março – um dia antes da chegada do papa.

Ele descreveu a visita de Francisco como sendo “em continuidade” com o desejo do Papa João Paulo II, que queria visitar Ur – a pátria de Abraão, considerado o pai da fé em um Deus no Judaísmo, Cristianismo e Islã – durante o Grande Jubileu Ano 2000, mas não foi possível.

O cardeal Sandri lembrou como em 2003, quando era chefe de gabinete da Secretaria de Estado do Vaticano, João Paulo II fez tudo que lhe era possível para impedir a guerra contra o Iraque; ele enviou o cardeal Roger Etchegeray para falar com o presidente Saddam Hussein e o cardeal Pio Laghi para falar com o presidente George W. Bush, mas “foi incapaz de evitar os atentados”.

O cardeal se referiu ao Iraque como uma “terra martirizada” e falou sobre o quanto sofreu com “terrorismo, violência, bombardeios e perseguição entre os diferentes componentes da sociedade iraquiana”. Ele lembrou que o Papa Bento XVI realizou um sínodo de bispos para o Oriente Médio que terminou em 30 de outubro de 2010, e no dia seguinte, 31 de outubro, “um terrível atentado foi perpetrado pelo Daesh na catedral siro-católica de Bagdá enquanto as pessoas oravam, e a explosão deixou mais de 50 mortos – padres, leigos e crianças”.

“A causa de sua beatificação agora foi aberta”, disse ele, e o Papa Francisco “visitará esta catedral e prestará homenagem a esses mártires”.

“[Francisco] quer trazer consolo, proximidade, fraternidade, abertura, amizade a este povo que tanto sofreu e à Igreja Católica e aos cristãos católicos desta terra que sofreram de uma forma que os deixou dizimados”, cardeal Sandri disse. Ele explicou que esses cristãos estão divididos em diferentes ritos: caldeus, siro-católicos, latinos, armênios e melquitas. Existem também outros cristãos que não são católicos, incluindo os membros da Igreja Ortodoxa Síria do Oriente, bem como luteranos e anglicanos.

Ele lembrou que antes da invasão dos EUA em 2003 havia 1,5 milhão de cristãos iraquianos, mas hoje existem, no máximo, 500 mil. “O número é fluido”, disse ele. Outras fontes dizem de 250 mil a 300 mil.

Embora reconhecer a situação “seja difícil”, o cardeal espera que o êxodo não continue e que “o Oriente Médio e o Iraque não tenham ficado sem cristãos”.

“É importante também”, disse ele, “o Papa Francisco querer agradecer a esses bispos pelo exemplo que deram, sendo fiéis ao seu ministério de pastores e não abandonando seu rebanho. Eles não foram embora; eles ficaram lá com seu rebanho e resistiram o melhor que puderam nas circunstâncias. Eles deram um exemplo de bom pastor para toda a igreja”.

O cardeal Sandri disse que o papa costuma falar “do martírio dos cristãos na época atual” e que “em alguns momentos é pior do que as perseguições no período inicial do cristianismo”.

Ele lembrou sua primeira visita ao Iraque em dezembro de 2012, em nome do Papa Bento XVI, para a reconsagração da catedral siro-católica em Bagdá que foi destruída no ataque terrorista. De lá, ele viajou para Kirkuk e Erbil em um caminhão protegido pelas forças militares.

Ao chegar a Kirkuk, ele disse: “Encontrei o bispo Louis Raphaël I Sako [agora o patriarca caldeu], e a primeira coisa que ele fez foi me levar à mesquita para um encontro com os imãs sunitas e xiitas, onde havia fizeram discursos de boas-vindas, aos quais eu tive que responder, e eles me presentearam com uma cópia do Alcorão. E então poderíamos ir para a catedral – mas primeiro a mesquita”.

Comentando aquela visita, ele disse: “Para nós, é um outro mundo, acostumados como estamos a ter a liberdade de andar, de ir e vir. Mas aí está um mundo de segurança”. Ele lembrou que durante a concelebração da missa com o patriarca na catedral de Kirkurk, “houve uma explosão terrível. Houve um ataque a cerca de 20km de distância que deixou 40 mortos”.

Na sua segunda visita em 2015, ele foi a Dujoq, próximo a Mosul, onde visitou cristãos que fugiram do Daesh. Ele não poderia entrar em Mosul, que ainda não havia sido libertado do Daesh. Durante sua visita, ele viu “a grande importância da generosidade do mundo católico [em prover assistência para aqueles cristãos em sofrimento]”. Ele revelou que o Papa Francisco “destacará” essa generosidade convidando Regina Lynch, diretora do projeto da Ajuda à Igreja que Sofre, para acompanhá-lo no voo.

O cardeal Sandri enfatizou que a visita do Papa Francisco não é apenas para católicos e outros cristãos, tem também “uma importante dimensão do diálogo inter-religioso com os muçulmanos”.

Ele disse que Francisco não trará apenas “o apelo de João Paulo II à paz”, mas também as ideias da encíclica “Fratelli Tutti” e a declaração sobre a fraternidade humana que ele assinou em Abu Dhabi com o Grande Imã de Al-Azhar. Em outras palavras, disse o cardeal, “ele trará um anúncio pela paz e um roteiro concreto para o futuro das relações inter-religiosas e para o futuro do mundo”.

O cardeal observou que “estamos sempre pensando em um novo mundo de justiça, uma nova terra, novos céus”, mas isso requer “a possibilidade de que todas as pessoas possam trabalhar juntas, seja qual for a religião a que pertençam”. Mas, disse ele, “hoje temos – graças também ao magistério do Papa Francisco – uma maior consciência social, que se reflete também nas grandes personalidades da política e da economia mundial, que dizem que não podemos continuar assim, com todas as injustiças e discriminações que temos”.

Para ele, “a visita do Papa Francisco tem um valor constitucional para o futuro do mundo, um projeto, uma mensagem a que se pode agarrar para sair do abandono do mundo presente, com todas as suas desigualdades, injustiças, pobreza, discriminações e assim por diante. É o roteiro para o futuro da humanidade”.

O Papa Francisco viajará para Najaf em 6 de março para visitar o aiatolá Ali al-Sistani, a autoridade mais reverenciada não apenas pelos xiitas iraquianos (cerca de 55% dos muçulmanos iraquianos), mas também por muitos outros muçulmanos neste país e no mundo. O cardeal não sabia se vão assinar um documento, mas, disse, “em qualquer caso o documento será a foto dos dois juntos, o encontro será por si mesmo a mensagem”.

O cardeal Sandri acredita que a visita de Francisco ao Iraque “tem enorme importância porque o Oriente Médio é dominado pela presença do Islã em suas diferentes formas, sunita e xiita e outros também”. Significa “o respeito do Papa pelo Islã em um país onde os muçulmanos também foram vítimas dessa situação. Não apenas católicos, cristãos, mas muitos muçulmanos também sofreram o martírio pelo terrorismo, as guerras destruidoras, divisões entre si, e quando há um ataque em Bagdá, a maioria [das vítimas] são muçulmanas”. O cardeal sente que “o respeito do papa por este mundo dominado pelo Islã [...] está produzindo um sentimento de abertura ao papa e de amizade à Igreja Católica”.

O Papa Francisco está ansioso para visitar o Iraque, e o governo iraquiano deseja muito que ele venha. Solicitado para explicar isso, o cardeal disse: “O Iraque precisa superar uma fase em que está considerado em estado de morte por causa de tudo o que lhe aconteceu por causa de guerras, terrorismo, perseguições e poder dizer: ‘Não somos mais isso’. A visita do papa traz a conotação de que ‘o país está saindo desse estado [de morte], ou saiu dele’. A visita do papa é uma espécie de carimbo que diz ‘venha’”.

O cardeal acrescentou: “Esperamos que durante a visita isso se concretize, que eles respeitem o Papa e que nada de inconveniente aconteça do ponto de vista da segurança”.

Questionado sobre o que consideraria sinais de uma visita bem-sucedida, o cardeal Sandri disse que não considera multidões como um indicador de sucesso e, em qualquer caso, ele não espera ver isso no Iraque, não mais do que vimos quando João Paulo II foi para a Grécia. Em vez disso, ele vê “o fato de que o papa se curva em nome da Igreja e assume sobre seus ombros, como vigário de Cristo, essa humanidade sofredora, e leva esse peso, esse povo, que está se movendo para um sucesso que não é mostrado por multidões”.

Além disso, “é uma visita que já abriu portas”, disse, e “tem a possibilidade de abrir ainda mais portas para que se cumpra o desígnio de Deus, que deseja que vivamos como irmãos”.


Mapa do Iraque, em destaque as localidades que serão visitadas pelo Papa Francisco. Fonte: Universidade do Texas

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O que esperar quando o Papa Francisco fizer sua histórica viagem ao Iraque? Entrevista com o cardeal Sandri - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV