Católicos alemães observam o nervosismo em Roma sobre o debate das reformas na Alemanha

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • “Da crise não se sai sozinho. Se sai arriscando e dando a mão ao outro”. Entrevista com o Papa Francisco

    LER MAIS
  • "A sinodalidade é um processo dinâmico que nunca termina". Entrevista com Dom Luis Marín de San Martín

    LER MAIS
  • "Derrotar Bolsonaro nas urnas não acabará com bolsonarismo", afirma Marcos Nobre

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Setembro 2020

De acordo com Thomas Sternberg, presidente do Comitê Católico Alemão para Leigos (ZdK), o Vaticano está observando com muito cuidado os debates sobre as reformas da Igreja na Alemanha. Atualmente, Roma está olhando para a Igreja alemã local com certo nervosismo. Desde o sínodo de Würzburg (1971-1975), sabe-se que a Alemanha "costuma escolher caminhos não convencionais e iniciar reformas sem esperar por Roma", disse Sternberg. “E o Vaticano não gosta disso”.

A informação é da KNA – Katholische Nachrichten Agentur, publicada por Dom Radio, 02-09-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Conferências regionais do Percurso sinodal

O presidente do ZdK falou antes da próxima etapa do Percurso sinodal. Essa iniciativa lançada pelos bispos alemães e pelo Comitê de Leigos Católicos durará, segundo o planejado, até fevereiro de 2022, com o objetivo de recuperar a confiança perdida por causa do escândalo dos abusos e sondar as possibilidades de reformas na vida eclesial.

As Conferências Regionais acontecerão na sexta-feira em cinco locais diferentes. Sternberg acredita que, infelizmente, ainda possam vir de Roma mais interferências no Percurso Sinodal.

A instrução sobre as reformas das paróquias

Como exemplo, citou a Instrução sobre as Reformas das Paróquias apresentada no final de julho, que coloca claras limitações nas mudanças nesse âmbito. O documento da Congregação para o Clero se dirigiu formalmente a toda a Igreja universal, mas não levou em consideração as condições da Igreja local, no caso a da Alemanha, é a crítica de Sternberg.

“A leitura da Instrução foi amarga de engolir. Então disse a mim mesmo: em algumas partes está tão longe da realidade e tão absurda, que nem quero ficar com raiva por isso. Creio que muitos leigos empenhados no Percurso Sinodal pensam da mesma forma”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Católicos alemães observam o nervosismo em Roma sobre o debate das reformas na Alemanha - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV