Grandes sites dos EUA ficam lentos para lutar pela neutralidade da rede

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

11 Setembro 2014

Se no Brasil a aprovação do Marco Civil garantiu a neutralidade de rede, nos Estados Unidos essa conquista ainda enfrenta obstáculos. E, para pressionar o órgão regulador do país a determinar que operadoras ofereçam internet sem diferenciar as velocidades de acordo com o conteúdo, grandes sites decidiram passar o dia simulando a lerdeza que seria o acesso sem a neutralidade.

alt
Foto: Reprodução

Netflix, Foursquare, Kickstarter, Mozilla, Reddit, Pornhub, RedTube e Vimeo estão entre os endereços que entraram no protesto, conforme noticiado pelo The Guardian. Todos instalaram um widget que reduz a velocidade do acesso.

A ideia é fazer os internautas perceberem que, sem neutralidade de rede, as operadoras podem obrigar os assinantes a pagar mais para acessar esses sites com velocidade plena. Tendo percebido isso, os próprios internautas ajudariam as empresas a pressionar os reguladores.

Tudo isso porque a FCC - espécie de Anatel dos EUA - está revendo a legislação sobre internet no país e uma das propostas permitira que as operadoras fizessem a distinção por conteúdo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Grandes sites dos EUA ficam lentos para lutar pela neutralidade da rede - Instituto Humanitas Unisinos - IHU