"Esta nomeação é um presente totalmente imerecido e inesperado", afirma dom Rosa Chávez

Mais Lidos

  • Especialização em Protagonismo Feminino na Igreja: experiência de sororidade e crescimento humano integral

    LER MAIS
  • Católicos versus Evangélicos no Brasil: “guerra de posição” x “guerra de movimento”. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    LER MAIS
  • No meio do caminho estava o CIMI: 50 anos do documento-denúncia “Y-Juca-Pirama” e a atuação do Pe. Antônio Iasi Jr, SJ

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

23 Mai 2017

Surpreso e admirado. Foi assim que dom Gregorio Rosa Chávez recebeu a notícia que será nomeado cardeal pelo papa Francisco.

A informação é publicada por elsalvador.com, 21-05-2017. A tradução é do Cepat.

A nomeação como Cardeal tomou de surpresa o bispo auxiliar de San Salvador, dom Gregorio Rosa Chávez, nesta manhã, ao ser um dos cinco novos cardeais da lista apresentada pelo papa Francisco.

Não é comum que um bispo auxiliar seja nomeado cardeal, no entanto, afirmou que há registros de sacerdotes que receberam essa honra, mas reconhece que não é tão frequente. “Foi um telefonema da Espanha, às 5h da manhã, de que haviam escutado a notícia do Papa, às 12h, em Roma, na qual fazia minha nomeação. Tomou-me de surpresa, pensei que era uma brincadeira, depois me dei conta que era verdade”, foram as primeiras palavras de dom Rosa Chávez aos jornalistas, nesta manhã, no escritório da Igreja São Francisco, localizada na Alameda João Paulo II e 2ª Avenida Norte.

Rosa Chávez não negou que ficou tocado e emocionado após o anúncio do Vaticano, ainda que, em seguida, continuou a receber mais ligações de outros países, nas quais o felicitavam, ao mesmo tempo em que no país também se somavam pessoas que o felicitaram pela sua nova nomeação como Cardeal, a primeira em El Salvador.

“Feliz pelo país, pois as notícias boas estão escassas. Enviaram-me o fato da forma como foi difundido no Vaticano”, sustentou Rosa Chávez.

Gregorio Rosa Chávez (direita) junto a dom Óscar Arnulfo Romero

Entre as novas atribuições de dom Rosa Chávez, está a eleição de um novo Papa em Roma, mas se estiver com menos de 80 anos, pois, caso contrário, não poderá entrar no conclave. No seu caso, completará 75 anos no próximo dia 03 de setembro.

Para esta data, estava preparando sua renúncia do cargo de bispo auxiliar, mas, agora, a decisão será do papa Francisco, em Roma.

Além disso, como novos papéis, “um é a atribuição de uma igreja simbólica em Roma, também cabe participar em comissões de trabalho que sejam formadas e, sobretudo, ser um colaborador direto do Papa, de acordo com o que for solicitado”, afirmou.

Hierarquicamente, no país, sua nova nomeação não representa maior mudança, exceto, que há uma primazia de honra, mas em nível de jurisdição nada é alterado.

A nomeação de dom Rosa Chávez como Cardeal se dá em um momento no qual o país vive um clima de violência. “Eu relaciono tudo a dom Romero, é o ano de seu centenário de nascimento, mas o país necessita de todo um trabalho, sem descanso, para poder superar esta situação. Isto incentiva o processo para conseguir um país em paz e em justiça”, destacou.

O bispo Rosa Chávez afirmou que sua nomeação fortalece o processo de dom Romero rumo aos altares, mas este será um processo.

Disse que para agradecer por sua nomeação, neste dia, presidirá missa na Igreja onde dom Romero foi assassinado e, à tarde, estará na cripta onde repousam seus restos mortais como agradecimento por “um presente totalmente imerecido e inesperado”.

O bispo auxiliar de San Salvador, dom Gregorio Rosa Chávez, também afirmou, mais cedo, na Rádio Maya Visión, que foi uma grande surpresa saber de sua nomeação como cardeal. “Tenho uma gratidão profunda ao Senhor e ao Santo Padre, Francisco. Realmente, é um presente de Deus”, disse.

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, visita o túmulo de dom Óscar Romero na companhia do bispo auxiliar Gregorio Rosa Chávez, em 2016.

Além disso, manifestou que esta é uma decisão absolutamente do Papa. “Ele toma a decisão de forma soberana, autônoma. Eu o digo como dom Romero, o Papa ama tanto dom Romero e talvez pensou neste país, o país de dom Romero”, acrescentou.

O hierarca católico, que nasceu no dia 3 de setembro de 1942, no município de Sociedad, departamento de Morazán, poderá colaborar com o Santo Padre nas decisões que ele o consultar. “Na caminhada, vou aprendendo o ofício... E entre minhas atividades está a de ser considerado eleitor, no caso da realização de um conclave”, detalhou.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Esta nomeação é um presente totalmente imerecido e inesperado", afirma dom Rosa Chávez - Instituto Humanitas Unisinos - IHU