“Chega de rigidez. É preciso sustentar e acompanhar cada pessoa”. Entrevista com Marcello Semeraro, prefeito da Congregação para as Causas dos Santos

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Para ser ouvida, a Igreja precisa mudar de método. Entrevista com Jean-Claude Hollerich, relator do próximo Sínodo

    LER MAIS
  • A Europa e a guerra da Ucrânia. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS
  • “O virtual não pode ser tudo, porque se for tudo, a vida não faz sentido”. Entrevista com Cédric Durand

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Outubro 2020

“Certa vez o Santo Padre, sorrindo, me disse: veja, Marcello, você deveria aprofundar a reflexão sobre a importância do substantivo em relação ao adjetivo qualificativo. O substantivo é mais importante que os adjetivos”. O bispo Marcello Semeraro, recém-nomeado prefeito da Congregação para as Causas dos Santos (no lugar do cardeal Angelo Becciu, forçado a renunciar após a investigação do escândalo de Londres), considera as palavras proferidas por Francisco sobre as uniões civis e as "pessoas homossexuais" sem surpresa. Eles se conhecem há quase vinte anos, bem antes do Conclave.

Dom Semeraro acaba de escrever o prefácio do livro do padre Aristide Fumagalli “L'amore possibile. Persone onossessuali e morale cristiana.

A entrevista é de Gian Guido Vecchi, publicada por Corriere della Sera, 22-10-2020. A tradução é de Luisa Rabolini

 

Eis a entrevista. 

Excelência, o senhor mesmo disse uma vez ao Corriere: "Em princípio, não tenho objeções ao fato que sob o aspecto público seja dada consistência jurídica a essas uniões”.

Certo, é legítimo que uma sociedade encontre formas jurídicas de garantia. Mas a reflexão do Papa, mais do que do ponto de vista jurídico, deve ser lida em outro contexto.

E qual?

De tudo o que é necessário para proteger a pessoa. Aliás, melhor: cuidá-la. Todas as intervenções do Papa são em defesa da pessoa. É preciso saber olhar para cada pessoa, cada filho de Deus, antes de cada possível adjetivo, ‘homossexual’ ou outro. Sustentá-la e ajudá-la, principalmente no momento em que ela precisar.

E isso também significa tutela jurídica?

Sim, também: significa tudo o que pode proteger as pessoas, acompanhá-las no caminho que estão percorrendo. Diante de cada filho de Deus, você tem que olhar a substância antes dos adjetivos. Só assim cada pessoa pode dar um passo à frente. É um pouco como o ‘magis’ de Santo Inácio de Loyola.

O que é isso?

Não um idealismo abstrato do 'tudo ou nada', mas a razoabilidade do 'melhor possível'. A atitude do Santo Padre é pastoral. O oposto daqueles que, com seu comportamento rígido, fazem a pessoa cair em vez de sustentá-la. São Leão Magno, quando fala do cuidado pastoral, diz que essa atitude, sufocar uma pessoa e impedir-lhe de olhar além, não é cristã.

É um ponto de virada?

O Catecismo da Igreja Católica diz que as pessoas com tendências homossexuais ‘devem ser acolhidas com respeito, compaixão, delicadeza. A seu respeito, qualquer marca de discriminação injusta deve ser evitada’.

 

Leia mais 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Chega de rigidez. É preciso sustentar e acompanhar cada pessoa”. Entrevista com Marcello Semeraro, prefeito da Congregação para as Causas dos Santos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV